O que é bulimia, quais suas causas, sintomas e tratamentos?

O que é bulimia, quais suas causas, sintomas e tratamentos?

Bulimia é uma doença grave onde a pessoa muitas vezes têm uma imagem corporal irreal. Elas são obcecadas com seu peso e são intensamente autocríticas. Muitas pessoas com bulimia são de peso normal e isso pode tornar a bulimia difícil de perceber e diagnosticar.

Bulimia nervosa

Bulimia nervosa trata-se de um distúrbio alimentar. É difícil determinar o número de casos da doença, uma vez que a bulimia, como outros distúrbios alimentares, é muitas vezes imersa em segredo.

Os dois principais sintomas de bulimia nervosa são a compulsão por alimentos, seguido de vômitos forçados, para compensar o excesso de comida.

Pesquisas sugerem que a bulimia pode afetar entre 1,1 e 4,6% das mulheres e entre 0,1 e 0,5% dos homens em algum momento da vida.

O que é bulimia?

bulimia

Bulimia, ou bulimia nervosa, é um transtorno alimentar psicológico e grave que ameaça a vida. É descrito pela ingestão de uma quantidade anormalmente grande de alimentos em um curto período de tempo, seguido por uma tentativa de evitar ganhar peso do que foi consumido.

Os métodos de evitar o ganho de peso incluem vômitos forçados, uso excessivo de laxantes ou diuréticos e períodos extremos ou prolongados de exercício.

Pessoas com esse transtorno podem comer grandes quantidades de alimentos ricos em calorias em um curto espaço de tempo, geralmente definido como um período de 2 horas. O indivíduo pode consumir até 3.000 calorias ou mais. A pessoa pode consumir a comida tão rápido que quase não a sente. Eles não podem controlar seu comportamento.

Os episódios compulsivos podem ser espontâneos, ou podem ser planejados, onde o indivíduo sai comprando alimentos específicos para a compulsão.

Depois de comer em excesso, a pessoa se sente inchada, pouco atrativa, culpada, envergonhada e arrependida. Existe um medo poderoso e irresistível de ganhar peso.

Para compensar, eles tentam reduzir o risco de ganhar peso através de ações como vômitos auto-induzidos, excesso de exercício, jejum ou dieta e excesso de diuréticos ou laxantes. Eles podem tomar anfetaminas ou outras substâncias ilegais.

Um ciclo vicioso de culpa resulta, devido à baixa auto-estima e ao excesso de peso, mesmo que o peso da pessoa seja normal. O indivíduo pode, então, estabelecer regras rígidas e irrealistas sobre comer, exercitar ou ambos. Quando eles são incapazes de manter esses objetivos, ocorre outro episódio compulsivo.

Causas da bulimia

A bulimia não tem causa conhecida. No entanto, existem alguns fatores que podem influenciar o seu desenvolvimento.

As pessoas com condições de saúde mental ou uma visão distorcida da realidade correm maior risco. O mesmo é verdade para pessoas com uma forte necessidade de atender às expectativas e normas sociais. Aqueles que são altamente influenciados pela mídia também podem estar em risco. Outros fatores incluem:

  • – Estresse
  • – Depressão
  • – Perfeccionismo
  • – Impulsividade
  • – Evento traumático passado
  • – Baixa auto-estima
  • – Profissões ou atividades que se concentram na aparência

Algumas pesquisas sugerem que a bulimia é hereditária, ou pode ser causada por uma deficiência de serotonina no cérebro.

Bulimia sintomas

bulimia

Uma pessoa com bulimia nervosa é mais provável de ter um peso normal ou ligeiramente acima do peso. Pode ser difícil notar os sinais e sintomas da bulimia porque a pessoa tentará escondê-los.

As indicações comportamentais da bulimia incluem:

  • – Obsessão por comer e comer
  • – Comer sozinho
  • – Desaparecimento súbito de alimentos ou aparecimento de várias embalagens de alimentos no lixo
  • – Muito dinheiro gasto em comida
  • – Sair depois de comer, normalmente para o banheiro
  • – Esconder ou acumular comida
  • – Exercício compulsivo
  • – Constantemente queixando-se de estar acima do peso
  • – Passando por fases de jejum ou dizer que não está com fome e depois comer demais
  • – Ter o cheiro de vômito

Encontrar escondidos laxantes, diuréticos e eméticos, uma droga para induzir o vômito. A embalagem de drogas pode aparecer também no lixo.

Os sinais físicos incluem:

  • – Desidratação severa
  • – Deficiências nutricionais, levando a uma má saúde
  • – Alteração de o peso corporal
  • – Lesões nas mãos, conhecidas como “Sinal de Russell”, onde os dedos são forçados a descer a garganta para provocar o vômito
  • – Transtorno de refluxo ácido
  • – Dor crônica ou garganta inflamada e dentes danificados, devido à acidez no vômito
  • – Bochechas inchadas, devido a danos nas glândulas parótidas
  • – Menstruação irregular
  • – Vasos sanguíneos quebrados nos olhos
  • – Inflamação do esôfago
  • – Infertilidade
  • – Desequilíbrios eletrolíticos, que podem resultar em arritmia cardíaca, parada cardíaca ou morte

Amigos ou familiares podem notar que a pessoa se retira de suas atividades normais e que mostram sinais de mudanças de humor e, possivelmente, ansiedade e depressão. Podem ocorrer conflitos interpessoais. A pessoa pode mentir para encobrir seu comportamento.

O paciente geralmente está ciente de que eles têm um problema, mas podem estar muito envergonhados ou incapazes de contar a alguém sobre isso.

Bulimia consequências

bulimia

A bulimia nervosa pode ter uma gama de possíveis efeitos sobre que podem afetar o corpo. Estes incluem:

Sistema nervoso central (saúde mental e emocional)

Embora caracterizada como transtorno alimentar, a bulimia também é um transtorno de saúde mental que causa um ciclo de preocupações com a saúde. Você pode experimentar depressão, ansiedade ou comportamentos obsessivos compulsivos. Podem ocorrer modificações e irritabilidade devido à falta de vitaminas ou comportamentos que acompanham a bulimia. Por exemplo, o monitoramento constante de alimentos e pesos pode se tornar uma obsessão.

O exercício compulsivo ou a preocupação com a aparência também são sintomas comuns. Não é incomum para alguém com bulimia passar muito tempo pensando em alimentos e como controlá-los. De fato, as pessoas com bulimia podem se concentrar bastante em comer com a exclusão de outras atividades que costumavam apreciar.

Ter que manter segredos contribui para o ciclo de estresse e ansiedade. Ao longo do tempo, a culpa pode se acumular de manter os segredos de seus amigos e entes queridos. Isso também pode ser acompanhado por sentimentos de constrangimento e vergonha. O comportamento suicida pode se formar como um ponto culminante do estresse e da imagem corporal extremamente insalubre.

Sistema digestivo

O ciclo de vômitos forçados, eventualmente, levam a sérios problemas para o sistema digestivo. Dor de garganta, dor de estômago ou ambos podem ser os primeiros efeitos colaterais físicos evidentes da bulimia. À medida que a desordem avança, os vômitos auto induzidos crônicos podem causar uma variedade de sintomas no trato digestivo, começando pela boca. Ao longo do tempo, o alto teor de ácido do vômito pode danificar os dentes e causar erosão do esmalte, sensibilidade dos dentes e doença das gengivas. As bochechas ou mandíbulas inchadas podem ser notadas.

Ácido do vômito também pode:

  • – Irritar o esôfago
  • – Romper o esôfago e aparecer sangue no vômito
  • – Irritar o estômago, causando dores, azia e refluxo ácido
  • – Danificar os intestinos e causar inchaço, diarreia ou constipação

Colocar o dedo dentro da própria garganta é uma das formas mais comuns de pessoas com bulimia induzir o vômito. Fazer isso pode causar manchas, calos ou escaras na parte de trás da mão por causa de seus nódulos entrarem em contato com seus dentes incisivos. Esse fenômeno é conhecido como o sinal de Russell. A acidez cicatriza a pele em seus dedos e mãos.

Outra maneira que algumas pessoas tentam livrar o corpo de calorias excessivas dos alimentos é usar diuréticos, pílulas dietéticas ou laxantes. O uso excessivo desses produtos pode dificultar a evacuação intestinal sem usá-los. O uso mal direcionado de diuréticos também pode prejudicar os rins. Os movimentos intestinais excessivos podem também resultar em hemorroidas.

Sistema circulatório

As tentativas para se livrar da comida ingerida pode causar desidratação. Isso leva a músculos fracos e fadiga extrema. Também pode causar desequilíbrio dos eletrólitos e colocar pressão sobre o seu coração. Isso pode causar batimentos cardíacos irregulares (arritmia), e em alguns casos graves, um músculo cardíaco enfraquecido e insuficiência cardíaca. Os eletrólitos que tendem a perder com o vômito são potássio, magnésio e sódio.

A bulimia pode causar pressão arterial baixa, pulso fraco e anemia. O vômito pode ser um evento violento. A força para vomitar pode até mesmo fazer com que os vasos sanguíneos em seus olhos se rompam.

Sistema reprodutivo

As deficiências nutricionais causadas pela bulimia podem causar um desequilíbrio hormonal. A fadiga pode reduzir seu desejo sexual. A bulimia pode interferir no seu ciclo menstrual ou cessa-lo completamente. Se os ovários já não libertam óvulos, é impossível que o esperma fertilize o óvulo.

As mulheres grávidas que continuam com maus comportamentos para evitar ganhar peso durante a bulimia enfrentam complicações adicionais para si e para seus bebês. Essas incluem:

  • – Hipertensão arterial materna
  • – Diabetes gestacional
  • – Aborto espontâneo
  • – Nascimento prematuro
  • – Maior risco de cesariana
  • – Bebês de baixo peso ao nascer
  • – Defeitos de nascença
  • – Dificuldades de amamentação
  • – Depressão pós-parto

O uso de diuréticos ou laxantes durante a gravidez pode ser prejudicial para o feto.

Sistema tegumentar

O sistema tegumentar inclui o cabelo, a pele e as unhas. Estas partes do seu corpo também não são imunes aos efeitos da bulimia. A desidratação por vômitos frequentes significa que seu corpo não possui água suficiente. Por sua vez, seus cabelos podem ficar secos e crespos. Você pode até sofrer perda de cabelo.

A pele seca e as unhas também são um efeito colateral a longo prazo da bulimia. Sua pele pode tornar-se áspera e escamosa, enquanto suas unhas tornam-se quebradiças.

Bulimia mata?

Sim, em casos graves e quando não há tratamento adequado, a bulimia pode causar a morte. Isso pode ocorrer devido a problemas de saúde relacionados à bulimia, ou até mesmo por suicídio.

Diagnóstico de bulimia

O diagnóstico precoce melhora as chances de um bom resultado, mas o diagnóstico pode ser desafiador. O indivíduo pode fazer todo o possível para ocultar sua condição e seu peso pode ser normal.

Um médico especialista começará perguntando ao paciente sobre sua saúde mental e física, estilo de vida e história médica e realizando um exame físico. Esses testes também podem ajudar a descartar outras doenças ou condições subjacentes.

Alguns pacientes não atendem a todos esses critérios, mas podem ainda ter algum tipo de transtorno alimentar. O tratamento precoce melhora a chance de recuperação.

A gravidade da sua bulimia pode ser determinada com a frequência com que, em média, o paciente exibe comportamentos para evitar o ganho de peso. A bulimia pode ser categoriza a de leve a extrema:

  • – Leve: 1 a 3 episódios por semana
  • – Moderado: 4 a 7 episódios por semana
  • – Grave: 8 a 13 episódios por semana
  • – Extremo: 14 ou mais episódios por semana

Você pode precisar de testes adicionais se você tiver bulimia por um longo período de tempo. Esses testes podem verificar se há complicações que podem incluir problemas com seu coração ou outros órgãos.

Tratamento para bulimia

bulimia

O tratamento é de longo prazo. Idealmente, combina psicoterapia, terapia familiar, aconselhamento nutricional e medicação. A hospitalização raramente é necessária, a menos que haja risco de suicídio.

É essencial que o paciente aceite sua necessidade de tratamento e aceite cooperar e participar. Alguns pacientes resistem ao tratamento. Eventos de vida estressantes podem desencadear recidivas.

Os medicamentos podem ajudar com a depressão. A fluoxetina, também conhecida como Prozac, é aprovada para uso em casos de bulimia nervosa.

O aconselhamento nutricional pode ajudar a quebrar o ciclo de compulsão e compensação. Os pacientes aprendem a estruturar e acelerar suas refeições e a estabelecer metas calóricas que correspondam às suas necessidades.

Os seguintes tratamentos complementares podem ajudar:

  • – Evitar a cafeína, o álcool e o cigarro, e beber 6 a 8 copos de água por dia
  • – Tomar vitaminas e minerais suplementares, depois de discutir com um médico
  • – Massagem para reduzir o estresse

No entanto, é importante lembrar que qualquer terapia complementar deve primeiro ser discutida com o médico.

Como ajudar alguém com bulimia

O apoio de familiares e amigos é fundamental para resultados positivos efetivos e de longo prazo. A família e amigos do paciente precisam entender o que é a bulimia nervosa e identificar rapidamente seus sinais e sintomas. A terapia familiar pode ajudar no processo de cura.

Diferença entre bulimia e anorexia

Anorexia nervosa descreve um transtorno alimentar caracterizado por baixo peso corporal e distorção da imagem corporal. A anorexia é uma condição complexa, envolvendo fatores psicológicos, neurobiológicos e sociológicos. A anorexia é mais do que apenas um problema com a comida. Esse transtorno é caracterizado pela perda de peso excessiva. A perda de peso é geralmente 15% abaixo do peso corporal normal da pessoa. As pessoas que sofrem de anorexia são convencidas de que estão com excesso de peso.

As principais diferenças entre anorexia e bulimia envolvem o peso. Tanto a anorexia como a bulimia são distúrbios alimentares derivados do medo de ganhar peso. No entanto, em ambos os casos, a pessoa tem uma imagem distorcida de como ele ou ela realmente parece. Apenas no caso da anorexia são eles abaixo do peso, as pessoas com bulimia ainda podem ter excesso de peso e até mesmo obesos. Embora possam ser semelhantes, as chances de um bulímico admitir ter o problema e receber tratamento é maior. Já o anoréxico é mais provável de ficar preso na noção de ser muito gordo e não acreditar em nada de outra forma.

A compulsão bulímica come em excesso e depois usa algum meio para se livrar do excesso de alimentos, enquanto o anoréxico evita comer. O anoréxico coloca sua vida em maior perigo do que o bulímico. Muito provavelmente, a depressão, acompanhada de auto-aversão, pode estar presente em ambos os casos. O tratamento para uma anoréxica é mais intenso que no caso de um bulímico e pode requerer hospitalização, juntamente com a atenção de médicos, nutricionistas, psicólogos e terapeutas. Dos dois, a anorexia é o transtorno alimentar mais mortal e é considerado mais próximo de uma forma de doença mental do que a bulimia.

Mais informações

A bulimia pode ser fatal se não for tratada ou se o tratamento falhar. É uma condição física e psicológica, e pode ser um desafio ao longo da vida para controlá-la. No entanto, a bulimia pode ser superada com um tratamento bem-sucedido. Esses tratamentos ajudam os pacientes a manter comportamentos saudáveis ​​a longo prazo.

Este artigo te ajudou?
  • +3 curtiram
  • -1 não curtiram