O que é leucemia, quais seus sintomas e tratamentos

O que é leucemia, quais seus sintomas e tratamentos

A leucemia é uma doença grave que ainda não tem uma causa totalmente conhecida. Hoje vamos saber mais sobre essa doença, seus sintomas, tipos e tratamentos.

O que é leucemia?

A leucemia é um tipo de câncer das células do sangue. Na leucemia, células sanguíneas anormais são produzidas na medula óssea. Geralmente, a leucemia envolve a produção de glóbulos brancos anormais, que as células responsáveis ​​pela luta contra infecções. No entanto, as células anormais na leucemia não funcionam da mesma forma que os glóbulos brancos normais. As células de leucemia continuam a crescer e dividir, acabando por afastar as células sanguíneas normais. O resultado final é que torna-se difícil para o corpo combater infecções, controlar o sangramento e transportar oxigênio.

Existem diferentes tipos de leucemia, com base em quão rapidamente a doença se desenvolve e o tipo de células anormais produzidas. A leucemia é chamada de leucemia aguda se ela se desenvolver rapidamente. Quando ocorre, um grande número de células de leucemia se acumulam muito rapidamente no sangue e na medula óssea, levando a sintomas como cansaço, hematomas fáceis e susceptibilidade a infecções. A leucemia aguda requer um tratamento rápido e agressivo.

A leucemia crônica se desenvolve lentamente ao longo do tempo. Essa leucemia pode não causar sintomas específicos no início da doença. Se não for tratada, as células podem eventualmente crescer para números elevados, como em leucemias agudas causando sintomas semelhantes.

Tipos de leucemia

leucemia

Os quatro tipos mais comuns de leucemia são leucemia linfocítica aguda, leucemia linfocítica crônica, leucemia mieloide aguda e leucemia mieloide crônica.

  • – A leucemia linfocítica aguda (também conhecida como leucemia linfoblástica aguda) é o tipo mais comum de leucemia em crianças, mas também pode afetar adultos. Neste tipo de leucemia, as células linfáticas imaturas crescem rapidamente no sangue.
  • – A leucemia mieloide aguda envolve o rápido crescimento das células mieloides. Ocorre em adultos e crianças.
  • – A leucemia linfocítica crônica é um câncer de células linfoides de crescimento lento que geralmente afeta pessoas com mais de 55 anos de idade. Isso quase nunca ocorre em crianças ou adolescentes.
  • – A leucemia mieloide crônica afeta principalmente adultos.

As leucemias são classificadas como mieloides ou linfoides, dependendo do tipo de glóbulo branco que compõe as células leucêmicas. É necessária uma compreensão básica do desenvolvimento normal das células do sangue para compreender os diferentes tipos de leucemia.

As células de sangue normais se desenvolvem a partir de células-tronco que têm o potencial de se tornar muitos tipos de células. As células estaminais mieloides amadurecem na medula óssea e se tornam células brancas imaturas chamadas explosões mieloides. Essas explosões mieloides amadurecem para se tornarem glóbulos vermelhos, plaquetas ou certos tipos de glóbulos brancos.

As células estaminais linfoides amadurecem na medula óssea para se tornarem explosões linfoides. As explosões linfoides se desenvolvem ainda mais nos linfócitos T ou B, tipos especiais de glóbulos brancos. As leucemias mieloides são constituídas por células que surgem de células mieloides, enquanto as leucemias linfoides surgem de células linfoides. Conhecer o tipo de célula envolvida na leucemia é importante na escolha do tratamento adequado.

O que causa leucemia?

A causa exata da leucemia não é conhecida, mas pensa-se que envolve uma combinação de fatores genéticos e ambientais. As células de leucemia adquiriram mutações em seu DNA que as fazem crescer de forma anormal e perder funções de células brancas do sangue. Não está claro o que faz com que essas mutações ocorram.

Um tipo de alteração no DNA das células que é comum nas leucemias é conhecido como translocação cromossômica. Neste processo, uma porção de um cromossomo quebra e atribui-se a um cromossomo diferente. Uma translocação observada em quase todos os casos de leucemia mieloide crônica e às vezes em outros tipos de leucemia. Nesse caso, ocorre uma troca de DNA entre os cromossomos 9 e 22, o que leva ao que é conhecido como translocação Filadélfia ou cromossomo de Filadélfia. Isso cria um oncogene (gene promotor de câncer) conhecido como BCR-ABL. Essa alteração no DNA não é herdada mas ocorre em algum momento da vida do indivíduo afetado.

Não se acredita que a maioria dos casos de leucemia seja hereditária, mas certas mutações genéticas e condições podem ser transmitidas aos filhos que aumentam as chances de desenvolver leucemia. Uma condição conhecida como síndrome de Li-Fraumeni é caracterizada por uma mutação herdada em um gene supressor de tumor conhecido como TP53, e indivíduos com esta condição apresentam um risco aumentado de leucemia e outros tipos de câncer.

Outras condições hereditárias que podem aumentar o risco de desenvolver leucemia incluem síndrome de Down, neurofibromatose tipo 1, ataxia telangiectasia e síndrome de Noonan.

Anemia pode virar leucemia?

Não, a anemia não pode provocar a leucemia, ambas as doenças são muito diferentes. No entanto, a anemia é um sintoma da leucemia, por isso, pode ser necessário fazer exames para se certificar de que seja uma anemia ou leucemia.

Leucemia sintomas

leucemia

Os sinais e sintomas de leucemia dependem do tipo de leucemia. Conforme mencionado anteriormente, a leucemia de crescimento crônica pode não causar sintomas no início, enquanto a leucemia agressiva ou de rápido crescimento pode levar a sintomas graves. Os sintomas da leucemia surgem de uma perda de função das células sanguíneas normais ou do acúmulo de células anormais no organismo.

Os sinais e sintomas da leucemia geralmente incluem o seguinte:

  • – Febre
  • – Suor noturno
  • – Nódulos linfáticos inchados que geralmente são indolores
  • – Sentimentos de fadiga, cansaço
  • – Hematomas fáceis, causando manchas azuladas ou purpúreas na pele ou pequenas manchas vermelhas na pele ou hemorragias nasais recorrentes
  • – Infecções frequentes
  • – Dores nas articulações
  • – Perda de peso que é inexplicável ou perda de apetite
  • – Alargamento do baço ou fígado, que pode levar a dor abdominal ou inchaço
  • – Manchas vermelhas na pele (petequias)

Se as células de leucemia se infiltrarem no cérebro, podem ocorrer sintomas como dores de cabeça, convulsões, confusão, perda de controle muscular e vômitos

Fatores de risco para leucemia

A exposição à radiação é conhecida por aumentar o risco de desenvolver leucemia mieloide aguda, leucemia mieloide crônica ou leucemia linfocítica aguda. Aumentos nos casos de leucemia foram observados em pessoas que sobreviveram a bombas atômicas. A terapia de radiação para câncer também pode aumentar o risco de leucemia. A exposição a determinados produtos químicos, incluindo o benzeno (usado comumente na indústria química), aumenta o risco de leucemia. O cigarro é conhecido por aumentar o risco de desenvolver leucemia mieloide aguda.

Certos transtornos genéticos podem aumentar o risco. A síndrome de Down, a síndrome de Li-Fraumeni e outras condições médicas podem aumentar o risco de desenvolver leucemia. Os distúrbios do sangue conhecidos como síndromes mielodisplásicas conferem um risco aumentado de desenvolver a doença. O vírus da leucemia de células T humanas tipo 1 (HTLV-1) é um vírus que causa um tipo de leucemia rara. Certos medicamentos de quimioterapia para câncer podem aumentar o risco de leucemia mieloide aguda ou leucemia linfocítica aguda.

Ter fatores de risco não significa que uma pessoa definitivamente terá leucemia, e a maioria das pessoas com fatores de risco não desenvolverá a doença. Do mesmo modo, nem todos os que desenvolvem leucemia possuem um fator de risco identificável.

Diagnóstico da leucemia

leucemia

Hematologistas são médicos especializados que diagnosticam e tratam doenças do sangue, incluindo leucemia. Os hematologistas e oncologistas tratam doenças do sangue, como a leucemia, bem como outros tipos de câncer.

Além de uma história médica (perguntando sobre sintomas e fatores de risco) e um exame físico para procurar sinais de leucemia (aumento dos nódulos linfáticos, aumento do baço, etc), o diagnóstico de leucemia geralmente envolve estudos laboratoriais de uma amostra de sangue. Números anormais de células sanguíneas podem sugerir um diagnóstico de leucemia, e a amostra de sangue também pode ser examinada no microscópio para ver se as células aparecem anormais. Uma amostra da medula óssea também pode ser obtida para estabelecer o diagnóstico. Para obter uma amostra de medula óssea, é utilizada uma agulha comprida e fina para retirá-la da medula óssea do osso do quadril, sob anestesia local.

As células do sangue e da medula óssea são testadas se as células da leucemia estão presentes. Esses testes adicionais buscam alterações genéticas e expressão de certos marcadores de superfície celular pelas células cancerosas (imunofenotipagem). Os resultados destes testes são utilizados para ajudar a determinar a classificação precisa da leucemia e decidir sobre o tratamento ideal.

Outros testes que podem ser úteis incluem uma radiografia de tórax para determinar se há gânglios linfáticos aumentados ou outros sinais de doença e uma punção lombar para remover uma amostra de líquido cefalorraquidiano para determinar se as células de leucemia se infiltraram nas membranas e no espaço em torno da cérebro e medula espinhal.

Testes de imagem como a ressonância magnética e a tomografia computadorizada também podem ser úteis para alguns pacientes para determinar a extensão da doença.

Leucemia tem cura?

A leucemia tem cura sim. Existem várias abordagens médicas diferentes para o tratamento da leucemia. O tratamento normalmente dependerá do tipo de leucemia, da idade e do estado de saúde do paciente, bem como se as células da leucemia se espalharam ou não para o líquido cefalorraquidiano. As alterações genéticas ou características específicas das células de leucemia determinadas no laboratório também podem determinar o tipo de tratamento que pode ser mais apropriado.

Os tratamentos para leucemia incluem quimioterapia (principal modalidade de tratamento para leucemia), terapia de radiação, terapia biológica, terapia direcionada e transplante de células estaminais. Podem ser utilizadas combinações destes tratamentos. A remoção cirúrgica do baço pode ser uma parte do tratamento se o baço for ampliado.

A leucemia aguda precisa ser tratada quando é diagnosticada, com o objetivo de induzir uma remissão (ausência de células leucêmicas no organismo). Após a remissão ser alcançada, a terapia pode ser administrada para evitar uma volta da doença. Isso é chamado de terapia de consolidação ou manutenção. As leucemias agudas geralmente podem ser curadas com o tratamento.

É improvável que as leucemias crônicas sejam curadas com o tratamento, mas os tratamentos são muitas vezes capazes de controlar o câncer e gerenciar os sintomas. Algumas pessoas com leucemia crônica podem ser candidatas ao transplante de células-tronco, o que oferece chance de cura.

Muitos pacientes optam por receber uma segunda opinião antes de iniciar o tratamento para leucemia. No entanto, em casos raros de leucemias muito agressivas, o tratamento deve começar imediatamente. Alguém deve discutir com um médico a possibilidade de obter uma segunda opinião e quaisquer possíveis atrasos no tratamento.

Tratamento para leucemia

Os tratamentos para leucemia incluem:

leucemia

Quimioterapia

A quimioterapia é a administração de drogas que matam células que se dividem rapidamente, como leucemia ou outras células cancerígenas. A quimioterapia pode ser tomada por via oral em comprimidos ou pode ser administrada através de um cateter ou linha intravenosa diretamente na corrente sanguínea. A quimioterapia combinada geralmente é administrada, o que envolve uma combinação de mais de um medicamento. Os medicamentos são administrados em ciclos com períodos de repouso entre eles.

Às vezes, medicamentos de quimioterapia para leucemia são entregues diretamente ao líquido cefalorraquidiano (conhecido como quimioterapia intratecal). A quimioterapia intratecal é administrada além de outros tipos de quimioterapia e pode ser usada para tratar leucemia no cérebro ou na medula espinhal ou, em alguns casos, prevenir a propagação da leucemia ao cérebro e à medula espinhal.

Os efeitos secundários da quimioterapia dependem dos medicamentos específicos tomados e da dosagem ou regime. Alguns efeitos colaterais dos medicamentos de quimioterapia incluem perda de cabelo, náuseas, vômitos, feridas na boca, perda de apetite, cansaço, hematomas ou hemorragias fáceis e uma maior chance de infecção devido à destruição de glóbulos brancos. Existem medicamentos disponíveis para ajudar a gerenciar os efeitos colaterais da quimioterapia.

Alguns homens e mulheres adultos que recebem quimioterapia sofrem danos aos ovários ou testículos, resultando em infertilidade. A maioria das crianças que recebem quimioterapia para leucemia terá fertilidade normal como adultos, mas, dependendo das drogas e doses utilizadas, algumas podem ter infertilidade como adultos.

Terapia biológica

A terapia biológica é qualquer tratamento que use organismos vivos, substâncias provenientes de organismos vivos ou versões sintéticas dessas substâncias para tratar câncer. Esses tratamentos ajudam o sistema imunológico a reconhecer células anormais e depois atacá-las. Terapias biológicas para vários tipos de câncer podem incluir anticorpos, vacinas tumorais, ou citocinas (substâncias que são produzidas dentro do corpo para controlar o sistema imunológico). Os anticorpos monoclonais são anticorpos que reagem contra um alvo específico e são utilizados no tratamento de vários tipos de câncer.

Os efeitos colaterais das terapias biológicas tendem a ser menos graves que os da quimioterapia e podem incluir erupções cutâneas ou inchaço no local da injeção para infusões intravenosas dos agentes terapêuticos. Outros efeitos colaterais podem incluir dor de cabeça, dores musculares, febre ou cansaço.

Terapia direcionada

As terapias direcionadas são drogas que interferem com uma propriedade ou função específica de uma célula cancerosa, ao invés de agir para matar indiscriminadamente todas as células que crescem rapidamente. Isso significa que há menos danos nas células normais com terapia direcionada do que com quimioterapia. As terapias direcionadas podem fazer com que a célula-alvo continue a crescer em vez de morrer, e elas interferem com moléculas específicas que promovem o crescimento ou disseminação de cânceres. As terapias de câncer direcionadas também são chamadas de drogas direcionadas molecularmente, terapias direcionadas molecularmente ou medicamentos de precisão.

Os anticorpos monoclonais (descritos acima na seção sobre terapia biológica) também são considerados terapias direcionadas, uma vez que interferem especificamente e interagem com uma proteína alvo específica na superfície das células cancerosas.

As terapias direcionadas são administradas em forma de pílula ou por injeção. Os efeitos secundários podem incluir inchaço e aumento repentino de peso. Outros efeitos colaterais podem incluir náuseas, vômitos, diarreia, cãibras musculares ou erupção cutânea.

Terapia de radiação

A radioterapia usa radiação de alta energia para atingir células cancerosas. A radioterapia pode ser utilizada no tratamento da leucemia que se espalhou para o cérebro, ou pode ser usada para atingir o baço ou outras áreas onde as células da leucemia se acumularam.

A terapia de radiação também causa efeitos colaterais, mas não é provável que sejam permanentes. Os efeitos secundários dependem da localização do corpo que é irradiado. Por exemplo, a radiação para o abdômen pode causar náuseas, vômitos e diarreia. Com qualquer terapia de radiação, a pele na área a ser tratada pode tornar-se vermelha, seca e macia. O cansaço generalizado também é comum enquanto se submete à terapia de radiação.

Transplante de células-tronco

No transplante de células-tronco ou células estaminais, doses elevadas de quimioterapia e/ou radiação são dadas para destruir células de leucemia junto com medula óssea normal. Em seguida, as células estaminais do transplante são administradas por uma infusão intravenosa. As células-tronco viajam para a medula óssea e começam a produzir novas células sanguíneas. As células-tronco podem vir do paciente ou de um doador.

O transplante de células-tronco autólogo refere-se à situação em que as próprias células-tronco do próprio paciente são removidas e tratadas para destruir células de leucemia. Elas são então devolvidas ao corpo depois que a medula óssea e células de leucemia foram destruídas.

As células-tronco podem ser removidas (colhidas) de diferentes maneiras. Normalmente, elas são retiradas do sangue. Elas também podem ser colhidas a partir da medula óssea ou do sangue do cordão umbilical.

O transplante de células-tronco é feito em um hospital, e é necessário permanecer no hospital por várias semanas. Os riscos do procedimento incluem infecções e hemorragias devido à depleção de células sanguíneas normais. Um risco do transplante de células-tronco com células doadoras é conhecido como doença de enxerto contra hospedeiro. Nessa doença, os glóbulos brancos doadores reagem contra os tecidos normais do paciente. O problema pode ser leve ou muito grave, e muitas vezes afeta o fígado, a pele ou o trato digestivo. A doença de enxerto contra hospedeiro pode ocorrer a qualquer momento após o transplante, mesmo anos depois. Os esteroides ou medicamentos que suprimem a resposta imune podem ser usados ​​para tratar esta complicação.

Tratamentos de suporte

leucemia

Como muitos dos tratamentos para leucemia empobrecem células sanguíneas normais, aumentando o risco de sangramento e infecção, podem ser necessários tratamentos de suporte para ajudar a prevenir essas complicações do tratamento. Também podem ser necessários tratamentos de suporte para ajudar a minimizar e gerenciar os efeitos colaterais desagradáveis ​​da terapia médica ou de radiação.

Tipos de tratamentos de suporte e preventivos que podem ser utilizados para pacientes submetidos a tratamento para leucemia incluem o seguinte:

  • – Vacinas contra a gripe ou pneumonia
  • – Transfusão de sangue ou de plaquetas
  • – Medicamentos anti-náuseas
  • – Antibióticos ou medicamentos antivirais para tratar ou prevenir infecções
  • – Fatores de crescimento de glóbulos brancos para estimular a produção de glóbulos brancos
  • – Fatores de crescimento de células vermelhas para estimular a produção de glóbulos vermelhos
  • – Injeções intravenosas de imunoglobulinas para ajudar a combater a infecção

Complicações da leucemia?

Muitos dos desafios da leucemia referem-se ao esgotamento de células sanguíneas normais, bem como aos efeitos colaterais dos tratamentos, conforme descrito na seção anterior, como infecções frequentes, hemorragias, entre outros problemas. A perda de peso e a anemia são complicações adicionais da leucemia e seu tratamento. Complicações de qualquer leucemia também incluem uma recaída ou uma progressão da doença após a remissão ter sido alcançada com o tratamento.

Outras complicações da leucemia referem-se ao tipo específico de leucemia. Por exemplo, em 3% a 5% dos casos de leucemia linfocítica crônica, as células mudam as características e se transformam em um linfoma agressivo. Isso é conhecido como uma transformação Richter. A anemia hemolítica autoimune também pode ocorrer. Ela ataca e destrói os glóbulos vermelhos, é outra complicação potencial da leucemia linfocítica crônica. As pessoas com esse tipo de leucemia também são mais propensas a desenvolver um segundo câncer e outras doenças do sangue e câncer de sangue.

A síndrome de lise tumoral é uma condição causada pela morte rápida de células cancerosas durante o tratamento agudo. Pode ocorrer em quase qualquer tipo de câncer, e é visto em alguns casos de leucemia, particularmente quando um grande número de células de leucemia estão presentes. A destruição rápida das células de leucemia leva à liberação de grandes quantidades de fosfato, o que também causa anormalidades metabólicas e pode levar à insuficiência renal.

As crianças que recebem terapia podem experimentar efeitos adversos tardios, incluindo comprometimento do sistema nervoso central, desaceleração do crescimento, infertilidade, catarata e aumento do risco de outros tipos de câncer. A incidência desses efeitos tardios varia dependendo da idade no tratamento, do tipo e força das terapias.

Prognóstico da leucemia

O prognóstico da leucemia depende do tipo de leucemia presente e da idade e estado de saúde do paciente. As taxas de mortalidade para leucemia são maiores nos idosos do que em adultos e crianças mais jovens. Em muitos casos, a leucemia pode ser administrada ou curada com tratamentos disponíveis hoje. Em particular, a leucemia linfocítica aguda na infância tem uma taxa de sobrevivência muito alta.

Com que frequência a leucemia se repete?

A probabilidade de a leucemia se repetir (voltar após um tratamento bem sucedido) depende do tipo de leucemia, incluindo as características moleculares específicas das células cancerosas e a resposta do paciente ao tratamento inicial. Algumas leucemias agudas são tratadas com sucesso, e o paciente nunca experimenta uma recorrência. Nas leucemias crônicas, os sintomas e recorrências são comuns, e os tratamentos podem ser direcionados para manter a leucemia sob controle.

É possível prevenir a leucemia?

A maioria das pessoas que desenvolvem leucemia não possui um fator de risco conhecido, e geralmente não é possível preveni-la. Certos fatores de risco, como a exposição à radiação ou ao benzeno, podem ser minimizados, mas isso não garante a prevenção da doença.

Mais informações

Todos os pacientes com leucemia, independentemente do tipo que tenham ou tiveram, precisam ser verificados regularmente por seus médicos após o câncer ter sido tratado. Eles serão submetidos a testes, exames de sangue e ocasionalmente, de sua medula óssea. À medida que o tempo passa e o paciente continua a permanecer livre da doença, o médico pode decidir prolongar os intervalos entre os testes.

Este artigo te ajudou?
  • +2 curtiram
  • -1 não curtiram