O que é autismo, quais seus sintomas, testes e tratamentos

O que é autismo, quais seus sintomas, testes e tratamentos

O autismo, também chamado de autismo infantil ou transtorno autista, é uma desordem que causa desenvolvimento neurológico anormal. É um dos cinco distúrbios de desenvolvimento generalizados. Estima-se que a prevalência global do autismo aumenta em cerca de 10-17%.

Conheça mais sobre o autismo, quais seus tipos, sintomas, causas e as várias opções de tratamentos para esta condição.

O que é autismo?

autismo

O autismo é uma condição neurocomportamental complexa que inclui deficiências na interação social, linguagem, desenvolvimento e habilidades de comunicação combinadas com comportamentos rígidos e repetitivos. Devido à variedade de sintomas, esta condição é agora denominada como um Transtorno do Espectro Autista (TEA).

O Transtorno do Espectro Autista abrange um grande espectro de sintomas, habilidades e níveis de comprometimento. Ele varia em gravidade de uma deficiência que limita um pouco a vida a uma deficiência devastadora que pode exigir cuidados institucionais.

Crianças com autismo têm problemas para se comunicar. Elas têm dificuldade em entender o que outras pessoas pensam e sentem. Isso torna muito difícil para se expressarem com palavras ou através de gestos, expressões faciais e toque.

Uma criança com TEA que é muito sensível pode ser muito incomodada por sons, toques, cheiros ou visões que parecem normais para os outros.

Uma pessoa com Transtorno do Espectro Autista normalmente também preferirá manter um conjunto de comportamentos e resistirá às mudanças maiores (e muitas menores) nas atividades diárias.

O autismo é quatro vezes mais comum nos meninos do que nas meninas. Não conhece fronteiras raciais, étnicas ou sociais. A renda familiar, o estilo de vida ou os níveis educacionais não afetam a chance de uma criança ser autista.

Características do autismo

Crianças que são autistas podem ter movimentos repetitivos e estereotipados do corpo, como balançar ou bater as mãos. Elas podem ter respostas incomuns para pessoas, fixar-se em objetos, resistência à mudança em suas rotinas ou comportamento agressivo ou auto-prejudicial. Às vezes, elas podem parecer não notar pessoas, objetos ou atividades em seus arredores. Algumas crianças com autismo também podem desenvolver convulsões. E em alguns casos, essas convulsões podem não ocorrer até a adolescência.

Algumas pessoas com autismo são prejudicadas cognitivamente o que é classificado em um grau específico. Em contraste com outros comprometimentos cognitivos mais típicos, que se caracterizam por atrasos relativamente pequenos em todas as áreas de desenvolvimento, as pessoas com autismo mostram desenvolvimento desigual de habilidades.

Elas podem ter problemas em certas áreas, especialmente na capacidade de se comunicar e se relacionar com os outros. Mas podem ter habilidades incrivelmente desenvolvidas em outras áreas, como desenho, criação de música, resolução de problemas de matemática ou memorização de fatos. Por esta razão, elas podem ter uma quantidade mais alta, talvez até na faixa média ou acima da média, em testes de inteligência não-verbal.

Nem todas as pessoas com autismo têm uma habilidade incrível para números ou música. No entanto, uma proporção considerável de pessoas com um Transtorno do Espectro Autista tem QIs elevados e um talento único para a ciência da computação. A empresa alemã de software SAP SE tomou conhecimento disso e começou, em maio de 2013, a empregar centenas de pessoas com autismo como testadores de software, programadores e especialistas em garantia de qualidade de dados.

Autismo infantil

autismo

Embora o autismo seja um distúrbio de início muito precoce, o conhecimento sobre como ele é expresso na infância, até recentemente, permaneceu limitado. Nos últimos anos, novas estratégias de pesquisa e estudos, aumentaram substancialmente o conhecimento sobre autismo em lactentes. As pesquisas também oferecem novas oportunidades para triagem e identificação precoce do problema.

Uma pequena proporção de crianças parece desenvolver a desordem após alguns meses de desenvolvimento normal. No entanto, os sintomas emergem nos dois primeiros anos de vida na grande maioria dos casos.

Em um estudo do Children’s Hospital Boston (EUA), médicos analisaram a atividade cerebral de um bebê 9 meses de idade em risco (em risco porque tem um irmão autista mais velho). Eles determinaram quais sinais podem antever o autismo.

Os testes usados ainda não estão disponíveis para todos. Mas os pais podem estar atentos aos sinais muito mais cedo. A descoberta e a intervenção precoce podem fazer uma grande diferença, então fique atento a qualquer atraso que seu bebê está experimentando e discuta com seu pediatra.

Abaixo estão possíveis sinais de alerta em crianças de 2 meses a 2 anos. Se você observar algum, fale com o seu médico, que decidirá se é necessário mais testes. Não se preocupe se você ocasionalmente vê um ou dois deles, pode ser outro problema de comportamento, ou mesmo nada.

  • – De 2 a 3 meses: seu bebê não está fazendo contato frequente com os olhos.
  • – Em 3 meses: ele não está sorrindo para você.
  • – Em 6 meses: ele não ri.
  • – Cerca de 8 meses: ele não está seguindo seu olhar quando você se afasta dele.
  • – Em 9 meses: ele não começou a balbuciar (falar de maneira imperfeita).
  • – Em 1 ano: ele não está sempre olhando quando você chama seu nome.
  • – De 12 a 14 meses: ele não disse uma única palavra.
  • – Em 14 meses: ele não apresenta muito interesse.

Graus de autismo

O autismo inclui uma grande variedade de Transtornos do Espectro Autista de severidade variável. Alguns dos tipos de autismo incluem:

  • Transtorno autístico conhecido como “autismo clássico”: se manifesta como atrasos significativos na linguagem, desafios sociais, comunicação e comportamentos incomuns. Pode haver dificuldades de aprendizagem e inteligência abaixo da média.
  • Síndrome de Asperger: os sintomas são mais leves do que o autismo clássico. Há desafios sociais e comportamentos incomuns. Normalmente, não há problemas de linguagem ou deficiência intelectual. No entanto, algumas áreas do desenvolvimento da linguagem podem ser afetadas. Eles normalmente podem ter problemas com a compreensão de humor ou figuras de linguagem. Algumas crianças têm habilidades específicas em áreas que requerem lógica, memória e criatividade, como matemática, informática e música.
  • Transtorno invasivo do desenvolvimento: também conhecido como “autismo atípico”. Pessoas com este problema satisfazem alguns dos critérios para transtorno autista ou síndrome de Asperger, mas não todos. Os sintomas podem ser menores e mais leves. Pode haver desafios sociais e de comunicação.

As crianças com Transtornos do Espectro Autista podem também ter outros problemas, como transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), síndrome de Tourette ou outros distúrbios, como dispraxia (transtorno de coordenação do desenvolvimento), epilepsias, etc.

O autismo também pode ser dividido em autismo sindrômico e não sindrômico. O autismo sindrômico está associado a retardo mental grave ou profundo ou a características congênitas, como esclerose tuberosa. Por exemplo, aqueles com síndrome de Asperger. A síndrome de Asperger, no entanto, é diferente de outras síndromes de autismo, pois esses indivíduos tendem a apresentar melhor desempenho cognitivo do que aqueles com autismo.

O autismo também pode ser do tipo regressivo. Nesse caso, é visto comumente em crianças, tipicamente de 15 a 30 meses de idade. Este é um subtipo específico.

Autismo causas

autismo

As causas do autismo não são completamente claras. Pesquisas sugerem que esse transtorno pode surgir de anormalidades em partes do cérebro que interpretam a entrada sensorial e a linguagem de processo.

Os pesquisadores não têm evidências de que o ambiente psicológico da criança, como a forma como seus pais ou outros responsáveis tratam a criança, causa autismo.

A maioria dos pesquisadores acredita que certas combinações de genes podem predispor uma criança ao autismo. Mas há fatores de risco que aumentam a chance de ter uma criança com autismo. A idade avançada da mãe ou do pai, por exemplo, aumenta a chance de uma criança ser autista.

Quando uma mulher grávida é exposta a certos medicamentos ou produtos químicos, seu filho também terá um maior risco de ser autista. Esses fatores de risco incluem o uso de álcool, condições metabólicas maternas, como diabetes e obesidade, e o uso de drogas anti-convulsivas durante a gravidez.

Em alguns casos, o autismo tem sido associado à fenilcetonúria não tratada (um distúrbio metabólico inato causado pela ausência de uma enzima) e rubéola.

Embora às vezes algumas vacinas sejam citadas como uma causa do autismo, não há evidências de que isso seja verdade.

Pesquisas sobre fatores de para risco de autismo

  • Pais com transtorno bipolar ou esquizofrenia: a chance aumenta se uma criança cujo pai, irmão ou irmã foi diagnosticada com transtorno bipolar ou esquizofrenia. Isso foi descoberto por cientistas da Universidade da Carolina do Norte em julho 2012.
  • Pais mais velhos: se o pai é mais velho durante a concepção, há um maior risco de autismo para o bebê. Cientistas descobriram que um pai mais velho tem maiores chances de transmitir mutações novas aos bebês do que as mães mais velhas.
  • Irregularidades do sistema imune: certas mudanças em um sistema imune hiperativo podem contribuir para comportamentos semelhantes ao autismo. Em alguns casos, essa ativação pode estar relacionada à forma como um feto se desenvolve no útero. Isso foi descoberto por pesquisadores do Instituto da Tecnologia da Califórnia, em julho de 2012.
  • Mutações genéticas específicas: cientistas encontraram mutações genéticas que estão ligadas ao desenvolvimento do autismo, epilepsia e hidrocefalia. Seu estudo foi publicado na revista Nature Genetics, em julho de 2012.
  • Poluição do ar durante a gravidez: se uma grávida é exposta à poluição do trânsito, o risco de autismo pode ser maior. Segundo pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia. O dióxido de nitrogênio responsável por grande parte da poluição do ar relacionada com o trânsito foi associado a um risco aumentado de autismo.

Autismo sintomas

autismo

Os sintomas do autismo geralmente ocorrem durante os três primeiros anos de vida. Algumas crianças mostram sinais desde o nascimento. Outras parecem se desenvolver normalmente no início, e os sintomas começam a aparecer de repente apenas quando têm entre 18 a 36 meses de idade.

Nenhuma pessoa com autismo terá exatamente os mesmos sintomas. Além de experimentar combinações variadas de sintomas, algumas pessoas terão sintomas de autismo leve, enquanto outras terão graves. Abaixo está uma lista dos sintomas mais comumente encontrados identificados entre pessoas com Transtorno do Espectro Autista.

Habilidades sociais

A maneira pela qual uma pessoa com Transtorno do Espectro Autista interage com outro indivíduo é bem diferente em relação à forma como o resto da população se comporta. Se os sintomas não são graves, a pessoa com a desordem pode parecer socialmente desajeitada, às vezes ofensiva em seus comentários ou fora de sincronia. Se os sintomas forem mais graves, a pessoa pode parecer não estar interessada em outras pessoas.

É comum que parentes, amigos e pessoas que interagem com alguém com TEA perceba que este faz muito pouco contato visual. Em muitos casos, se os sintomas não são graves, a pessoa pode ser ensinada que o contato visual é importante para a maioria das pessoas e se lembrará de olhar as pessoas nos olhos.

Uma pessoa com autismo muitas vezes pode não entender quando queremos chamar a atenção de alguém. A pessoa pode não saber que alguém está tentando falar com ele. Também podem estar muito interessado ​​em conversar com uma determinada pessoa ou grupo de pessoas, mas não têm as mesmas habilidades que outras para se envolver plenamente. Para colocar de forma mais simples, eles não têm as habilidades necessárias para se comunicar normalmente.

Se você conversa com uma pessoa com autismo, ela pode adorar um tema e falar muito disso. No entanto, haverá muito menos trocas de ideias, pensamentos e sentimentos.

Empatia

Uma pessoa com autismo achará muito mais difícil entender os sentimentos de outras pessoas. Sua capacidade de instintivamente simpatizar com os outros é muito mais fraca do que a de outras pessoas. No entanto, se elas são frequentemente lembradas disso, a capacidade de levar em conta os sentimentos de outras pessoas melhora muito.

Em alguns casos, como resultado da prática frequente, a empatia melhora e parte dela torna-se natural ao invés de intelectual. Mesmo assim, a empatia nunca vem tão naturalmente para uma pessoa com autismo como ocorre com os outros.

Uma pessoa com autismo sente amor, felicidade, tristeza e dor como todos os outros. Só porque alguns deles podem não expressar seus sentimentos da mesma forma que os outros, não significa que não tenham sentimentos.

Contato físico

Uma série de crianças com uma Transtorno do Espectro Autista não gosta de abraçar ou ser tocada como outras crianças. É errado dizer que todas as crianças com autismo são assim. Muitos vão abraçar um parente, geralmente a mãe, pai, avó, avô, professor ou irmão. Muitas vezes é uma questão de prática e antecipar que o contato físico vai acontecer.

Por exemplo, se uma criança de repente faz cócegas nos pés de outra criança, ela provavelmente dará risada e ficará feliz. Se essa criança fizesse cócegas nos pés de uma criança com autismo, sem que essa criança antecipe o contato, o resultado pode ser completamente diferente.

Ruídos altos, alguns cheiros e luzes

Uma pessoa com autismo geralmente percebe ruídos altos e repentinos ​​como um fato bastante chocante. O mesmo pode acontecer com alguns cheiros e mudanças repentinas na intensidade da iluminação e temperatura ambiente.

Muitos acreditam que não é tanto o barulho real, o cheiro ou a luz, mas sim a surpresa, e não ser capaz de se preparar para isso, semelhante à resposta ao contato físico surpreendente. Se a pessoa com autismo sabe que algo vai acontecer, ela pode lidar com isso muito melhor.

Comunicação

Quanto maior a gravidade do autismo, mais afetadas são as habilidades de fala de uma pessoa. Muitas crianças com Transtorno do Espectro Autista não falam nada. As pessoas com autismo muitas vezes repetem palavras ou frases que ouvem, o que é chamado de ecolalia.

O discurso de uma pessoa com Transtorno do Espectro Autista pode parecer muito mais formal, em comparação com o discurso de outras pessoas.

Comportamentos repetitivos

Uma pessoa com autismo gosta de previsibilidade. A rotina é sua melhor amiga. Passar os movimentos de novo e de novo faz parte da sua vida. Para outros, esses comportamentos repetitivos podem parecer ritos bizarros. O comportamento repetitivo pode ser um salto simples de um lado para outro, repetido por um, cinco ou dez minutos, ou mesmo por mais tempo. Outro pode ser desenhar a mesma imagem uma e outra vez, página após página.

Pessoas sem autismo são muito mais adaptáveis ​​às mudanças na rotina. Para uma criança com autismo uma mudança simples em sua rotina, como tomar banho primeiro e depois escovar os dentes, algo que estava acostumada a fazer ao contrário, pode deixá-la muito chateada. Algumas pessoas acreditam que ajudar uma criança com autismo a aprender a lidar melhor com a mudança é uma boa ideia, no entanto, forçá-las a aceitar a mudança, poderia prejudicar sua qualidade de vida.

Diferentes formas de se desenvolver

Enquanto uma criança sem autismo se desenvolverá em muitas áreas a uma taxa relativamente harmoniosa, isso pode não ser o caso de uma criança com autismo. Suas habilidades cognitivas podem se desenvolver rapidamente, enquanto suas habilidades sociais e linguísticas se atrasam.

Por outro lado, suas habilidades linguísticas podem se desenvolver rapidamente enquanto suas habilidades motoras não. Elas podem não ser capazes de pegar uma bola, como as outras crianças, mas poderia ter um vocabulário muito maior. No entanto, as habilidades sociais de uma pessoa com autismo não se desenvolverão ao mesmo ritmo que as outras.

Mudanças de aprendizagem

Quão rapidamente uma criança com autismo aprende que as coisas podem ser imprevisível. Elas podem aprender algo muito mais rápido do que outras crianças, ou ainda fazer algo da maneira mais difícil antes de aprenderem a fazer de forma mais fácil.

Tiques físicos e estimulação

Não é incomum para as pessoas com autismo tenham tiques. Estes são geralmente movimentos físicos que podem ser bruscos. Alguns tiques podem durar muito tempo. Muitas pessoas com autismo são capazes de controlar quando isso acontece, outras não são.

As pessoas com Transtorno do Espectro Autista que têm tiques costumam dizer que eles devem ser expressos, caso contrário o desejo não pára. Para muitos, passar pelos tiques é agradável, e eles têm um lugar preferido onde os fazem, geralmente em algum lugar privado e espaçoso. Quando os pais veem pela primeira vez esses tiques, eles podem ficar em choque e se preocupar.

Obsessões

As pessoas com autismo muitas vezes têm obsessões por coisas comuns para outras pessoas. Elas podem fixar-se em algo e se prender atentamente àquilo ou falar somente sobre o que chamou sua atenção.

Teste de autismo

autismo

Quando um atraso no desenvolvimento é reconhecido em uma criança, testes adicionais podem ajudar um médico a descobrir se o problema está relacionado ao autismo, a outro transtorno do espectro do autismo ou a uma condição com sintomas semelhantes, como atrasos de linguagem ou transtorno de personalidade. Seu médico pode encaminhar seu filho a um especialista, como um pediatra do desenvolvimento, um psiquiatra, um terapeuta, um psicólogo ou um psiquiatra infantil, para a testes adicionais.

Alguns dos testes usados são:

Avaliações comportamentais

Várias orientações e questionários são usados ​​para ajudar um médico a determinar o tipo específico de atraso de desenvolvimento que uma criança tem. Estes incluem: Histórico médico, observações clínicas e testes de desenvolvimento e inteligência, por exemplo.

Avaliações físicas e testes laboratoriais

Outros testes podem ser usados ​​para determinar se um problema físico pode esta causando esses atrasos. Esses testes incluem:

  • Exame físico: incluem a medição da circunferência de cabeça, peso e medidas de altura, para determinar se a criança tem um padrão de crescimento normal.
  • Testes de audição: para determinar se os problemas auditivos podem estar causando atrasos no desenvolvimento, especialmente aqueles relacionados às habilidades sociais e ao uso da linguagem.
  • Testes de envenenamento por chumbo: as crianças com atrasos no desenvolvimento geralmente continuam colocando itens na boca depois que esta etapa passou em crianças em desenvolvimento normal. Esta prática pode resultar em envenenamento por chumbo, que deve ser identificado e tratado o mais rápido possível.

Análise cromossômica

Pode ser feita se a deficiência intelectual estiver presente ou houver uma história familiar de deficiência intelectual.

Eletroencefalograma

Um eletroencefalograma é feito se houver sintomas de convulsões.

Se não houver sinais óbvios de atrasos no desenvolvimento ou qualquer indicação incomum dos testes de triagem, a maioria dos bebês e crianças não precisam de uma avaliação adicional até a próxima visita ao pediatra.

Mas as crianças que têm um irmão com autismo devem continuar a ser monitoradas de perto, porque estão em maior risco de autismo e outros problemas de desenvolvimento.

Quando os problemas de socialização, aprendizagem ou comportamento se desenvolvem em uma pessoa a qualquer momento ou a qualquer idade, ela também deve ser avaliada.

Autismo tem cura?

autismo

Autismo não tem cura, mas existe tratamentos que devem começar assim que o problema for descoberto. O diagnóstico precoce e o tratamento ajudam as crianças com autismo a desenvolver todo seu potencial. O principal objetivo do tratamento é melhorar a capacidade geral da criança.

Cada criança ou adulto com autismo é único e, portanto, cada intervenção de tratamento deve ser adaptada para atender às necessidades específicas.

Autismo tratamento

O tratamento pode envolver terapias comportamentais, medicamentos ou ambos. Muitas pessoas com autismo têm condições médicas adicionais, como distúrbios do sono, convulsões e distúrbios gastrointestinais. Abordar essas condições pode melhorar a atenção, aprendizagem e comportamentos relacionados.

A intervenção comportamental intensiva precoce envolve toda a família de uma criança, trabalhando em estreita colaboração com uma equipe de profissionais. Isso pode incluir o treinamento dos pais com as sessões de terapia. Outros programas oferecem terapia em um centro especializado, sala de aula ou pré-escola.

Tipicamente, diferentes intervenções e apoios tornam-se adequados à medida que uma criança desenvolve e adquire habilidades sociais e de aprendizagem. À medida que as crianças com autismo entram na escola, por exemplo, elas podem se beneficiar do treinamento direcionado de habilidades sociais e abordagens especializadas para o ensino.

O tratamento adequado depende das necessidades do indivíduo. Na maioria dos casos, uma combinação de métodos de tratamento é mais efetiva. Os distúrbios do espectro do autismo podem exigir tratamento ao longo da vida.

O tratamento para o autismo pode incluir o seguinte:

  • – Terapia de manejo comportamental
  • – Terapia comportamental cognitiva
  • – Intervenção precoce
  • – Terapias educacionais e escolares
  • – Terapia de atenção conjunta
  • – Tratamento de medicamentos
  • – Terapia nutricional
  • – Terapia ocupacional
  • – Terapia mediada pelos pais
  • – Fisioterapia
  • – Treinamento de habilidades sociais
  • – Terapia de fala-linguagem

A terapia ocupacional ajuda a melhorar a função independente e ensina habilidades básicas (por exemplo, abotoar uma camisa, tomar banho, etc). A terapia física envolve o uso de exercícios e outras medidas físicas (por exemplo, massagem) para ajudar as pessoas com distúrbios do espectro do autismo a controlar os movimentos do corpo.

Mais informações

As pessoas com autismo têm expectativa de vida normal. Com intervenção precoce e tratamento adequado, muitas pessoas autistas podem viver de forma produtiva e obter algum grau de independência. Algumas pessoas com distúrbios do espectro autista exigem assistência ao longo da vida.

Este artigo te ajudou?
  • +3 curtiram
  • -1 não curtiram