O que é Leishmaniose e como tratar essa doença corretamente

O que é Leishmaniose e como tratar essa doença corretamente

A leishmaniose é uma doença associada à pobreza com várias formas diferentes, das quais as duas seguintes são as mais comuns: leishmaniose visceral e leishmaniose cutânea.

O que é leishmaniose

A leishmaniose é uma doença parasitária causada pelo parasita Leishmania. A transmissão da doença ocorre a partir da picada de um mosquito chamado flebótomo do gênero Lutzomyia, que é conhecido por vários nomes dependendo da região, alguns deles são mosquito palha, tatuquira, birigüi, cangalhinha, asa branca, asa dura e palhinha. Esse mosquito é tão pequeno que consegue passar por telas e mosquiteiros. No entanto, o mosquito só transmite a leishmania se tiver picado um animal infectado.

Os animais silvestres são, geralmente, as fontes da infecção, mas os próprios cães domésticos podem ser hospedeiros do parasita que causa essa doença. Quando uma pessoa é picada pelo mosquito infectado, ela desenvolve a leishmania cutânea ou visceral, dependendo do tipo de leishmania que o mosquito estava contaminado.

Existem três formas da doença. Diferentes espécies do parasita causam cada forma. A leishmaniose cutânea, afeta a pele e geralmente não é grave. A leishmaniose visceral danifica os órgãos internos e pode ser fatal. A leishmaniose visceral é também conhecida como calazar. A leishmaniose mucocutânea pode levar à destruição parcial ou completa das membranas mucosas encontradas no nariz, garganta e boca.

Os mosquitos flebótomos que carregam o parasita residem tipicamente em ambientes tropicais e subtropicais. Ocorreram epidemias fatais em áreas da África, como Sudão, Quênia e Etiópia.

Infelizmente, as regiões afetadas são frequentemente remotas e instáveis, com recursos limitados para o tratamento desta doença. Médicos Sem Fronteiras chamam a leishmaniose uma das mais perigosas doenças tropicais negligenciadas.

A Organização Mundial da Saúde estima que há 1,5 milhões de novos casos de leishmaniose cutânea e 500.000 novos casos de leishmaniose visceral no mundo a cada ano. Mesmo assim, essa doença é negligenciada pela indústria farmacêutica, isso porque afeta principalmente populações com menor poder de compra e que são vistas com menor potencial de lucro para essas empresas. A leishmaniose está presente em todos os estados brasileiros.

A leishmaniose não só afeta pessoas que vivem em países onde a doença é endêmica, mas também representa um risco para as pessoas que viajam nessas áreas. Por exemplo, a forma cutânea da doença é um problema de saúde crescente para os soldados dos EUA no Afeganistão e no Iraque, onde é apelidada de “fervura de Bagdá”.

Tipos de Leishmaniose

Há três formas de leishmaniose: cutânea, visceral e mucocutânea, que é rara. As espécies diferentes do parasita Leishmania estão associadas com cada forma. Especialistas acreditam que existem cerca de 20 espécies de Leishmania que podem transmitir a doença aos seres humanos. Os tipos são:

Leishmaniose Visceral

A leishmaniose visceral é por vezes conhecida como calazar. Geralmente ocorre de dois a oito meses depois de uma pessoa ser picada por um mosquito infectado. Ela danifica os órgãos internos, como o baço e o fígado. Também afeta o sistema imunológico através de danos a esses órgãos. A condição é quase sempre fatal se não for tratada.

Leishmaniose Cutânea

A leishmaniose cutânea ou leishmaniose tegumentar, só causa úlceras na pele. É a forma mais comum de leishmaniose. O tratamento pode não ser sempre necessário, mas pode acelerar a cicatrização e prevenir complicações.

Leishmaniose Mucocutânea

Uma forma rara da doença é chamada leishmaniose mucocutânea. Pode ocorrer vários meses após a úlcera da pele curar-se. Este tipo de leishmaniose afeta as membranas mucosas do nariz e palato. Geralmente é considerada um subconjunto de leishmaniose cutânea. No entanto, é mais grave. Ela não se cura sozinha e sempre requer tratamento.

Essa doença também pode ocorrer em cachorros, o que é conhecido como leishmaniose canina.

Causas da leishmaniose

A leishmaniose é causada devido a um protozoário parasita da espécie Leishmania. O parasita vive e se multiplica dentro do mosquito. Animais domésticos, tais como cães, podem servir como reservatórios para o parasita. A transmissão pode ocorrer do cão para um mosquito e, assim, para o ser humano.

Os seres humanos também podem transmitir o parasita entre si através de uma transfusão de sangue ou uso de agulhas compartilhadas.

Quem está em risco de leishmaniose?

A doença é encontrada em todo o mundo, exceto a Austrália e a Antártica. No entanto, cerca de 95% dos casos cutâneos ocorrem nas Américas, na bacia do Mediterrâneo, na Ásia Central e no Oriente Médio. Mais de 90% dos casos viscerais ocorrem na:

  • – Índia
  • – Bangladesh
  • – Sudão do Sul
  • – Sudão
  • – Brasil
  • – Etiópia

Se você mora ou viaja para as áreas tropicais ou subtropicais desses países e regiões, você pode estar em um risco muito maior de contrair a doença. Os fatores ambientais e climáticos influenciam fortemente a propagação da doença.

Além da geografia, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a pobreza é um fator determinante para a doença. A leishmaniose ocorre frequentemente em áreas onde as seguintes condições são comuns:

  • – Pobreza
  • – Desnutrição
  • – Fome
  • – Analfabetismo
  • – Grandes migrações causadas pela urbanização, situações de emergência ou mudanças ambientais

Outras Infecções

As pessoas que têm sistema imunológico enfraquecido também estão em risco aumentado desta condição. A leishmaniose também pode acelerar o avanço do HIV na AIDS. Você está em maior risco de desenvolver um caso mais grave de leishmaniose se estiver infectado com o HIV.

Sintomas da leishmaniose

As pessoas podem ter sido infectadas pela leishmania por longos períodos sem adoecer. Os sintomas dependem da forma da doença:

Leishmaniose Cutânea

O principal sintoma desta condição são úlceras de pele indolores. Os sintomas cutâneos podem aparecer apenas uma a duas semanas após a picada do mosquito. No entanto, às vezes os sintomas não aparecem por meses ou anos.

Em pessoas com a forma mucocutânea da doença, os sintomas geralmente aparecem de um a cinco anos após a cicatrização das lesões cutâneas. Estes são principalmente úlceras na boca e no nariz ou nos lábios. Outros sintomas podem incluir:

  • – Nariz entupido ou com corrimento
  • – Hemorragias nasais
  • – Dificuldade ao respirar

Leishmaniose Visceral

Os sintomas muitas vezes não aparecem por meses após a picada, na maioria dos casos ocorrem dois a seis meses após a infecção. Os sintomas incluem:

  • – Perda de peso
  • – Fraqueza
  • – Tosse
  • – Febre que dura semanas ou meses
  • – Baço aumentado
  • – Fígado aumentado
  • – Diminuição da produção de glóbulos vermelhos
  • – Sangramento
  • – Outras infecções
  • – Suor noturno
  • – Perda de cabelo
  • – Pele escamosa
  • – Pele escura e acinzentada

Diagnóstico da leishmaniose

É importante informar o seu médico se você viveu em ou visitou um lugar onde a leishmaniose é comum. Dessa maneira, o doutor saberá que testes deve fazer. Se você tem leishmaniose, seu médico usará outros testes para determinar qual espécie de Leishmania é a causa.

Diagnóstico da Leishmaniose Cutânea

O seu médico pode retirar uma pequena quantidade de pele para uma biópsia raspando uma das úlceras. As amostras vão ser examinadas para identificar o parasita.

Diagnóstico da Leishmaniose Visceral

Muitas vezes, as pessoas não se lembram de uma picada de um mosquito, por isso, esta condição pode ser difícil de diagnosticar.

Um médico pode primeiro realizar um exame físico para procurar um baço ou fígado aumentado. Eles podem então realizar uma biópsia de medula óssea ou retirar uma amostra de sangue para exame, e então verificar se há vestígios do parasita.

Leishmaniose tem cura

A leishmaniose tem cura se for tratada corretamente e a tempo. A leishmaniose visceral é frequentemente fatal dentro de dois anos se não for tratada adequadamente.

Leishmaniose tratamento

O tratamento da leishmaniose depende do tipo da doença:

Leishmaniose Cutânea

Úlceras cutâneas muitas vezes cicatrizam sem tratamento. No entanto, o tratamento pode acelerar a cicatrização e reduzir cicatrizes. Também pode prevenir o desenvolvimento de outras doenças. Úlceras no rosto que causam desfiguração podem exigir cirurgia plástica.

Leishmaniose Visceral

A doença visceral sempre requer tratamento. Vários medicamentos estão disponíveis. Os principais tipos de medicamentos utilizados são compostos que contêm antimónio. Estes incluem antimoniato de meglumina e estibogluconato de sódio.

Leishmaniose Mucocutânea

Essas lesões não cicatrizam naturalmente e sempre exigem tratamento.

A anfotericina B lipossomal pode tratar a leishmaniose mucocutânea. A OMS lançou uma campanha de advocacia para ajudar a reduzir o preço desses medicamentos. A esperança é que a redução do custo vai tornar mais fácil para as pessoas obterem esses medicamentos.

Complicações da leishmaniose

As complicações cutâneas podem incluir:

  • – Sangramento
  • – Outras infecções devido a um sistema imunológico enfraquecido, que podem ser fatais
  • – Desfiguração

A leishmaniose visceral é muitas vezes fatal. No entanto, a morte muitas vezes ocorre devido a complicações da doença e não pela própria doença. As complicações também são muitas vezes resistentes ao tratamento.

Como prevenir a leishmaniose

Não há vacina ou medicação profilática disponível. A única maneira de prevenir a leishmaniose é evitar ser picado por um mosquito infectado pelo parasita que causa a doença.

Siga estas etapas para ajudar a evitar ser picado por um mosquito flebótomo:

  • – Use roupas que cubram a maior parte da pele. Calças compridas, camisas de manga comprida enfiadas nas calças e meias altas são recomendadas
  • – Use repelente de insetos em qualquer pele exposta e nas extremidades de suas calças e mangas
  • – Durma nos andares mais altos de um edifício
  • – Evite o ar livre entre o anoitece e o amanhecer, pois é quando os mosquitos flebótomos são mais ativos
  • – Em interiores de casas, use telas nas janelas e ar condicionado
  • – Compre redes de cama, inseticidas e repelentes antes de viajar para áreas de alto risco

Mais informações

Se você acha que foi infectado por essa doença, o melhor é buscar ajuda rapidamente. As feridas podem resultar em cicatrizes permanentes e desfiguração da pele. A medicação pode curar a doença, no entanto, o tratamento é mais eficaz quando iniciado antes de danos ao seu sistema imunológico ocorrerem.

Este artigo te ajudou?
  • +1 curtiram
  • 0 não curtiram