Síndrome do Ovário Policístico: causas, sintomas e tratamento

Rudney Doenças 22-03-16 ovario policistico, ovarios policisticos, sindrome do ovario policistico comentários

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é uma doença em que a mulher tem um desequilíbrio de hormônios sexuais femininos. Isto pode causar alterações no ciclo menstrual, cistos ovarianos, dificuldade para engravidar e outros problemas de saúde.

Causas

Ainda não são claras as causas para a síndrome do ovário policístico, mas acredita-se que está ligada a alterações nos níveis hormonais que dificultam os ovários de liberarem óvulos plenamente desenvolvidos (maduros). As razões para estas mudanças não são claras. Os hormônios afetados são:

– Estrogênio e progesterona, hormônios femininos que ajudam os ovários da mulher a liberar óvulos.
– Os andrógenos, hormônio masculino que se encontra em pequenas quantidades em mulheres.

Normalmente, é liberado um ou mais óvulos durante o ciclo menstrual da mulher, que é conhecido como ovulação. Na maioria dos casos, a liberação de óvulos ocorre cerca de duas semanas após o início do ciclo menstrual.

Na síndrome do ovário policístico, os óvulos maduros não são liberados. Em vez disso, eles permanecem nos ovários rodeados por uma pequena quantidade de líquido. Pode haver muitos deles. No entanto, nem todas as mulheres com esta condição têm ovários com este aspecto.

Estes problemas com a liberação de óvulos podem contribuir para a esterilidade. Os outros sintomas desta doença são devido a desequilíbrios hormonais.

Na maioria das vezes, a síndrome do ovário policístico é diagnosticada em mulheres de 20 a 30 anos, no entanto, também pode afetar adolescentes. Os sintomas geralmente inciam quando começam os primeiros períodos da mulher. As mulheres com este transtorno muitas vezes têm uma mãe ou irmã com sintomas semelhantes.

Sintomas

Os sintomas da SOP incluem alterações no ciclo menstrual, tais como:

– Ausência de menstruação depois de ter um ou mais períodos menstruais normais durante a puberdade (amenorreia secundária).
– Períodos menstruais irregulares, que podem ser intermitentes e pode variar de muito leve a muito abundante.

Outros sintomas da síndrome do ovário policístico incluem:

– Pelos extra no corpo que crescem no peito, abdômen e face, bem como ao redor dos mamilos.
Acne no rosto, peito ou nas costas.
– Alterações da pele como marcas grossas ou escuras ao redor do dobras cutâneas axilas, virilha, pescoço e seios.

O desenvolvimento de características masculinas não típicas da síndrome do ovário policístico podem indicar um problema diferente. As seguintes mudanças podem indicar um problema que não seja SOP:

– Queda de cabelo.
– Clitóris aumentado.
– Rouquidão.
– Diminuição do tamanho do peito.

Diagnóstico

O médico irá realizar um exame físico, incluindo um exame pélvico, o que pode revelar:

– Inflamação dos ovários
– Inchaço do clitóris (muito raro)

As seguintes condições são comuns em mulheres com síndrome dos ovários policísticos:

– Diabetes
Hipertensão arterial
– Colesterol elevado
– Aumento de peso e obesidade

O médico deve verificar seu peso, índice de massa corporal (IMC) e medir o tamanho do abdômen.

Eles podem fazer exames de sangue para verificar os níveis hormonais, que podem incluir:

– Nível de estrogênio
– Nível de hormônio folículo-estimulante
– Nível de hormônio luteinizante
– Nível de hormônios masculinos (testosterona)
– 17 cetosteroides

Outros exames de sangue que podem ser feitos incluem:

– Glicemia de jejum (açúcar no sangue) e outros testes para intolerância à glicose e resistência à insulina
– Níveis lipídicos
– Teste de gravidez (HCG soro)
– Prolactina
– Testes de função da tireoide

O médico também pode solicitar os seguintes exames de imagem para examinar os ovários.

– Ecografia vaginal
– Laparoscopia pélvica

Tratamento

Ganho de peso e a obesidade é comum em pessoas com síndrome do ovário policístico. Perder peso, mesmo em pequenas quantidades, pode ajudar a tratar as alterações hormonais e problemas de saúde como diabetes, hipertensão ou colesterol elevado.

Seu médico pode recomendar pílulas anticoncepcionais para fazer períodos menstruais mais regulares. Esses medicamentos também podem ajudar a reduzir o crescimento anormal de pelos e acne depois de tomá-los por alguns meses.

Um medicamento para a diabetes, chamado metformina também pode ser recomendado para:

– Fazer com que os períodos sejam regulares
– Prevenção da diabetes tipo 2
– Ajudá-la a perder peso

Outros medicamentos que podem ser prescritos para ajudar a manter os seus períodos regulares e ajudá-la a ficar grávida são:

– Análogos liberadores do hormônio luteinizante (LHRH).
– Citrato de clomifeno, que ajuda os ovários a crescer e liberar óvulos.

Estes medicamentos funcionam melhor se o seu índice de massa corporal (IMC) é 30 ou menos (abaixo da faixa de obesos).

O médico também pode sugerir outros tratamentos para o crescimento anormal pelos e para combater a queda de cabelo. Alguns deles são:

– Pílulas espironolactona ou flutamida
– Creme eflornitina

Outras opções de eliminação permanente de pelos incluem a eletrólise e depilação a laser. No entanto, eles podem precisar de muitas sessões e são caros.

Você pode fazer uma laparoscopia pélvica para remover ou alterar um ovário, a fim de tratar a infertilidade. Os efeitos são temporários.

Expectativas (prognóstico)

Com o tratamento, as mulheres com síndrome dos ovários policísticos frequentemente podem engravidar. Há um aumento do risco de aborto espontâneo, hipertensão arterial e diabetes gestacional durante a gravidez.

Fatores de risco

Apesar de não ser claras as causas para esta síndrome, alguns fatores estão ligados ao problema, tais como:

– Histórico familiar
– Excesso de insulina
Resistência à insulina
– Baixo peso ao nascer
– Pubarca precoce (aparecimento dos pelos pubianos no início da puberdade)

Complicações

Mulheres com síndrome do ovário policístico são mais propensas a desenvolver:

– Câncer do endométrio
– Esterilidade
Câncer de mama (um risco ligeiramente maior).

Mais informações

Embora a Síndrome do ovário policístico não possa ser completamente reversível, seus tratamentos ajudam a diminuir os sintomas e devem ser seguidos. Uma pessoa que tem esse problema pode levar uma vida normal, mas é preciso visitar um médico regularmente para avaliar sua situação.

Este Post te ajudou?
  
    Deixe sua opinião:
    Posts Relacionados: