O que é Síndrome de Guillain-Barré, quais seus sintomas e tratamentos

O que é Síndrome de Guillain-Barré, quais seus sintomas e tratamentos

A Síndrome de Guillain-Barré pode afetar ambos os sexos e pode atingir pessoas de qualquer idade, embora seja um pouco mais comum em adultos mais velhos do sexo masculino. A causa precisa não é conhecida, mas a condição geralmente começa pouco depois de um indivíduo ter experimentado uma doença infecciosa.

Neste artigo, analisaremos os sintomas, causas, diagnóstico e tratamento da síndrome de Guillain-Barré.

O que é Síndrome de Guillain Barré?

síndrome de Guillain-Barré

A síndrome de Guillain-Barré é um transtorno auto-imune raro e grave que afeta o sistema nervoso periférico (qualquer parte do sistema nervoso fora do cérebro e da medula espinhal). Ela afeta cerca de 1 em 100.000 pessoas.

Uma doença auto-imune ocorre quando o sistema imunológico do paciente ataca e destrói certos grupos de células saudáveis. No caso da síndrome de Guillain-Barré, são as bainhas de mielina (revestimento do nervo) dos nervos periféricos são alvo da resposta auto-imune.

As bainhas de mielina dos nervos são essenciais para transportar impulsos nervosos. Em alguns casos, os axônios nervosos também são atacados, estes são extensões longas e finas das células nervosas.

À medida que a mielina é removida lentamente, os nervos não podem mais transmitir informações ao cérebro, como sensações de toque. Além disso, o cérebro já não é capaz de transmitir sinais de volta para o corpo, isso explica a fraqueza muscular.

A doença normalmente começa como uma sensação de formigamento e fraqueza nas extremidades, muitas vezes nos pés e as pernas, que vai se espalhando lentamente até afetar uma grande parte do corpo. Isso ocorre porque os nervos que correm para as extremidades inferiores são os mais longos do corpo e, portanto, mais fáceis de atacar e comprometer.

A síndrome de Guillain-Barré é considerada uma emergência e deve ser tratada pelos profissionais médicos o mais rápido possível.

Tipos de síndrome de Guillain Barré

Inicialmente, a síndrome de Guillain-Barré foi considerada uma única condição. Agora, é sabido que ocorre em várias formas. As três formas mais comuns de síndrome de Guillain-Barré são as seguintes:

  • – Polyradiculoneuropatia desmielinizante inflamatória inflamatória aguda (AIDP): é o tipo mais comum nos EUA. A fraqueza começa na parte inferior do corpo e se estende gradualmente
  • – Síndrome de Miller Fisher (MFS): ocorre em cerca de 5% dos casos da síndrome de Guillain-Barré e é mais prevalente nos pacientes asiáticos. A paralisia começa com os olhos e os problemas com a caminhada ao caminhar são mais comuns
  • – Neuropatia axonal do motor agudo (AMAN) e neuropatia axonal motor-sensorial aguda (AMSAN): estas são as versões mais raras da síndrome de Guillain-Barré, elas são mais comuns no Japão, na China e no México

Síndrome Guillain Barré sintomas

síndrome de Guillain-Barré

Os sintomas da síndrome de Guillain-Barré geralmente começam com formigamento e fraqueza nos pés e pernas que gradualmente se move para o resto do corpo. É descrito como uma “radiculopatia ascendente simétrica”, o que significa que muitas vezes a fraqueza começa em ambas as pernas e, em seguida, move-se lentamente pelo corpo até os dois braços serem também afetados.

Cerca de 1 em cada 10 pacientes relatam o início do formigamento no rosto ou no pescoço. A fraqueza gradualmente piora e se transforma em paralisia.

Sintomas e outras complicações da síndrome de Guillain-Barré incluem:

  • – Fraqueza na parte inferior do corpo, movendo-se para cima
  • – Instabilidade geral ao caminhar
  • – Perda de reflexos em braços e pernas
  • – Menor controle sobre os músculos faciais (quando morder ou falar, por exemplo)
  • – Dormência
  • – Alterações da sensibilidade
  • – Movimentos descoordenados
  • – Falta de controle sobre intestino ou bexiga
  • – Dor. Cerca de 50% dos pacientes sofrem dores nervosas graves que precisam ser administradas com medicação
  • – Taquicardia
  • – Pressão arterial particularmente alta ou baixa
  • – Coágulos de sangue (a imobilidade associada produzida pela síndrome de Guillain-Barré aumenta o risco de coágulos)
  • – Feridas na pele podem desenvolver-se pelas mesmas razões indicadas acima
  • – Dificuldade em respirar (30% dos pacientes precisarão de ajuda temporária com a respiração)
  • – Podem ocorrer dificuldades psicológicas devido ao início rápido da paralisia e à dependência de outros para ajudar a completar tarefas básicas do cotidiano

A grande preocupação é que os músculos responsáveis ​​pela respiração também podem ser afetados. Por isso, há o risco dos pacientes simplesmente não poderem respirar sem ajuda ou mesmo numa unidade de terapia intensiva. Um “surto” da síndrome de Guillain-Barré é, portanto, realmente preocupante porque muitos hospitais têm apenas um pequeno número de camas de UTI e acabarão rapidamente. Esses pacientes podem precisar de respiração artificial por várias semanas.

Causas da síndrome de Guillain-Barré

As causas exatas da síndrome de Guillain-Barré ainda não são conhecidas. A condição geralmente se desenvolve alguns dias ou semanas após um quadro de infecção, sugerindo que isso pode estar relacionado. Raramente, a doença pode vir após a cirurgia ou imunização.

Alguns cientistas acreditam que, de alguma maneira, o vírus que precede o início da síndrome de Guillain-Barré altera as células dos nervos de alguma forma, tornando-as irreconhecíveis para o sistema imunológico e por isso são atacadas.

Em 1976, ocorreu um pequeno aumento na síndrome de Guillain-Barré após uma vacina contra a gripe suína. No entanto, pesquisas mostraram que os indivíduos estão mais em risco de desenvolver a síndrome de Guillain-Barré após um caso de gripe do que da própria vacinação.

O vírus Zika também tem sido associado à síndrome de Guillain-Barré. Isso foi descrito pela primeira vez em 2013 – 2014, quando a incidência da síndrome de Guillain-Barré saltou em 8 vezes durante um surto de Zika concorrente nas ilhas Polinésias Francesas.

Atualmente, foi encontrado aumentos similares na incidência da síndrome de Guillain-Barré na América Latina, onde houve um surto de Zika. A Universidade Federal de Pernambuco, confirmou uma maior ocorrência de síndromes neurológicas relacionadas ao vírus Zika.

Embora um grande mistério ainda envolva a síndrome de Guillain-Barré, existem alguns fatores de risco conhecidos:

  • – Uma infecção pelo vírus Zika
  • – Os homens são ligeiramente mais propensos a contrair a síndrome de Guillain-Barré
  • – O risco aumenta com a idade
  • – A infecção por Campylobacter (muitas vezes causada pelo consumo de carne não cozida) às vezes precede a síndrome de Guillain-Barré
  • – Influenza ou vírus Epstein-Barr
  • – HIV (vírus da imunodeficiência humana)
  • – Neumonía por micoplasma (uma infecção bacteriana dos pulmões)
  • – Cirurgia
  • – Linfoma de Hodgkin (um câncer incomum dos linfáticos)
  • – Influenza ou, raramente, vacinações infantis

Diagnóstico da síndrome de Guillain-Barré

A síndrome de Guillain-Barré pode ser difícil de diagnosticar, especialmente nas suas primeiras fases. Os sintomas variam de pessoa para pessoa e são semelhantes aos de outras condições neurológicas.

Inicialmente, o médico pode perguntar se a fraqueza está em ambos os lados do corpo, o que é uma característica da síndrome de Guillain-Barré. A velocidade de início é outra pista, a progressão de muitas condições neurológicas é muito mais lenta do que a síndrome de Guillain-Barré.

Após um exame físico, os seguintes testes podem ser recomendados:

  • – Exame de condução do nervo: eletrodos são colocados na pele e os nervos são testados com pequenos choques através da pele. Na síndrome de Guillain-Barré, os sinais viajam ao longo dos nervos mais devagar
  • – Eletromiografia: eletrodos finos de agulha são usados ​​para testar o funcionamento de fibras musculares
  • – Torção espinhal (punção lombar): uma amostra de líquido cefalorraquidiano (LCR) é removido do canal espinhal e testado em laboratório para sinais específicos da doença. Mais proteína está presente no LCR de pessoas com síndrome de Guillain-Barré

Síndrome de Guillain-Barré tem cura?

Infelizmente, não há curas conhecidas para a síndrome de Guillain-Barré, mas existem tratamentos que podem reduzir a gravidade de seus sintomas e melhorar a taxa de recuperação.

Qualquer pessoa com Guillain-Barré deve ser internada em um hospital para uma observação próxima. Os sintomas podem piorar rapidamente e podem ser fatais se não forem tratados. Em casos graves, pessoas com Guillain-Barré podem desenvolver paralisia de corpo inteiro. Guillain-Barré pode ameaçar a vida se a paralisia afeta o diafragma ou os músculos do tórax, evitando a respiração adequada.

Síndrome de Guillain Barré tratamento

síndrome de Guillain-Barré

O objetivo do tratamento é diminuir a gravidade do ataque imunológico e apoiar as funções do seu corpo (por exemplo, função pulmonar), enquanto seu sistema nervoso se recupera. O tratamento pode incluir:

Terapia com imunoglobulinas

As imunoglobulinas (também conhecidas como anticorpos) dos doadores são administradas por via intravenosa. Este tratamento parece bloquear os anticorpos prejudiciais envolvidos na resposta auto-imune.

Troca de plasma (plasmaferese)

Sangue é retirado do corpo, o plasma é removido e separado das células sanguíneas. As células sanguíneas são então retornadas e o plasma é regenerado pelo organismo. Este processo remove alguns dos anticorpos que estão atacando células saudáveis.

Ambos os métodos são mais ou menos eficazes uns com os outros pacientes, mas usá-los juntos não melhora os resultados. Os pesquisadores ainda não sabem por que isso ocorre.

Outros tratamentos

O paciente também pode receber medicação para aliviar a dor e evitar coágulos de sangue enquanto estiver imóvel. Além disso, provavelmente receberá terapia física. Durante a fase aguda da doença, os fisioterapeutas moverão manualmente seus braços e pernas para mantê-los flexíveis.

Uma vez que você começa a se recuperar, os fisioterapeutas trabalharão com você no fortalecimento muscular e em uma variedade de atividades da vida diária. Isso pode incluir atividades de cuidados pessoais, como se vestir.

Complicações da síndrome de Guillain-Barré

Essa doença afeta os nervos. A fraqueza e a paralisia que ocorrem podem afetar várias partes do seu corpo. As complicações podem incluir dificuldade em respirar quando a paralisia ou a fraqueza se espalham para os músculos que controlam a respiração. Você pode precisar de uma máquina chamada respirador para ajudá-lo a respirar se isso ocorrer.

Complicações também podem incluir:

  • – Fraqueza persistente, entorpecimento ou outras sensações estranhas mesmo após a recuperação
  • – Problemas cardíacos ou de pressão arterial
  • – Dores
  • – Função lenta do intestino ou da bexiga
  • – Coágulos sanguíneos e escaras devido a paralisia

Prognóstico para a síndrome de Guillain-Barré

Em geral, a doença piora rapidamente por algumas semanas e por cerca de 4 meses. O tempo médio de recuperação para a síndrome de Guillain-Barré é de 6 a 12 meses.

A recuperação da síndrome de Guillain-Barré pode ser muito lenta, necessitando de muito apoio, fisioterapia, aconselhamento e terapia ocupacional. Alguns pacientes, infelizmente, ficam com deficiência de longo prazo. Cerca de 80% dos pacientes podem caminhar dentro de 6 meses, 60% recuperam completamente a força dentro de 1 ano e 5-10% têm recuperação incompleta ou atrasada.

Em casos raros, a condição pode ser fatal, especialmente se você não receber tratamento. Fatores que podem levar a um resultado pior do tratamento incluem:

  • – Velhice
  • – Doença grave ou que progride rapidamente
  • – Atraso no tratamento, o que pode resultar em mais danos nos nervos
  • – Uso prolongado de um respirador, que pode predispor a pneumonia

Os coágulos sanguíneos e escaras resultantes da imobilização podem ser reduzidos. Os diluentes de sangue e as meias de compressão podem minimizar a coagulação. O reposicionamento frequente de seu corpo alivia a pressão corporal prolongada que leva a quebras de tecido ou escaras.

Mais informações

Os pacientes com síndrome de Guillain-Barré e suas famílias devem ser educados sobre a doença e seu processo de tratamento. Isso é recomendado para prevenir complicações durante os estágios iniciais da doença e para auxiliar na recuperação da função durante os estágios de reabilitação do paciente.

Este artigo te ajudou?
  • +6 curtiram
  • -4 não curtiram