O que é glaucoma, quais seus sintomas e tratamentos

O que é glaucoma, quais seus sintomas e tratamentos

Em todo o mundo, o glaucoma é a segunda principal causa de cegueira irreversível. De fato, cerca de 6 milhões de pessoas são cegas em ambos os olhos devido a essa doença. Além disso, muitas pessoas têm glaucoma e podem não saber disso. A razão para isso é que a doença inicialmente não causa sintomas e a subsequente perda de visão lateral (visão periférica) geralmente não é reconhecida.

Hoje vamos conhecer o que é glaucoma e falar mais sobre esse problema que pode se tornar bastante grave. Continue conosco para conhecer os sintomas, tipos, causas e tratamentos para essa doença.

Glaucoma o que é?

O glaucoma é uma doença do maior nervo da visão, chamado nervo óptico. O nervo óptico recebe impulsos nervosos gerados por luz da retina e os transmite ao cérebro, onde reconhecemos esses sinais elétricos como visão. O glaucoma é caracterizado por um padrão particular de dano progressivo ao nervo óptico que geralmente começa com uma perda sutil de visão lateral (visão periférica). Se o glaucoma não for diagnosticado e tratado, pode progredir para perda de visão central e cegueira.

O glaucoma geralmente é, mas não sempre, associado a pressão elevada no olho (pressão intra-ocular). Geralmente, é essa pressão elevada dos olhos que causa danos ao nervo ocular (óptico). Em alguns casos, o glaucoma pode ocorrer na presença de pressão ocular normal. Acredita-se que essa forma de glaucoma seja causada por uma má regulação do fluxo sanguíneo para o nervo óptico.

Tipos de glaucoma

glaucoma

Existem muitos tipos diferentes de glaucoma. A maioria, no entanto, pode ser classificada como glaucoma de ângulo aberto. Essas, são condições de glaucomas de longa duração (crônicos) ou de ângulo fechado, que incluem condições que ocorrem repentinamente (aguda) e durante um longo período de tempo. Os glaucomas geralmente afetam os dois olhos, mas a doença pode progredir mais rapidamente em um olho do que no outro. O envolvimento de apenas um olho ocorre apenas quando o glaucoma é provocado por fatores como lesão prévia. Isso também pode ocorrer devido a inflamação ou o uso de esteroides somente nesse olho.

Glaucoma de ângulo aberto

O glaucoma primário de ângulo aberto é, de longe, o tipo de glaucoma mais comum. Além disso, sua frequência aumenta muito com a idade e é uma doença crônica, não aguda. Este aumento ocorre porque o mecanismo de drenagem gradualmente pode ficar obstruído devido ao envelhecimento, mesmo que o ângulo de drenagem esteja aberto. Como consequência, o fluido aquoso não drena do olho corretamente. A pressão dentro do olho, portanto, acumula sem dor e sem sintomas. Além disso, como mencionado anteriormente, uma vez que a perda de visão resultante começa no lado (perifericamente), as pessoas geralmente não estão cientes do problema até que a perda invade perto ou em sua área visual central. Este tipo de glaucoma é considerado primário porque sua causa não pode ser atribuída a quaisquer mudanças estruturais discerníveis dentro do olho.

Glaucoma de pressão normal

O glaucoma de pressão normal ou o glaucoma de baixa tensão são variantes do glaucoma primário de ângulo aberto crônico. Acredita-se que este tipo de glaucoma ocorre devido à diminuição do fluxo sanguíneo para o nervo óptico. Esta condição é caracterizada por dano progressivo do nervo óptico e perda de visão periférica (campo visual). Ele pode ser diagnosticado por exames repetidos pelo médico para detectar o dano do nervo ou a perda do campo visual.

Glaucoma congênito

O glaucoma congênito (infantil) é um tipo relativamente comum de glaucoma de ângulo aberto herdado. Nessa condição, a área de drenagem não está devidamente desenvolvida antes do nascimento. Isso resulta em aumento da pressão no olho que pode levar à perda de visão devido ao dano do nervo óptico e também a um olho aumentado. O olho de uma criança pequena aumenta em resposta ao aumento da pressão intraocular porque é mais flexível do que o de um adulto. O diagnóstico precoce e o tratamento com medicação e/ou cirurgia são críticos em bebês e crianças com essa condição, para preservar sua visão.

Glaucoma secundário de ângulo aberto

O glaucoma secundário de ângulo aberto é outro tipo de glaucoma de ângulo aberto. Pode resultar de uma lesão ocular, mesmo que tenha ocorrido há muitos anos. Outras causas de glaucoma secundário são inflamação na íris do olho, diabetes, cataratas. Indivíduos suscetíveis a esteroides, ou uso de esteroides tópicos (gotas, orais ou injetados) também podem apresentar essa condição. Também pode ser associado a um descolamento da retina ou a uma oclusão ou bloqueio da veia da retina. (A retina é a camada que alinha o interior da parte de trás do olho). Os tratamentos para os glaucomas secundários de ângulo aberto variam, dependendo da causa.

Glaucoma pigmentar

O glaucoma pigmentar é um tipo de glaucoma secundário que é mais comum em homens mais jovens. Nesta condição, por razões ainda não compreendidas, os grânulos de pigmento se separam da íris, que é a parte colorida do olho. Esses grânulos então podem bloquear a malha trabecular, que é um elemento-chave no sistema de drenagem do olho. Finalmente, o sistema de drenagem bloqueado leva à elevação da pressão intraocular, o que resulta em danos ao nervo óptico.

Glaucoma pseudoesfoliativo

O glaucoma pseudoesfoliativo é outro tipo de glaucoma que pode ocorrer com ângulos abertos ou fechados. Este tipo de glaucoma é caracterizado por depósitos de material escamoso na superfície frontal da lente e no ângulo do olho. Acredita-se que o acúmulo deste material no ângulo bloqueie o sistema de drenagem do olho e eleve a pressão. Embora este tipo de glaucoma possa ocorrer em qualquer população, é mais prevalente em pessoas mais velhas.

Glaucoma com ângulo fechado

O glaucoma com ângulo fechado é uma forma menos comum de glaucoma no mundo ocidental, mas é extremamente comum na Ásia. O glaucoma com ângulo fechado pode ser agudo ou crônico. O elemento comum em ambos é que uma porção de ou todo o ângulo de drenagem se torna anatômica fechada. Desse modo que o fluido aquoso dentro do olho não pode atingir a totalidade ou parte da malha trabecular.

No glaucoma agudo de ângulo fechado, a pressão intraocular do paciente, que normalmente é normal, pode subir de forma muito repentina (agudamente). Esse súbito aumento da pressão ocorre porque o ângulo de drenagem se fecha e bloqueia todos os canais de drenagem. Este tipo de glaucoma pode ocorrer quando a pupila dilata-se. Como resultado, a borda periférica da íris pode se agrupar contra a conexão corneana, fazendo com que o ângulo de drenagem se feche. Assim, o problema no glaucoma de ângulo fechado é a dificuldade de acesso do fluido ocular ao sistema de drenagem.

Um ataque de glaucoma agudo de ângulo fechado pode estar associado a dor nos olhos e dores de cabeça severas, olho vermelho, inflamado, náuseas, vômitos e visão desfocada. Além disso, a alta pressão intraocular leva ao inchaço da córnea (edema). Às vezes, o glaucoma agudo é tratado com inibidores orais de anidrase carbônica. Um ataque de glaucoma agudo, no entanto, geralmente é aliviado por cirurgia ocular. Nesta operação, o médico faz um pequeno orifício na íris com um laser (iridotomia a laser) para permitir que o fluido retome a drenagem em seus canais de saída normais.

O que causa glaucoma?

A pressão elevada no olho é o principal fator que leva a danos glaucomatosos ao nervo ocular (óptico). O nervo óptico, localizado na parte de trás do olho, é o principal nervo visual do olho. Esse nervo transmite as imagens que vemos de volta ao cérebro para interpretação. O olho é firme e redondo, como uma bola. O seu tom e forma são mantidos por uma pressão dentro do olho (a pressão intraocular), que normalmente varia entre 8 milímetros (mm) e 22 mm de mercúrio. Quando a pressão é muito baixa, o olho fica mais macio, enquanto uma pressão elevada faz com que o olho se torne mais duro.

Entendendo o olho

A frente do olho é preenchida com um fluido claro chamado humor aquoso, que fornece nutrição às estruturas na frente do olho (o humor aquoso não deve ser confundido com lágrimas, que são produzidas pelas glândulas lacrimais sob a parte superior da pálpebra fora do próprio globo ocular). Este fluido é produzido constantemente pelo corpo ciliar, que envolve a lente do olho. O humor aquoso então flui através da pupila e deixa o olho através de pequenos canais de drenagem chamados de malha trabecular. Esses canais estão localizados no chamado ângulo de drenagem do olho. Esse ângulo é onde a córnea clara, que cobre a frente do olho, se prende à base da íris, que é a parte colorida do olho. A córnea cobre a íris e a pupila, que estão na frente da lente. A pupila é a abertura pequena, redonda, de cor preta, no centro da íris. A luz passa pela pupila, através da lente e na retina na parte de trás do olho.

Na maioria das pessoas, os ângulos de drenagem estão abertos, mas em alguns indivíduos, eles podem ser estreitos. Por exemplo, o ângulo normal é de cerca de 45 graus, enquanto um ângulo estreito é de cerca de 25 graus ou menos. Depois de sair através da malha trabecular no ângulo de drenagem, o fluido aquoso drena-se em pequenos vasos sanguíneos (capilares) para a corrente sanguínea principal.

Como o glaucoma se forma

Este processo de produção e remoção do fluido do olho é semelhante ao de uma pia com a torneira sempre ligada, produzindo e drenando a água. Se o dreno da pia se entupir, a água pode transbordar. Se essa pia fosse um sistema fechado, como é o olho e incapaz de transbordar, a pressão dentro da pia aumentaria. Da mesma forma, se a malha trabecular do olho for entupida ou bloqueada, a pressão intraocular pode se tornar elevada. Além disso, se a água da pia estiver muito alta, a água pode transbordar. Novamente, se esta pia fosse um sistema fechado, a pressão dentro da pia aumentaria. Do mesmo modo, se muito fluido estiver sendo produzido dentro do olho, a pressão intraocular pode tornar-se muito alta. Em qualquer desses eventos, uma vez que o olho é um sistema fechado, se não puder remover adequadamente o fluido, a pressão dentro do mesmo aumenta, podendo levar ao glaucoma.

Glaucoma sintomas

glaucoma

Pacientes com glaucoma de ângulo aberto e glaucoma de ângulo fechado crônico em geral não apresentam sintomas no início da doença. A perda de campo visual não é um dos sintomas de glaucoma no início da doença. Raramente, os pacientes com níveis flutuantes de pressão intra-ocular podem apresentar nebulosidade e ver auréolas em torno de luzes, especialmente pela manhã.

Por outro lado, os sintomas do glaucoma de ângulo fechado agudo são muitas vezes extremamente dramáticos. Isso pode causar dores oculares graves, dor de cabeça, náuseas e vômitos e desfocagem visual. Ocasionalmente, a náusea e os vômitos excedem os sintomas oculares.

Os olhos de pacientes com glaucoma de ângulo aberto ou glaucoma de ângulo fechado crônico podem parecer normais. Alguns pacientes ficam com os olhos um pouco vermelhos do uso crônico de colírios. O oftalmologista, ao examinar o paciente, pode encontrar pressão intraocular elevada, anormalidades do nervo óptico ou perda de campo visual. Além de outros sinais menos comuns.

Os olhos de pacientes com glaucoma agudo de ângulo fechado aparecerão vermelhos, e a pupila do olho pode ser grande e não reativa à luz. A córnea pode parecer turva a olho nu. O oftalmologista normalmente encontrará menor acuidade visual, inchaço da córnea, pressão intraocular altamente elevada e um ângulo de drenagem fechado.

Fatores de risco de glaucoma

Como já mencionado, na maioria dos casos, a pressão intraocular pode acumular e destruir a visão sem causar sintomas óbvios. Assim, a consciência e a detecção precoce do glaucoma são extremamente importantes porque esta doença geralmente pode ser tratada com sucesso quando diagnosticada precocemente. Embora todos estejam em risco de glaucoma, certas pessoas correm um risco muito maior e precisam ser verificadas com mais frequência pelo seu médico-oftalmologista. Os principais fatores de risco para o glaucoma incluem os seguintes:

  • – Ter mais de 45 anos de idade
  • – História familiar de glaucoma
  • – Ascendência racial negra
  • – Diabetes
  • – História da pressão intraocular elevada
  • – Diminuição da espessura e rigidez da córnea
  • – Alto grau de miopia), que é a incapacidade de ver objetos distantes claramente
  • – História de lesões no olho
  • – Uso de cortisona (esteroides), no olho ou sistematicamente (oralmente ou injetado)
  • – Ter hipermetropia

Diagnóstico do glaucoma

glaucoma

Um oftalmologista geralmente pode detectar aqueles indivíduos que estão em risco de glaucoma antes do dano no nervo. O médico também pode diagnosticar pacientes que já têm glaucoma observando seus danos nos nervos ou perda de campo visual. Os seguintes testes, todos indolores, podem ser parte desta avaliação.

Tonometria

Determina a pressão no olho medindo o tom ou firmeza de sua superfície. Após o uso de um colírio anestésico, o sensor do tonômetro é colocado contra a superfície frontal do olho. Quanto mais firme o tom da superfície do olho, maior a leitura da pressão.

Taquimetria

Mede a espessura da córnea. Depois que o olho foi adormecido com anestésicos, a ponta do paquímetro é tocada levemente na superfície frontal do olho (córnea). Estudos têm mostrado que a espessura da córnea pode afetar a medida que a pressão intra-ocular aumenta. As córneas mais grossas podem dar leituras de pressão de olhos altas e córneas mais finas podem dar leituras de pressão baixas. Além disso, córneas finas podem ser um fator de risco adicional para o glaucoma. Uma vez que o médico conhece a espessura da córnea do paciente, pode interpretar com mais precisão a tonometria do paciente.

Gonioscopia

É feito com gotas anestésicas no olho e colocando um tipo especial de lente de contato com espelhos na superfície do mesmo. Os espelhos permitem que o médico veja o interior do olho de diferentes direções. O objetivo deste teste é examinar o ângulo de drenagem e a área de drenagem do olho. Neste procedimento, o médico pode determinar se o ângulo é aberto ou se é um glaucoma de ângulo estreito. Também pode encontrar outras anormalidades, como o aumento do pigmento no ângulo ou danos longos ao ângulo de inflamação ou lesão prévia.

Oftalmoscopia

É um exame em que o médico usa um dispositivo de mão, montado na cabeça ou uma lente especial e uma lâmpada para olhar diretamente através da pupila no olho. Este procedimento é feito para examinar o nervo óptico na parte de trás do olho. O dano ao nervo óptico, pode ser detectado dessa maneira. A assimetria no nervo óptico entre os dois olhos pode ser um sinal de glaucoma. Além disso, uma cor pálida do nervo pode sugerir danos ao nervo por um fluxo sanguíneo fraco ou aumento da pressão intraocular.

Teste de campo visual

O teste de campo visual mapeia os campos visuais para detectar sinais precoces (ou tardios) de danos glaucomatosos ao nervo óptico. Para encontrar o glaucoma, os campos visuais são medidos por um computador um olho de cada vez. Um olho fica coberto e o paciente coloca seu queixo em um apoio. Luzes de várias intensidades e tamanhos são projetadas aleatoriamente. Quando o paciente vê uma luz, deve apertar um botão. Este processo produz um mapa computadorizado do campo visual, descrevendo as áreas onde cada olho pode ou não ver. No glaucoma, há alterações características no exame de campo visual.

Exames de imagem

Os sistemas de varredura a laser confocal e a tomografia de coerência óptica são sistemas de imagem não invasivos que criam uma imagem tridimensional do nervo óptico. Isso pode quantificar a presença de dano ocular de todos os tipos de glaucoma.

Glaucoma tem cura?

Embora o dano dos nervos e a perda visual geralmente não possam ser revertidos, o glaucoma é uma doença que geralmente pode ser controlada. Ou seja, o tratamento pode tornar a pressão intra-ocular normal. Portanto, pode prevenir ou retardar outros danos nos nervos e perda visual.

Glaucoma tratamento

glaucoma

O tratamento pode envolver o uso de medicamentos para os olhos, pílulas (raramente), laser ou cirurgia incisional. Um ou mais tipos de colírios podem ter que ser usados várias vezes ao dia para diminuir a pressão intra-ocular. Estas gotas funcionam, quer reduzindo a produção do fluido aquoso ou aumentando a drenagem do fluido para fora do olho. Cada tipo de terapia tem seus benefícios e possíveis complicações.

É importante lembrar que muitos pacientes em risco de glaucoma ou que têm glaucoma também podem ter outras doenças oculares, como catarata ou degeneração macular. Um oftalmologista pode determinar a causa exata da perda visual. Que pode ser experimentada pelo glaucoma ou por outras anormalidades oculares.

Existem muitos pacientes cujo exame revela elevação da pressão ocular e aumento do risco de glaucoma, mas sem evidência definitiva de danos oculares causados ​​pela doença. Esses pacientes têm o que é denominado hipertensão ocular, anteriormente conhecido como “pré-glaucoma” ou “suspeita de glaucoma“. Os pacientes com essa condição não têm perda de campo visual, mas apresentam maior risco de glaucoma devido à presença de pressão intraocular elevada ou alterações do nervo óptico visíveis na oftalmoscopia ou na imagem. Alguns dos pacientes necessitam de tratamento. Esses pacientes precisam ser frequentemente observados para que o tratamento possa ser iniciado antes do início do glaucomatoso.

Colírio para glaucoma

Os antagonistas beta-adrenérgicos agem contra, ou bloqueiam, substâncias semelhantes a adrenalina. Estas gotas funcionam no tratamento do glaucoma, reduzindo a produção do humor aquoso. Durante anos, eles eram o tratamento padrão para o tratar o glaucoma. Alguns destes medicamentos são o Timolol, Levobunolol e o Metipranolol.

Usados ​​uma ou duas vezes por dia, estas gotas são muito eficazes. No entanto, os efeitos colaterais, como o agravamento da asma ou enfisema, bradicardia (ritmo cardíaco lento), baixa pressão arterial, fadiga e impotência proíbem seu uso em alguns pacientes. O Betaxolol é um antagonista beta-adrenérgico que é mais seletivo trabalhando apenas no olho e, portanto, traz menos risco de efeitos colaterais (cardíacos) ou pulmonares (pulmonares) do que outros colírios desse tipo.

Cirurgia de glaucoma

A trabeculectomia é um procedimento microcirúrgico a laser delicado usado no tratamento do glaucoma. Nesta operação, um pequeno pedaço da malha trabecular entupida é removida para criar uma abertura. Com isso, uma nova via de drenagem é feita para que o fluido saia do olho. Como parte deste novo sistema de drenagem, um pequeno saco coletor é criado a partir de tecido conjuntival. (A conjuntiva é a cobertura clara sobre o branco do olho.) O novo sistema de drenagem permite que o fluido deixe o olho, entre no saco e depois passe para a circulação do sangue capilar (reduzindo assim a pressão do olho). A trabeculectomia é a cirurgia de glaucoma mais comumente realizada. Se for bem sucedida, é o meio mais eficaz para diminuir a pressão do olho.

O cirurgião às vezes cria outros tipos de sistemas de drenagem. Embora a cirurgia de glaucoma seja frequentemente eficaz, há possíveis complicações, como infecção ou sangramento. Consequentemente, a cirurgia é geralmente reservada para casos em que de outra forma de tratamento não podem ser usadas.

É possível prevenir o glaucoma?

O glaucoma primário de ângulo aberto não pode ser evitado. No entanto, o dano do nervo óptico e a perda visual resultante podem ser prevenidos por diagnóstico precoce e tratamento efetivo.

Os tipos secundários de glaucoma muitas vezes podem ser prevenidos evitando trauma no olho. O tratamento de inflamação ocular e outras doenças do olho ou corpo que podem causar formas secundárias de glaucoma também são essenciais.

Mais informações

O glaucoma pode causar cegueira e pode afetar um grande número de pessoas. Por isso, o aumento dos esforços para aumentar a conscientização pública sobre a doença, exames gratuitos nacionais, diagnóstico e tratamento prévios são essenciais para reduzir o número de perda de visão devido ao glaucoma.

Este artigo te ajudou?
  • +2 curtiram
  • -1 não curtiram