Conheça os tipos mais comuns de DST, seus sintomas e tratamentos

Conheça os tipos mais comuns de DST, seus sintomas e tratamentos

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) afetam dezenas de milhões de pessoas em todo mundo e a cada dia novas infecções começam a aparecer. Tanto os homens quanto as mulheres podem ser infectados e podem não perceber, porque muitas dessas doenças não apresentam sintomas. Isso significa que você pode ter uma DST e não saber que foi afetado.

Tudo sobre DST

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estimou há mais de dez anos que mais de 1 milhão de pessoas a cada dia infectaram-se com uma infecção sexualmente transmissível. A maioria dos especialistas acredita que o número é consideravelmente maior hoje.

A maior parte dessas novas infecções ocorre em adultos jovens com idade até 25 anos, enquanto aproximadamente um terço ocorre entre indivíduos com menos de 20 anos de idade. Globalmente, garotas de 14 a 19 anos são quase duas vezes mais sensíveis às DSTs do que os meninos da mesma idade.

Se você quer saber tudo sobre DSTs, continue lendo essa matéria. Nela você vai saber do que se trata esse problema, seus tipos, sintomas, exames de diagnóstico e como é o tratamento dessas doenças.

O que é DST?

dst

As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) ou infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), também conhecidas como Doenças Venéreas (VD) são doenças que são transmitidas de uma pessoa para outra através de contato sexual e, às vezes, por contato genital. A infecção pode ser transmitida via relações sexuais vaginais, orais e anais.

Algumas infecções sexualmente transmissíveis podem se espalhar também através do uso de agulhas não esterilizadas para uso de drogas ou ao fazer uma tatuagem, de mãe ao bebê durante o parto ou amamentação e transfusões de sangue.

Os microrganismos que existem na pele ou membranas mucosas da área genital masculina ou feminina podem ser transmitidos, assim como organismos no sêmen, secreções vaginais ou sangue durante a relação sexual.

O termo “doença venérea” é muito menos usado hoje, enquanto as “doenças sexualmente transmissíveis” estão lentamente dando lugar a “infecções sexualmente transmissíveis”, porque o último termo tem um alcance mais amplo de significado. Uma pessoa pode transmitir a infecção sem ter uma doença, ou seja, não é preciso estar doente para infectar outras pessoas.

As áreas genitais são geralmente ambientes úmidos e quentes, por isso tornam-se ideais para a proliferação de leveduras, vírus e bactérias.

Tipos de DST

dst

Aproximadamente 20 infecções diferentes são conhecidas por serem transmitidas através do contato sexual. Apesar de não ter todos os tipos de DST, aqui estão as descrições de algumas das principais DST:

Papilomavírus Humano (HPV)

O HPV é a DST mais comum. Existem mais de 40 tipos de HPV, e todos eles podem infectar homens e mulheres. Os tipos de HPV variam em sua capacidade, podendo causar verrugas genitais, infectar outras regiões do corpo, incluindo a boca e a garganta, e causar câncer do colo do útero, vulva, pênis e boca.

Embora não haja cura para a infecção por HPV, uma vez que ocorre, o rastreio regular com um teste de Papanicolau pode prevenir ou detectar em estágio inicial a maioria dos casos de câncer cervical causado por HPV.

Uma vacina recentemente disponível protege contra a maioria (mas não todos) os tipos de HPV que causam câncer cervical. Essa vacina é recomendada para meninos e meninas em idade escolar.

Clamídia

A clamídia é uma DST causada por Chlamydia trachomatis (C. trachomatis), uma bactéria que infecta exclusivamente humanos. A clamídia é a causa infecciosa mais comum das doenças genitais e oculares em todo o mundo.

A clamídia pode ser transmitida durante o contato sexual vaginal, oral ou anal com um parceiro infectado. Embora muitos indivíduos não experimentem sintomas, a doença pode causar febre, dor abdominal e descarga incomum do pênis ou da vagina.

Nas mulheres, a clamídia pode causar doença inflamatória pélvica. Se não tratada progride e envolve outras partes do sistema reprodutivo da mulher, incluindo o útero e as trompas de Falópio. Esta progressão pode levar a danos permanentes aos órgãos reprodutores da mulher. Esse dano pode levar à gravidez ectópica (em que o feto se desenvolve em locais anormais fora do útero, condição que pode ser fatal) e infertilidade.

Além disso, se a mulher está grávida, seu feto em desenvolvimento está em risco, porque a clamídia pode ser transmitida durante a gravidez ou parto e pode levar a infecções oculares ou pneumonia na criança. Se a clamídia é detectada precocemente, ela pode ser tratada facilmente com um antibiótico por via oral.

Gonorreia

A gonorreia é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que pode crescer rapidamente e se multiplicar facilmente nas áreas mornas e úmidas do trato reprodutivo. Os sintomas mais comuns são uma descarga da vagina ou do pênis e micção dolorosa ou difícil.

Tal como acontece com a infecção por clamídia, as complicações mais comuns e graves da gonorreia ocorrem em mulheres e incluem doença inflamatória pélvica, gravidez ectópica, infertilidade e potencial propagação ao feto em desenvolvimento, se adquirida durante a gravidez. A gonorreia também pode infectar a boca, garganta, olhos e reto e pode se espalhar para o sangue e as articulações, onde pode se tornar uma doença que ameaça a vida.

Além disso, as pessoas com gonorreia podem contrair mais facilmente o HIV, o vírus que causa a AIDS. As pessoas infectadas pelo HIV com gonorreia também são mais propensas a transmitir o vírus para outra pessoa.

Herpes genital

O herpes genital é uma infecção contagiosa causada pelo vírus do herpes simples (HSV). Existem duas cepas diferentes, ou tipos, de HSV: vírus tipo herpes simple 1 (HSV-1) e tipo 2 (HSV-2). Ambos podem causar herpes genital, embora a maioria dos casos de herpes genital sejam causados ​​pelo HSV-2. Quando sintomático, o HSV-1 geralmente aparece como bolhas de febre ou feridas nos lábios, mas também pode infectar a região genital através do contato genital-genital ou genital-oral. O HSV-2 sintomático geralmente causa bolhas de pele dolorosas e aquosas nos órgãos genitais ou no ânus. No entanto, um número substancial de pessoas que transportam esses vírus não possui sinais ou sintomas mínimos.

Nem o HSV-1 nem o HSV-2 podem ser curados, e mesmo nos momentos em que uma pessoa infectada não apresenta sintomas, o vírus pode ser encontrado nas células nervosas do corpo. Periodicamente, algumas pessoas vão experimentar surtos em que novas bolhas se formam na pele na área genital. Nesse período, é mais provável que o vírus seja transmitido a outras pessoas.

As mulheres grávidas, especialmente aquelas que adquirem herpes genital pela primeira vez durante a gravidez, podem passar a infecção para os recém-nascidos, causando o HSV neonatal que ameaça a vida, uma infecção que afeta a pele do bebê, o cérebro e outros órgãos.

HIV/AIDS

O HIV, ou o vírus da imunodeficiência humana, é o vírus que causa a AIDS (síndrome da imunodeficiência adquirida). O HIV destrói o sistema imunológico do corpo matando as células do sangue que combatem a infecção. Uma vez que o HIV destrói uma proporção substancial dessas células, a capacidade do corpo para combater e se recuperar de infecções é comprometida. Este estágio avançado da infecção pelo HIV é conhecido como AIDS.

As pessoas cujo HIV progrediu para AIDS são muito suscetíveis a infecções oportunistas que normalmente não deixam as pessoas doentes e a certas formas de câncer.

A AIDS pode ser prevenida pelo início precoce da terapia anti-retroviral em pessoas com infecção pelo HIV. A transmissão do vírus ocorre principalmente durante a atividade sexual desprotegida e compartilhando agulhas usadas para injetar drogas intravenosas, embora o vírus também possa se espalhar de mãe para criança durante a gravidez, parto e aleitamento materno.

Sífilis

A DST sífilis é causada pela bactéria Treponema pallidum, e é transmitida de pessoa para pessoa durante o sexo vaginal, anal ou oral através do contato direto com feridas. Entre 2001 e 2009, os dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) mostram que a taxa de sífilis aumentou anualmente.

O primeiro sinal da sífilis é uma ferida genital indolor que aparece com maior frequência no pênis ou dentro e ao redor da vagina. Além de ser o primeiro sinal de uma infecção por sífilis, essas feridas fazem uma pessoa até cinco vezes mais propensa a contrair uma infecção pelo HIV. Se a pessoa já está infectada com o HIV, as feridas também aumentam a probabilidade de que o vírus seja transmitido a um parceiro sexual.

Essas feridas tipicamente se resolvem por conta própria, mesmo sem tratamento. No entanto, o corpo não limpa a infecção por conta própria e, ao longo do tempo, a sífilis pode envolver outros órgãos, incluindo a pele, coração, vasos sanguíneos, fígado, ossos e articulações em sífilis secundária.

Se a doença ainda não é tratada, a sífilis terciária pode se desenvolver ao longo de um período de anos e envolver os nervos, os olhos e o cérebro e potencialmente pode causar a morte.

As mães gestantes infectadas com a bactéria estão em risco aumentado de aborto espontâneo e morte fetal, e podem passar a infecção para os fetos durante a gravidez e parto. Os bebês que adquirem sífilis congênita durante a gravidez podem sofrer deformidade esquelética, dificuldade de fala e desenvolvimento motor, convulsão, anemia, doença hepática e problemas neurológicos.

Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal comum, possivelmente sexualmente transmissível, em mulheres em idade reprodutiva. Embora seja saudável e normal que uma vagina tenha bactérias, assim como a pele, a boca ou o trato gastrointestinal de qualquer pessoa, às vezes as mudanças no equilíbrio de diferentes tipos de bactérias podem causar problemas.

A vaginose bacteriana ocorre quando as bactérias problemáticas que normalmente estão presentes apenas em pequenas quantidades aumentam em número, substituem a bactéria lactobacilosa vaginal normal e perturbam o equilíbrio natural da região. Esta situação torna-se mais provável se uma mulher tem parceiros sexuais novos ou múltiplos. O sinal mais comum de uma infecção por vaginose bacteriana é uma secreção fina e leitosa que muitas vezes é descrita como tendo um “odor de peixe”. No entanto, algumas mulheres não terão sintomas.

Independentemente dos sintomas, a vaginose bacteriana aumenta o risco de contrair outras DSTs e também está associada à doença inflamatória pélvica. O parto prematuro é também mais comum em mulheres com vaginose bacteriana.

Tricomoníase

A infecção por tricomoníase é causada pelo parasita protozoário unicelular Trichomonas vaginalis e é comum em mulheres jovens e sexualmente ativas. O parasita também infecta os homens, embora menos frequentemente. O parasita pode ser transmitido entre homens e mulheres, bem como entre mulheres sempre que ocorre contato físico entre as áreas genitais.

Embora as infecções por tricomoníase nem sempre causam sintomas, elas podem causar micção frequente, dolorosa ou ardente em homens e mulheres, bem como descarga vaginal, dor genital, vermelhidão ou comichão nas mulheres. Como a infecção pode ocorrer sem sintomas, uma pessoa pode desconhecer que está infectada e espalhar a doença a um parceiro sexual.

Durante a gravidez, a tricomoníase está associada a um risco aumentado de parto prematuro e crianças com baixo peso ao nascer. Além disso, os bebês nascidos de mães com essa infecção têm mais chances de nascerem mortos ou morrer quanto recém-nascidos.

Hepatite viral

A hepatite viral é uma doença hepática grave que pode ser causada por vários vírus diferentes, que podem ser transmitidos através do contato sexual.

O vírus da hepatite A causa uma infecção hepática de curto prazo ou auto-limitada que pode ser bastante grave, embora não resulte em infecção crônica. Existam outras maneiras pelas quais o vírus pode ser transmitido, mas a hepatite A também pode ser transmitida de pessoa para pessoa durante a atividade sexual através do contato oral-retal. A vacinação pode prevenir essa infecção.

O vírus da hepatite B causa uma doença hepática grave que pode resultar em doenças imediatas e infecções ao longo da vida levando a cicatrização hepática permanente (cirrose), câncer, insuficiência hepática e morte. Esse tipo de hepatite se espalha através do contato heterossexual e homossexual, bem como através do contato com outros fluidos corporais, como o sangue, através de agulhas contaminadas compartilhadas usadas para injetar drogas intravenosas, tatuagem e piercing. As mulheres grávidas que têm hepatite B podem transmitir o vírus aos seus bebês durante o parto. Essa infecção também é evitável através da vacinação.

O vírus da hepatite C pode causar uma doença imediata que afeta o fígado, mas geralmente se torna uma infecção crônica silenciosa que leva à cicatrização do fígado (cirrose), câncer, insuficiência hepática e morte. A hepatite C é mais comumente transmitida através da partilha de agulhas ou exposição ao sangue infectado. No entanto, pode se espalhar através do contato sexual ou da mãe ao feto durante a gravidez e parto. Não há vacina para esse tipo de hepatite, e os tratamentos nem sempre são eficazes.

DST sintomas

DST sintomas

Os sintomas de DST podem variar muito, pois como vimos, há vários tipos de infecções e algumas delas muitas vezes não apresentam sintomas. As pessoas com DST podem sentir-se doentes e observar alguns dos seguintes sinais e sintomas mais comuns:

  • – Descarga incomum do pênis ou da vagina
  • – Feridas ou verrugas na área genital
  • – Micção dolorosa ou frequente
  • – Comichão e vermelhidão na área genital
  • – Bolhas ou feridas dentro ou ao redor da boca
  • – Odor vaginal anormal
  • – Comichão anal, dor ou sangramento
  • – Dor abdominal
  • – Febre

Em alguns casos, as pessoas com DSTs não apresentam sintomas e ao longo do tempo os sintomas, se presentes, podem melhorar por conta própria. No entanto, é comum que os indivíduos tenham uma DST e passem para outros sem saber disso.

Se você está preocupado com o fato de você ou seu parceiro sexual ter uma DST, fale com o seu médico. Mesmo que você não tenha sintomas, é possível que você tenha uma DST que precisa ser tratada para garantir a saúde sexual do seu parceiro e sua parceira.

DST masculina

As DSTs mais comuns que afetam os homens incluem:

  • – Clamídia
  • – Herpes genital
  • – Verrugas genitais e papilomavírus humano (HPV)
  • – Gonorreia
  • – HIV
  • – Tricomoníase

DST feminina

O HPV é a DST mais comum nas mulheres, além da herpes genital. Outros tipos incluem:

  • – Papilomavírus humano (HPV)
  • – Gonorreia
  • – Clamídia
  • – Herpes genital

Como saber se tenho alguma DST?

Qualquer pessoa que seja sexualmente ativa deve discutir seus fatores de risco para DST com um médico e perguntar sobre o teste. Se você é sexualmente ativo, é importante lembrar que você pode ter DST e não saber porque muitas não causam sintomas. Você deve ser testado e fazer exames regulares com um médico que pode ajudar a avaliar e gerenciar seu risco, responder suas perguntas e diagnosticar e tratar uma DST, se necessário.

Começar o tratamento rapidamente é importante para prevenir a transmissão de infecções para outras pessoas e para minimizar as complicações a longo prazo. Os parceiros sexuais recentes também devem ser tratados para evitar a reinfecção e a transmissão posterior.

Exames para detectar DST

Algumas DSTs podem ser diagnosticadas durante um exame físico ou através do exame microscópico de uma ferida ou fluido da vagina, pênis ou ânus. Este fluido também pode ser cultivado ao longo de alguns dias para ver se bactérias infecciosas ou leveduras podem ser detectadas.

Os efeitos do vírus do papiloma humano (HPV), que provoca verrugas genitais e câncer de colo do útero, podem ser detectados em uma mulher quando seu médico oferece um teste de Papanicolaou e tira amostras de células do colo do útero para verificar microscopicamente alterações anormais. Testes de sangue são usados ​​para detectar infecções como hepatite A, B e C ou HIV/AIDS.

O diagnóstico é especialmente importante para as mulheres grávidas, porque muitas DSTs podem ser transmitidas ao feto durante a gravidez ou parto. Durante uma visita pré-natal precoce, com a ajuda de seu médico, uma gestante deve ser testada para essas infecções, incluindo HIV e sífilis. Algumas DSTs podem ser curadas com tratamento medicamentoso, mas não todas. No entanto, mesmo que a infecção não seja curável, uma mulher grávida geralmente pode tomar medidas para proteger seu bebê da infecção.

Exame de DST onde fazer?

Os exames de DSTs podem ser realizados em clínicas médicas particulares, postos de saúde ou em hospitais. Além disso, existe também exames que você pode comprar em farmácias para diagnosticar alguns tipos de DST, como HIV e AIDS.

DST tem cura?

DST tem cura

Algumas DSTs não tem cura, mas há tratamentos que podem ajudar gerenciar seus sintomas. O vírus como HIV, herpes genital, vírus do papiloma humano e hepatite, por exemplo, causam DSTs que não podem ser curadas. As pessoas com uma DST causada por um vírus estarão infectadas pelo resto da vida e sempre correrão o risco de infectar seus parceiros sexuais, embora, para muitos vírus, o tratamento reduza significativamente esse risco.

DST tratamento

As DSTs causadas por bactérias, leveduras ou parasitas podem ser tratadas com antibióticos. Esses antibióticos são geralmente administrados pela boca (por via oral). No entanto, às vezes eles são injetadas ou aplicadas diretamente na área afetada. Seja qual for a infecção e, independentemente da rapidez com que os sintomas se resolvam após o início do tratamento, a pessoa infectada deve tomar todos os medicamentos prescritos pelo médico para garantir que a infecção seja completamente tratada.

Embora os tratamentos, as complicações e os resultados variem entre as DSTs dependendo do vírus específico (HIV, herpes genital, vírus do papiloma humano, hepatite ou citomegalovírus), os prestadores de cuidados de saúde podem fornecer tratamentos para reduzir os sintomas e a progressão da maioria dessas doenças. Por exemplo, os medicamentos estão disponíveis para limitar a frequência e gravidade dos surtos de herpes genital, reduzindo o risco de o vírus passar a outras pessoas.

Os indivíduos com HIV precisam tomar medicamentos anti-retrovirais especiais que controlam a quantidade de vírus que eles carregam. Estes medicamentos podem ajudar as pessoas a viver mais tempo e terem vida saudável. Se uma mulher com HIV ficar grávida, esses medicamentos também podem reduzir a chance de seu feto ou criança ter a infecção.

Perguntas sobre DST

Se você ainda tiver alguma dúvida em relação às DSTs, abaixo vamos colocar algumas respostas das principais perguntas sobre DST:

Quantas pessoas são afetadas

Qualquer pessoa que tenha tido ou esteja tendo relações sexuais ou sexo oral, ou que participe de jogo sexual, está em risco de adquirir uma DST. Felizmente, é possível que uma pessoa diminua seu risco por ter relações sexuais protegidas.

Sexo oral transmite DST?

Sim. Muitas DSTs podem ser transmitidas através do sexo oral, tanto em homens quanto em mulheres.

Como posso evitar uma DST?

As formas mais confiáveis ​​para evitar DSTs são abster-se de contato sexual ou estar em um relacionamento monogâmico de longo prazo com um parceiro que foi testado e não está infectado. Além disso, as seguintes medidas também podem ajudá-lo a evitar:

  • – Conheça as DSTs e o histórico de saúde de seu parceiro sexual
  • – Fale com o seu médico sobre o seu risco e faça o teste para DST
  • – Seja vacinado contra o vírus da hepatite, o vírus da hepatite B e o papilomavírus humano (HPV)
  • – Use preservativos de látex de forma correta e consistente

Lembre-se, no entanto, que, embora os preservativos reduzam consideravelmente a chance de contrair determinadas DSTs, como a gonorreia, os preservativos não podem proteger completamente contra a infecção, porque os vírus e algumas bactérias podem ser transmitidos de pessoa para pessoa por contato pele a pele na área genital não coberta por um preservativo.

O que devo fazer se eu tiver sido diagnosticado com DST?

Você deve consultar o seu médico para tratamento o mais rápido possível depois de receber um diagnóstico de DST. Também deve notificar todos os parceiros sexuais recentes e aconselhá-los a ver seus profissionais de saúde e a serem tratados.

Uma doença sexualmente transmissível pode levar ao câncer?

Ter uma DST aumenta o risco de uma pessoa por vários tipos de câncer. Certos tipos de alto risco de papilomavírus humano (HPV) podem causar câncer cervical em mulheres. Nos homens, a infecção por HPV pode levar ao desenvolvimento de câncer de pênis. O HPV também pode causar câncer de boca, garganta e ânus em ambos os sexos.

A aquisição de hepatite B viral ou C coloca uma pessoa em risco de câncer de fígado e o HIV/AIDS não tratado aumenta o risco de vários tipos de cânceres raros, incluindo linfomas, sarcomas e câncer cervical.

Se eu tiver uma doença sexualmente transmissível poderei engravidar?

Ter uma DST não impedirá que uma mulher engravide. No entanto, em alguns casos, as mulheres que tiveram DST podem ter dificuldade em engravidar por causa de cicatrizes e danos aos órgãos reprodutores, levando à infertilidade. Esta situação é particularmente comum em mulheres que tiveram doença inflamatória pélvica. Além disso, no início da gravidez, as DSTs podem aumentar o risco de aborto espontâneo.

Mais informações

As doenças sexualmente transmissíveis são mais comuns do que você pensa. Sempre que você ver os sintomas de uma DST ou acreditar que você pode ter se infectado, faça o teste. Consulte o seu médico o mais rápido possível para evitar qualquer dor ou desconforto associado aos seus sintomas.

Este artigo te ajudou?
  • +8 curtiram
  • -4 não curtiram