O que é amenorreia, quais as causas e sintomas desse problema

O que é amenorreia, quais as causas e sintomas desse problema

As mulheres podem sofrer de muitas condições de saúde ao longo de suas vidas, uma delas é a amenorreia. A amenorreia não é uma doença em si, mas um sintoma de um problema subjacente. Ela afeta cerca de 2 a 5% das mulheres em idade reprodutiva no mundo todo.

Você quer saber mais sobre o assunto? Acompanhe o restante de matéria e descubra o que é a amenorreia, suas causas, sintomas e tratamentos.

O que é amenorreia

Amenorreia é a ausência de menstruação. As mulheres que perderam pelo menos três períodos menstruais consecutivos têm amenorreia, assim como as meninas que não começaram a menstruação aos 15 anos de idade.

Para uma mulher ter ciclos menstruais regulares, seu hipotálamo, glândula pituitária, ovários e útero devem estar funcionando normalmente. O hipotálamo estimula a glândula pituitária a liberar o hormônio folículo-estimulante (HFE) e o hormônio luteinizante (HL). Esses hormônios fazem os ovários produzirem os hormônios estrogênio e progesterona. O estrogênio e a progesterona, por sua vez, são responsáveis ​​pelas mudanças cíclicas no endométrio (revestimento uterino), incluindo a menstruação. Além disso, o trato genital da mulher deve estar livre de quaisquer anormalidades para permitir a passagem do sangue menstrual.

Existem dois tipos de amenorreia: a primária ou secundária:

Amenorreia primária

A amenorreia primária é a ausência de sangramento menstrual e características sexuais secundárias (por exemplo, desenvolvimento mamário e pelos pubianos) em uma menina aos 14 anos de idade ou a ausência de sangramento menstrual com desenvolvimento normal de características sexuais secundárias em uma menina aos 16 anos.

Amenorreia secundária

A amenorreia secundária é a ausência de sangramento menstrual em uma mulher chegou a menstruar, mas depois parou por três ou mais meses na ausência de gravidez, lactação (produção de leite materno), supressão de ciclo de pílulas contraceptivas (anticoncepcionais) ou menopausa.

Causas de amenorreia

A causa mais comum de amenorreia é a gravidez, seguida por amamentação e menopausa. Outras causas de resultam de uma anormalidade no eixo entre o hipotálamo, hipófise e ovário, anormalidades anatômicas do trato genital ou causas funcionais.

Causas hipotalâmicas

  • – Síndrome de Kallmann (deficiência de gonadotropinas, que são hormônios capazes de promover o crescimento e a função dos órgãos reprodutivos)
  • – Deficiência nutricional
  • – Baixo peso corporal ou atraso de crescimento

Causas da hipófise

  • – Prolactinemia (altos níveis sanguíneos de prolactina, um hormônio que estimula a secreção de leite das mamas durante a amamentação), possivelmente causado por prolactinoma um tumor da glândula pituitária que secreta o hormônio prolactina
  • – Distúrbios relacionados com outros tumores da hipófise (por exemplo, síndrome de Cushing, acromegalia ou hormônio estimulante da tiroide)
  • – Necrose pituitária pós-parto (morte de células da pituitária após uma mulher dar a luz)
  • – Hipofisite autoimune (células da glândula pituitária são destruídas pelo próprio sistema de defesa do corpo)
  • – Craniofaringioma (um tumor dentro da glândula pituitária)
  • – Sarcoidose (uma doença generalizada que pode afetar a hipófise)

Causas ovarianas

  • – Anovulação (falta de libertação de um ovo)
  • – Hiperandrogenemia (níveis sanguíneos elevados de hormônios masculinos)
  • – Síndrome dos ovários policísticos (transtorno hormonal que afeta mulheres em idade reprodutiva)
  • – Insuficiência ovárica prematura
  • – Síndrome de Turner (um distúrbio genético caracterizado por ovários subdesenvolvidos e baixa estatura)
  • – Disgenesia gonadal pura (desenvolvimento defeituoso do ovário)
  • – Ooforite autoimune (células dos ovários destruídas pelo próprio sistema de defesa do corpo)
  • – Galactosemia (uma doença hereditária em que galactose, um tipo de açúcar, se acumula no sangue)
  • – Anormalidades anatômicas do trato genital
  • – Aderências intra-uterinas
  • – Hímen imperfurado (um hímen em que não há nenhuma abertura, a membrana fecha completamente fora do vagina)
  • – Septo vaginal transverso (uma parede divisória ou membrana na vagina)
  • – Aplasia (ausência de um órgão ou tecido) da vagina, do colo do útero ou do útero

Causas funcionais

  • – Anorexia ou bulimia
  • – Doenças crônicas (por exemplo, tuberculose)
  • – Aumento excessivo de peso ou perda de peso
  • – Desnutrição
  • – Depressão ou outros distúrbios psiquiátricos
  • – Abuso de drogas recreativas
  • – Uso de drogas psicotrópicas (medicamentos prescritos para estabilizar ou melhorar o humor, o estado mental ou o comportamento)
  • – Estresse excessivo
  • – Excesso de exercício físico
  • – Supressão do ciclo com pílulas anticoncepcionais hormonais sistêmicas
  • – Tratamento com radiação ou quimioterapia

Sintomas de amenorreia

O principal sintoma da amenorreia é a ausência de menstruação. Por se tratar de um sintoma e não uma condição em si, os sintomas adicionais da amenorreia podem ser diferentes dependendo da condição associada. Alguns deles são:

  • – Galactorreia (mamas produzem leite em uma mulher que não está grávida ou amamentando)
  • – Cefaleia (dor de cabeça)
  • – Visão periférica
  • – Queda de cabelo
  • – Crescimento de pelos no rosto
  • – Dor pélvica
  • – Acne
  • – Secura vaginal
  • – Ondas de calor
  • – Suores noturnos
  • – Sono desordenado
  • – Podem estar presentes ganho de peso ou perda de peso visíveis
  • – Excesso de ansiedade

Quando procurar um médico

Consulte um profissional de saúde se uma menina tem 14 anos de idade e suas características sexuais secundárias (por exemplo, desenvolvimento de mama e pelos pubianos) não tiverem começado a se desenvolver, ou uma menina tem 16 anos e não teve seu primeiro período menstrual.

Para as mulheres que já começaram a menstruar, devem consultar um profissional de saúde se tiverem perdido três períodos menstruais consecutivos.

Diagnóstico da amenorreia

Um médico pode realizar os seguintes testes para determinar a causa da amenorreia:

  • – Exames de sangue podem ser realizados para determinar os níveis de hormônios secretados pela glândula pituitária e os ovários.
  • – A ultra-sonografia da pelve pode ser realizada para avaliar as anormalidades do trato genital ou para procurar ovários policísticos.

Se os testes acima forem inconclusivos, podem ser realizados testes adicionais, incluindo:

  • – Testes de função da tireoide
  • – Determinação dos níveis de prolactina
  • – Histerossalpingografia ou outros exames para visualização da condição do útero
  • – Histeroscopia (inspeção visual da cavidade uterina)

Tratamento da amenorreia

Assim como os sintomas, o tratamento da amenorreia depende do que está causando esta condição. Uma vez que a causa é determinada, o tratamento é direcionado para corrigir o problema, que deve restaurar a menstruação.

Os tratamentos para causas menos graves incluem:

  • – Em algumas mulheres, deficiências nutricionais induzidas por dieta pode causar amenorreia. Essas mulheres devem comer uma dieta devidamente equilibrada.
  • – O excesso de peso corporal pode ser a causa da amenorreia. Estas mulheres devem restringir a quantidade de gordura em sua dieta, e devem praticar exercícios para manter um peso corporal ideal.
  • – Mais de 8 horas de exercício vigoroso por semana pode causar amenorreia. Um programa de exercícios moderados pode restaurar a menstruação normal.
  • – Em mulheres com anorexia nervosa ou perda excessiva de peso, os ciclos menstruais normais podem muitas vezes serem restaurados através de tratamento para restaurar e manter um peso corporal saudável.
  • – Se a amenorreia é causada pelo estresse emocional, encontrar maneiras de lidar com o estresse e os conflitos pode ajudar.
  • – Manter um estilo de vida saudável, evitando o consumo de álcool e cigarro também é útil.

Algumas causas de amenorreia podem ser gerenciadas por terapia médica (de drogas). Os exemplos incluem as seguintes:

  • – Os agonistas da dopamina tais como bromocriptina (Parlodel) ou pergolide (Permax), são eficazes no tratamento da hiperprolactinemia. Na maioria das mulheres, o tratamento com medicamentos agonistas da dopamina restaura a função endócrina ovariana normal e a ovulação.
  • – A terapia de reposição hormonal que consiste em estrogênio e progestina pode ser usada para mulheres em que a deficiência de estrogênio permanece porque a função ovariana não pode ser restaurada.
  • – Metformina é uma droga que tem sido utilizada com sucesso em mulheres com síndrome do ovário policístico para induzir a ovulação.
  • – Em alguns casos, os contraceptivos orais podem ser prescritos para restaurar o ciclo menstrual e para fornecer substituição de estrogênio para mulheres com amenorreia que não desejam engravidar.

No caso de anormalidades anatômicas do trato genital, a cirurgia pode ser indicada.

  • – Alguns tumores hipofisários e hipotalâmicos podem requerer cirurgia e, em alguns casos, radioterapia.
  • – As mulheres com aderências intra-uterinas requerem a dissolução do tecido cicatricial.

Os procedimentos cirúrgicos necessários para outras anormalidades do trato genital dependem da situação clínica específica.

Mais informações

A amenorreia geralmente não é uma condição potencialmente fatal. O prognóstico da amenorreia depende da causa subjacente e do tipo de tratamento disponível. Para a maioria das mulheres, medicamentos, mudanças no estilo de vida ou cirurgia podem corrigir a amenorreia sem maiores problemas.

Este artigo te ajudou?
  • +3 curtiram
  • 0 não curtiram