Disidrose: causas, sintomas e tratamentos

Rudney Doenças 05-01-16 alergia nas mãos, disidrose, disidrose tratamento comentários

A disidrose, também conhecida como eczema disidrótico é uma condição da pele em que pequenas, bolhas cheias de líquido (vesículas) surgem nas palmas das mãos ou solas dos pés, ou ambos os locais.

A disidrose é uma doença de pele rara, derivada do estresse, que afeta ambos os sexos, principalmente pessoas com menos de 40 anos. A medicina não tem explicação específica do mecanismo que desencadeia este problema, mas sabe-se que existe uma estreita relação com períodos de estresse e ansiedade.

Esta condição é caracterizada pelo surgimento de pequenas bolhas nas palmas das mãos, solas dos pés e dedos, que são opacas, ligeiramente salientes do resto da pele, não se rompem facilmente e, em certos casos, são unidas de modo a formar uma grande bolha. Estes sintomas podem durar até 3 semanas e desaparecem sem nenhum tratamento, mas reaparecem. Às vezes, não produzem quaisquer sintomas, mas quase sempre geram prurido e dor que pode piorar em contato com sabão, água ou substâncias irritantes. Além disso, provocam o ressecamento da pele, deixando-a escamosa, mais grossa do que o habitual, e que pode rachar.

Até algumas décadas atrás, dermatologistas (médicos especializados na saúde da pele) equivocadamente pensavam que esse problema fosse causado pela retenção de suor, tanto que seu nome, derivado da palavra “hidrosis” refere-se a secreção de água da pele. Sabe-se agora que tem uma origem emocional, por isso, os pacientes devem receber cuidados visando controlar melhor a ansiedade, estresse e outras frustrações.

Diagnóstico

Na maioria dos casos, o seu médico pode diagnosticar a disidrose com base em um exame físico. Raramente é preciso fazer uma biópsia da pele para diagnosticar a disidrose.

Causas da disidrose

Este tipo de eczema podem ser causadas por:

Estresse
– Alterações da temperatura
– Consumo ou contato com o níquel ou cromo
– Infecção por bactérias ou por fungos microscópicos
– Condições alérgicas (eczema, rinite alérgica, asma)

A disidrose não é contagiosa, não existindo risco de transmissão mesmo em contato direto com a pele de outra pessoa.

Certos efeitos ou produtos podem agravar a disidrose:

– Transpiração e umidade
– Tabagismo
– Aspirina, alguns anti-inflamatórios e analgésicos.

Sintomas da disidrose

Os sintomas de disidrose são caracterizados principalmente por:

– Ardor nas palmas das mãos, solas dos pés e superfícies laterais dos dedos das mãos e pés.
– Erupção da pele
– Prurido

Fatores de risco

Fatores de risco para disidrose incluem:

– Ser do sexo feminino. As mulheres parecem ter uma maior incidência de disidrose.
– Estresse. A disidrose parece ser mais comum em tempos de estresse.
– A exposição aos sais de metais. Estes incluem o cromo, cobalto e níquel, geralmente através de cimento ou trabalho mecânico.
– Alergias sazonais. Um exemplo é a febre do feno.
– Exposição à umidade. Muitas vezes, expor a sua pele à água ou outras substâncias úmidas podem causar disidrose.

Tratamento para disidrose

O tratamento baseia-se na utilização de soluções de secagem das bolhas de disidrose e deve ser indicado por um médico. Um plano de tratamento para disidrose pode incluir:

– Cremes ou pomadas corticosteroides: Seu médico pode prescrever cremes tópicos de corticosteroides para ajudar a acelerar o desaparecimento e melhorar a aparência das bolhas, e para tratar rachaduras e fissuras que ocorrem após as bolhas terem secado. Em casos graves, o médico pode prescrever corticosteroides orais.

– Compressas: Compressas úmidas ou frias podem ajudar a aliviar a coceira, aumentar a eficácia dos cremes tópicos e minimizar as bolhas.

– Anti-histamínicos: Seu médico pode recomendar medicamentos para evitar a coceira, chamados anti-histamínicos.

– Pomadas imunossupressoras: Estas drogas podem ser úteis quando outras opções de tratamento falharam. No entanto, diminuem o efeito do sistema imune e aumentam o risco de infecções na pele.

– Fototerapia: Se os tratamentos com creme e pomada para disidrose não forem eficazes, o seu médico pode recomendar um tipo especial de terapia com luz ultravioleta. Este tratamento combina a exposição à luz ultravioleta (fototerapia) com medicamentos que ajudam a sua pele a ser mais receptiva aos efeitos da radiação ultravioleta (psoralenos).

– Injeções de toxina botulínica: Em alguns casos mais graves, os médicos podem recomendar injeções de toxina botulínica para o tratamento de disidrose. Essas aplicações reduzem o funcionamento das glândulas sudoríparas, ajudando a controlar a irritação da pele e prevenindo o surgimento de disidrose. No entanto, esta é uma opção relativamente nova de tratamento que não tem vindo a ganhar aceitação entre todos os médicos.

Outras medidas que ajudam no tratamento

– Usar meias de algodão e sapatos com sola de couro, uma vez que os sapatos feitos de materiais sintéticos promovem a transpiração excessiva.
– Alterar meias e sapatos mais frequentemente (duas vezes por dia ou mais, conforme necessário), para o suor evaporar.
– Usar luvas para evitar o contato com substâncias irritantes, como sabão, detergentes e produtos de limpeza, entre outros. Elas também são úteis para trabalhar em casa ou na jardinagem.
– Evite o contato direto com irritantes químicos.
– Use água morna e sabonetes suaves durante o banho.

Estas medidas, geralmente, dão resultados notáveis após uma semana de iniciação, mas se nenhuma melhoria é observada e ocorrem inflamação, inchaço, vermelhidão, sensibilidade excessiva ou calor, será necessário voltar ao dermatologista para dar atenção a uma possível infecção causada por bactérias oportunistas.

Expectativas do tratamento

O paciente deve entender que a disidrose é um problema que pode ser controlado com tratamento, mas pode reaparecer periodicamente, de modo que a cura completa pode nunca assegurar-se completamente. Muitos pacientes têm disidrose nas estações mais quentes do ano, e devem aprender a refrescar e usar sapatos que permitem a transpiração. O paciente deve conhecer os sintomas iniciais e se dispor ao tratamento apropriado disponível para retardar a evolução rápida da doença.

Prevenção

Uma vez que as causas da disidrose são geralmente desconhecidas, não há nenhuma maneira comprovada para prevenir essa condição. No entanto, a gestão do estresse e evitar a exposição aos sais de metais, tais como o cromo e níquel, pode ajudar a prevenir a disidrose.

Enquanto ainda não há um tratamento que ataque a origem do problema, por estar ligado ao estresse, há a importância de completar o tratamento anterior com medidas para alcançar a estabilidade emocional e nervosa, incluindo:

– Aprenda técnicas de relaxamento e meditação
– Praticar uma rotina de exercício físico regularmente
– Manter uma dieta equilibrada, incluindo diferentes grupos de alimentos
– Reservar um tempo para o lazer e entretenimento
– Compartilhar adversidades com pessoas de confiança

Se o paciente reconhece que não pode lidar com o estresse que enfrenta todos os dias, participar de psicoterapia, individualmente ou em grupos, para aprender a expressar melhor suas emoções e reconhecer as circunstâncias que motivam seus estados de ansiedade e estresse, é uma boa maneira de controlar suas crises.

Complicações

Para a maioria das pessoas, ocorre apenas uma coceira inconveniente. Para alguns, no entanto, a dor e a coceira podem limitar o uso de suas mãos. Em alguns casos, os danos da pele (incluindo o engrossamento da pele) ou infecção bacteriana pode ocorrer como resultado das rachaduras da pele. Isso pode tornar o tratamento mais longo e mais difícil.

Mais informações

Apesar de não existir cura para a disidrose, seguir corretamente o tratamento indicado por seu médico é importante para evitar que o problema se agrave, pois as rachaduras podem sangrar e causar dores, além disso, também causa uma má aparência da pele.

Este Post te ajudou?
  
  • gato desidrose
Deixe sua opinião:
Posts Relacionados: