O que é atelectasia pulmonar, quais seus sintomas e tratamento?

O que é atelectasia pulmonar, quais seus sintomas e tratamento?

O termo atelectasia é derivado da palavra grega ateles e ektasis, o que significa expansão incompleta. Atelectasia é definida como volume diminuído que afeta todo ou parte de um pulmão. A atelectasia pulmonar é uma das anormalidades mais comuns nas radiografias de tórax. Reconhecer uma anormalidade devido à atelectasia em radiografias de tórax pode ser crucial para a compreensão da patologia subjacente.

O que é atelectasia pulmonar?

atelectasia

Atelectasia é uma condição em que alguns ou todos os alvéolos (pequenos sacos) dentro dos pulmões colapsam, reduzindo assim a capacidade dos pulmões para fornecer oxigênio ao corpo. Os alvéolos estão rodeados por pequenos capilares que trocam dióxido de carbono com oxigênio do ar inalado. Este sangue oxigenado é então transportado para o cérebro e outros órgãos através do sistema circulatório. Um revestimento de líquido tensioativo dentro das paredes dos alvéolos normalmente garante que eles permaneçam inflados para uma troca eficiente de gás. No entanto, o acúmulo de muco, doenças respiratórias e cirurgia podem dificultar esse processo, causando atelectasias.

Em forma menor, a atelectasia pode não produzir sintomas visíveis. Os adultos com atelectasias geralmente se recuperam rapidamente usando exercícios respiratórios que ajudam a re-inflar os alvéolos afetados. A atelectasia persistente pode levar à infecção dos pulmões (pneumonia) e requer tratamento oportuno, especialmente em lactentes, crianças pequenas e adultos com doenças respiratórias existentes.

Tipos de atelectasias

Existem vários tipos de atelectasias, cada um tem um padrão radiográfico característico e etiologia. Atelectasia é dividida fisiologicamente em causas obstrutivas e não obstrutivas. Existem também a atelectasia subsegmentar e a pós-operatória.

Na atelectasia obstrutiva, os alvéolos tornam-se colapsados ​​devido a um bloqueio físico do fluxo de ar. A atelectasia não obstrutiva é o termo usado quando o alvéolo colapsa devido a fatores que atuam através de outros mecanismos.

Atelectasia obstrutiva

A atelectasia obstrutiva é o tipo mais comum e é resultado da reabsorção de gás dos alvéolos quando a comunicação entre os alvéolos e a traqueia está obstruída. A obstrução pode ocorrer ao nível do brônquio maior ou menor.

A taxa em que a atelectasia se desenvolve e a extensão da atelectasia dependem de vários fatores, incluindo a extensão da ventilação colateral presente e a composição do gás inspirado. A obstrução de um brônquio lobar é susceptível de produzir atelectasia lobar. A obstrução de um brônquio segmentar é susceptível de produzir atelectasia segmentar. Devido à ventilação colateral dentro de um lóbulo ou entre segmentos, o padrão de atelectasia geralmente depende da ventilação colateral, que é fornecida pelos poros de Kohn e os canais de Lambert.

Outras causas incluem:

  • – Acúmulo de muco: cirurgia e algumas condições respiratórias impedem que os pulmões limpem eficientemente fluidos. Os medicamentos de anestesia administrados durante a cirurgia perturbam os padrões de respiração normais do corpo, fazendo com que as secreções se acumulem nas vias aéreas. Além disso, a dor após a cirurgia do tórax ou abdome reduz a vontade de tossir e a respiração profunda, piorando o problema.
  • – Infecção: infecções crônicas por fungos, bactérias e outras infecções dos pulmões podem deixar cicatrizes que afetam o fluxo de ar.
  • – Objeto estranho: A inalação acidental de pequenos itens (por exemplo, nozes e brinquedos pequenos) pode bloquear o fluxo de ar para os pulmões.
  • – Tumor: um crescimento anormal dentro dos pulmões pode impedir o fluxo de ar e colapsar os alvéolos.
  • – Coágulo sanguíneo: sangramento excessivo dentro dos pulmões pode formar coágulos obstrutivos.

Atelectasia não-obstrutiva

A atelectasia não-obstrutivas ou não-obstétrica pode ser causada por perda de contato entre pleura parietal e visceral (membrana dupla muito fina que envolve o pulmão), compressão, perda de surfactante (líquido produzido pelo organismo que tem a função de facilitar a troca dos gases respiratórios nos pulmões) e substituição do tecido parenquimatoso por cicatrizes ou doenças infiltrativas.

A perda de contato entre pleura visceral e parietal é a principal causa de atelectasia não obstrutiva. Um derrame pleural ou pneumotórax provoca relaxamento ou atelectasia passiva. Os derrames pleurais afetam os lóbulos inferiores mais comuns do que o pneumotórax, que afeta os lobos superiores. Uma grande massa pulmonar com base pleural pode causar atelectasia de compressão, diminuindo os volumes pulmonares.

Outras causas incluem:

  • – Trauma: a dor resultante de lesões na área do tórax pode dificultar a inalação e tosse.
  • – Derrame pleural: acumulação de fluido no espaço fora dos pulmões, mas dentro da cavidade torácica (espaço pleural) pode pressionar as vias aéreas, causando colapso.
  • – Pneumotórax: Certos procedimentos pulmonares ou lesões no tórax causam vazamento de ar no espaço pleural. Este acúmulo de pressão exerce força e colapsa os pulmões.
  • – Tumor: tumores grandes na proximidade dos pulmões podem empurrar e esvaziar os alvéolos.

Atelectasia subsegmentar

Também chamada de atelectasia discoide, este tipo é mais comum em radiografias de tórax. A atelectasia subsegmentar provavelmente ocorre devido à obstrução de um brônquio pequeno e é observada em estados de hipoventilação, embolia pulmonar ou infecção do trato respiratório inferior.

Atelectasia pós-operatória

Atelectasia é uma complicação pulmonar comum em pacientes que seguem procedimentos torácicos e abdominais superiores. A anestesia geral e a manipulação cirúrgica levam a atelectasias causando disfunção diafragmática e diminuição da atividade do surfactante. Após a indução da anestesia, a atelectasia aumenta de 1 a 11% do volume pulmonar total. O volume pulmonar expiratório final também é diminuído.

Sintomas atelectasia

atelectasia

A atelectasia leve com apenas alguns alvéolos colapsados ​​pode não produzir sintomas. No entanto, os sintomas se desenvolvem rapidamente quando áreas maiores dos pulmões são afetadas. Os sintomas da atelectasia incluem:

  • – Dificuldade ao respirar
  • – Respiração rápida
  • – Dor no peito
  • – Tosse
  • – Febre baixa

Fatores de rico para atelectasia

  • – Anestesia geral
  • – Cirurgia pulmonar ou de tórax
  • – Lesão no pulmão ou no peito
  • – Infecção pulmonar
  • – Nascimento prematuro
  • – Crianças menores de três anos e adultos com mais de 60 anos
  • – Doenças neuromusculares que prejudicam a respiração profunda
  • – Doenças pulmonares como asma, bronquiectasias ou fibrose cística
  • – Tumores
  • – Estar no ventilador

Diagnóstico da atelectasia

Atelectasia alveolar é rotineiramente diagnosticada usando uma radiografia de tórax para visualizar os pulmões e áreas circundantes. Esta técnica de imagem pode identificar a maioria das obstruções físicas dentro das vias aéreas, ou fatores que exercem pressão sobre os pulmões. Outras técnicas utilizadas para inspecionar as vias aéreas incluem:

  • – Tomografia computadorizada (TC): uma tomografia computadorizada produz imagens mais detalhadas do que uma radiografia de rotina. A TC é mais sensível do que a radiografia simples na detecção de atelectasias porque pode medir os volumes pulmonares em todo ou parte de um pulmão. Uma tomografia computadorizada também pode ajudar a determinar se um tumor pode ter causado o colapso de seu pulmão, algo que pode não aparecer em um raio X regular.
  • – Broncoscopia: neste procedimento, uma câmera iluminada em um tubo fino é guiada pelos brônquios, as principais passagens que fornecem ar para os lobos esquerdo e direito dos pulmões. Permite visualizar, e às vezes remover, obstruções físicas.
  • – Ultrassom: oferece uma imagens detalhadas e também pode ser um opção de diagnóstico.
  • – Oximetria: é um exame que mede a quantidade de oxigênio que está sendo transportado na circulação sanguínea.
    Se há uma obstrução, esse exame pode identificá-la.

Atelectasia tem cura?

A atelectasia tem cura, mas isso depende da gravidade e outros fatores que estão causando o problema, além disso, o tratamento é essencial, principalmente em casos mais graves. O objetivo do tratamento é re-expandir o tecido pulmonar colapsado. Se o fluido estiver pressionando o pulmão, a remoção do fluido pode permitir expandir o pulmão.

Tratamento para atelectasia

atelectasia

O tratamento depende da causa desse problema. As atelectasias menores não requer intervenção médica e pode diminuir sozinha.

Seu médico pode indicar outras abordagens para ajudar no tratamento da atelectasia. As técnicas que ajudam as pessoas a respirar profundamente após a cirurgia para re-expandir o tecido pulmonar colapsado são muito importantes. Estas incluem:

  • – Executar exercícios de respiração profunda (com a ajuda de dispositivos de espirometria de incentivo).
  • – Inclinar a pessoa para que a cabeça seja mais baixa do que o tórax (chamado drenagem postural). Isso permite que o muco seja drenado mais facilmente.
  • – Dar tapas (percussão) no peito para afrouxar os tampões mucosos na via aérea.
  • – Remover ou aliviar qualquer bloqueio nas vias aéreas por broncoscopia ou outro procedimento.
  • – Deitar-se no lado saudável, permitindo que a área colapsada do pulmão re-expandisse.
  • – Usar tratamentos respiratórios em aerosol (medicamentos inalados) para abrir a via aérea.
  • – Dar suaves tapas sobre a área colapsada para soltar o muco.
  • – Tossir.
  • – Usar outros dispositivos que ajudem a aumentar a pressão positiva nas vias aéreas e fluidos limpos (dispositivos de pressão expiratória positiva (PEP)).

O seu médico pode sugerir a remoção das obstruções das vias aéreas, o que pode ser feito por sucção de muco ou por broncoscopia. A broncoscopia usa um tubo flexível enfiado na garganta para limpar suas vias aéreas.

O uso de pressão positiva contínua pode ser útil em algumas pessoas que são muito fracas para tossir e têm baixos níveis de oxigênio (hipoxemia) após a cirurgia.

Se o problema estiver ligado a uma condição de saúde, como um tumor, por exemplo, o tratamento pode envolver cirurgia na área afetada, quimioterapia ou radioterapia. Infecções e outros distúrbios pulmonares também devem ser tratados com terapias apropriadas.

Possíveis complicações em casos de atelectasia

Casos de atelectasia de diferentes tipos podem provocar algumas complicações graves para a saúde. Estas incluem:

  • – Baixa oxigenação sanguínea (hipoxemia)
  • – Fibrose pulmonar
  • – Pneumonia
  • – Insuficiência respiratória

Prognóstico para atelectasia

Em um adulto, a atelectasia em uma pequena área do pulmão geralmente não é fatal. O resto do pulmão pode compensar a área colapsada, trazendo oxigênio suficiente para o corpo funcionar.

Ter grandes áreas do pulmão afetadas pode ser fatal, especialmente em um bebê ou criança pequena, ou alguém que tenha outra doença pulmonar ou não.

O pulmão colapsado geralmente re-infla lentamente se o bloqueio da via aérea foi removido. No entanto, algumas cicatrizes ou danos podem permanecer.

Em geral, a perspectiva depende da doença subjacente. Por exemplo, as pessoas com câncer têm um prognóstico ruim, enquanto os pacientes com atelectasia simples após a realização de uma cirurgia têm um bom prognóstico.

Prevenção da atelectasia

O risco de desenvolver atelectasias pode ser reduzido com persistente respiração profunda e tosse após anestesia ou cirurgia pulmonar e torácica. Em crianças, é importante usar brinquedos adequados à idade sem peças pequenas que não possam ser engolidas. É importante também incentivar o movimento e a respiração profunda em quem está acamado por longos períodos.

Conclusão

A atelectasia é o colapso da parte ou, muito menos comum, de um pulmão. Essa condição pode ser bastante grave dependendo do tamanho da área do pulmão que é afetada. O tratamento deve ser seguido corretamente para que a atelectasia não evolua e cause complicações.

Este artigo te ajudou?
  • +3 curtiram
  • -1 não curtiram