Enfisema pulmonar tem cura? Conheça seus sintomas e tratamentos

Enfisema pulmonar tem cura? Conheça seus sintomas e tratamentos

O vício pelo cigarro pode afetar a saúde de várias maneiras e causar várias doenças. Uma delas é o enfisema pulmonar, uma doença grave e que afeta bastante a vida de uma pessoa que sofre da mesma. Hoje, vamos saber do que ela se trata, suas causas, sintomas e tratamentos.

O que é enfisema pulmonar?

O enfisema pulmonar é uma doença progressiva dos pulmões que causa principalmente falta de ar. Em pessoas com enfisema, os tecidos pulmonares necessários para suportar a forma física e a função do pulmão são danificados. Essa condição está incluída em um grupo de doenças chamadas doença pulmonar obstrutiva crônica ou DPOC.

O enfisema pulmonar é chamado de doença pulmonar obstrutiva porque a destruição do tecido pulmonar em torno de vias aéreas menores, chamadas de bronquíolos, torna essas vias respiratórias incapazes de manter sua forma corretamente quando você expira. Isso as torna ineficientes na transferência de oxigênio para o sangue e em tirar dióxido de carbono do sangue.

O enfisema altera a anatomia do pulmão de várias maneiras importantes. Normalmente, os pulmões são esponjosos e elásticos. Quando uma respiração é tomada, a parede do tórax se expande, expandindo essa “esponja”. Assim como uma esponja espremida irá tirar água para dentro quando liberada, a sucção atrai ar nos pulmões quando a parede do tórax se expande. O ar é trazido pela traqueia e brônquios (os tubos de ar principais que vão para os pulmões direito e esquerdo).

Esses tubos se dividem em tubos menores e menores, terminando finalmente nos alvéolos. Os alvéolos, as estruturas mais pequenas do pulmão, são sacos de ar muito pequenos. Os alvéolos estão nas extremidades dos tubos mais pequenos, chamados de bronquíolos. Os alvéolos e os bronquíolos são estruturas muito importantes para que os pulmões funcionem adequadamente. São essas estruturas danificadas pelo enfisema pulmonar.

enfisema pulmonar

Enfisema pulmonar causas

O cigarro é, de longe, o maior culpado para as pessoas que desenvolvem enfisema e também é a causa mais evitável. Outros fatores de risco incluem uma deficiência de uma enzima chamada alfa-1-antitripsina, poluição do ar, reatividade das vias aéreas, hereditariedade, sexo masculino e idade.

A fumaça do cigarro contribui para este processo da doença de duas maneiras. Destrói o tecido pulmonar, que é a causa da obstrução, e provoca inflamação e irritação das vias respiratórias que podem fazer com que a doença piore.

Como o cigarro afeta a função pulmonar

A destruição do tecido pulmonar ocorre de várias maneiras. Primeiro, a fumaça do cigarro afeta diretamente as células nas vias aéreas responsáveis ​​pela remoção de muco e outras secreções.

O uso contínuo do cigarro leva a danos aos cílios, pequenos cabelos presentes vias aéreas, que têm a função de limpar as secreções. A exposição prolongada à fumaça do cigarro faz com que os cílios desapareçam completamente. Com isso, as secreções de muco não podem ser eliminadas. A fumaça também faz com que a secreção de muco seja aumentada ao mesmo tempo em que a capacidade de limpar as secreções diminui. A acumulação de muco resultante pode proporcionar às bactérias uma rica fonte de alimento e levar à infecções.

As células imunes no pulmão, cujo trabalho é prevenir e combater infecções, também são afetadas pela fumaça do cigarro. Elas não podem combater as bactérias de forma eficaz ou limpar os pulmões das muitas partículas (como o alcatrão) que contém a fumaça do cigarro. Desse modo, a fumaça do cigarro prepara o cenário para infecções pulmonares frequentes. Embora essas infecções não sejam suficientemente graves para exigir cuidados médicos, a inflamação causada pelo sistema imunológico constantemente atacando bactérias ou alcatrão leva à liberação de enzimas destrutivas das células imunes.

Ao longo do tempo, as enzimas liberadas durante esta inflamação persistente levam à perda de proteínas responsáveis ​​por manter os pulmões elásticos. Além disso, o tecido que separa as células do ar (alvéolos) um do outro também é destruído.

Durante anos de exposição à fumaça do cigarro, a diminuição da elasticidade e destruição dos alvéolos leva à destruição da função pulmonar. Além disso, vale lembrar que a fumaça de cigarro também é cancerígena, o que significa que pode levar ao câncer de pulmão, laringe, cavidade bucal e faringe, esôfago e bexiga.

Outras causas

A poluição do ar age de forma semelhante à fumaça do cigarro. Os poluentes causam inflamação nas vias aéreas, levando à destruição do tecido pulmonar.

A reatividade anormal das vias aéreas, como a asma brônquica, mostrou ser um fator de risco para o desenvolvimento do enfisema pulmonar.

Os homens são mais propensos a desenvolver enfisema do que as mulheres, embora o número de mulheres que desenvolvem DPOC está aumentando.

A idade mais avançada é um fator de risco para o enfisema. A função pulmonar normalmente diminui com a idade. Portanto, é lógico que quanto mais velho for a pessoa, mais provável é que ela tenha uma destruição maior do tecido pulmonar para produzir enfisema pulmonar.

Enfisema pulmonar sintomas

enfisema pulmonar

A falta de ar é o sintoma mais comum do enfisema pulmonar. A tosse, às vezes causada pela produção de muco, também podem ser sintomas de enfisema. O enfisema geralmente se desenvolve lentamente. Você não pode ter episódios agudos de falta de ar. A deterioração é lenta e pode passar despercebida por um longo período de tempo. Este é especialmente o caso se você é fumante ou tem outros problemas médicos que limitam sua capacidade de praticar exercícios físicos.

Outros sintomas da doença incluem:

  • – Bronquite crônica
  • – Asma
  • – Bronquiectasias

Inicialmente, a falta de ar (dispneia) ocorre com a atividade física. À medida que o tempo continua e a doença progride, os episódios de dispneia ocorrem com mais frequência, eventualmente, ocorrendo em repouso, tornando as atividades rotineiras diárias difíceis de realizar e alterando o estilo de vida.

Quando procurar um médico

Se você tiver falta de ar frequente ou uma piora, procure atendimento médico. A falta de ar pode ocorrer em outras doenças, particularmente doença cardíaca e outras doenças pulmonares, por isso é importante não negligenciar ou minimizar esse sintoma. Uma diminuição gradual na capacidade de se exercitar ou realizar atividades diárias, tosse persistente e sibilância também sugerem uma visita ao médico.

Como o tabagismo é um fator de risco tão perigoso para o enfisema pulmonar, você também pode entrar em contato com seu médico para obter ajuda para fazer um plano para parar de fumar, mesmo na ausência de falta de ar ou outros sintomas. Os médicos podem oferecer muitas opções para ajudá-lo a largar o vício. O apoio de um médico pode tornar o processo mais fácil do que fazê-lo sozinho. Muitos estudos recentes mostraram que até 25% dos fumantes podem ter DPOC e não saberem disso.

A falta de ar sempre deve ser levada a sério, especialmente se ocorrer de repente ou se piorar durante um período de tempo relativamente curto. Esta situação geralmente é considerada uma emergência médica, por isso os médicos devem ser procurados imediatamente.

Diagnóstico do enfisema

enfisema pulmonar

Como é o caso da maioria das doenças, o profissional de saúde irá procurar conhecer seu histórico de sintomas para procurar sinais de doenças pulmonares e respiratórias. Algumas perguntas que ele pode fazer são:

  • – Há quanto tempo a falta de ar tem estado presente?
  • – O que o torna melhor?
  • – O que o torna pior?
  • – Houve uma infecção recentemente?
  • – Os sintomas estão ficando mais severos?
  • – O paciente fuma?
  • – O paciente tem exposição ao fumo passivo ou a outros fumos tóxicos?
  • – Existem outras exposições de doenças que podem estar contribuindo para a falta de ar?
  • – Existe uma história familiar de doença pulmonar?

Exame físico

O exame físico deve-se concentrar no pulmão, mas também pode incluir o coração e o sistema circulatório:

  • – Existe uma taxa respiratória aumentada?
  • – O paciente está sem fôlego apenas sentado na sala de exame?
  • – Além das costelas e do diafragma, o paciente está usando os músculos intercostais (aqueles entre as costelas) e os músculos do pescoço para respirar?
  • – A cavidade torácica parece ser mais alta do que deveria?
  • – A expiração demora mais do que deveria? Uma vez que a elasticidade do pulmão foi perdida, leva mais tempo para que o ar seja forçado a sair no ciclo de respiração.
  • – O movimento do diafragma diminuiu?
  • – O paciente é cianotico (com um tom azul na cor da pele, significando falta de oxigênio no sangue)?
  • – Ao ouvir os pulmões, há presença de sibilos, especialmente se o paciente é solicitado a expirar rapidamente?

Exames e testes

  • – Oximetria: A oximetria é um teste não-invasivo, no qual um sensor é gravado ou colocado em um dedo ou lóbulo da orelha para medir a porcentagem de glóbulos vermelhos que possuem oxigênio. Esse valor geralmente é superior a 92%. Resultados inferiores a 90% podem sinalizar a necessidade de oxigênio suplementar para uso doméstico.
  • – Exames de sangue: Uma contagem completa de células sanguíneas pode ser realizada para verificar o aumento do número de glóbulos vermelhos. Em resposta a menores concentrações de oxigênio no sangue, o corpo fabrica mais glóbulos vermelhos para tentar fornecer o máximo de oxigênio possível às células.
  • – O gás sanguíneo arterial também pode fornecer parâmetros para estabelecer o diagnóstico de insuficiência respiratória crônica. O diagnóstico pode ser feito quando o nível de oxigênio medido cai abaixo de 60 mmHg (milímetros de mercúrio) e o nível de dióxido de carbono aumenta acima de 50 mm Hg.
  • – Radiologia: Uma radiografia de tórax simples pode mostrar pulmões que se tornaram muito inflados e perderam marcações pulmonares normais, devido a destruição de alvéolos e tecido pulmonar.
  • – Tomografia computadorizada: Pode revelar mais detalhes sobre a quantidade de destruição pulmonar, mas não é uma parte normal da avaliação de pacientes com enfisema.
  • – Testes de função pulmonar: Os testes de função pulmonar ou a espirometria podem medir o fluxo de ar dentro e fora dos pulmões e serem usados ​​para prever a gravidade do enfisema pulmonar. Ao soprar em uma máquina, a quantidade de ar que é movida e a rapidez com que ela se move pode ser calculada e fornece informações sobre danos nos pulmões. Os resultados são comparados a uma pessoa “normal” da mesma idade, sexo e tamanho.

Enfisema pulmonar tem cura?

O enfisema pulmonar não tem cura, mas há tratamento para aliviar seus sintomas. O primeiro tratamento para pacientes com enfisema é a cessação do tabagismo. Enfisema pulmonar pode matar e esta é uma mudança de estilo de vida difícil para muitos pacientes, mas que é essencial para o tratamento.

Enfisema pulmonar tratamento

enfisema pulmonar

O tratamento para enfisema pulmonar pode assumir várias formas. Existem diferentes abordagens disponíveis. Geralmente, um médico irá prescrever esses tratamentos em uma abordagem gradual, dependendo da gravidade de sua condição.

Parar de fumar

Parar de fumar é a terapia mais eficaz para pessoas com enfisema pulmonar. Este objetivo geralmente pode ser alcançado com a cooperação entre o médico, paciente, membros da família e amigos. Parar de fumar normalmente requer educação do paciente sobre os riscos de fumar, métodos para ajudar o paciente a parar e suporte após largar o vício. Muitas pessoas vão recair, mas elas devem ser encorajadas a tentar mudar seu estilo de vida e tentar desistir de novo.

Largar o vício pode interromper a progressão da doença e deve melhorar a função dos pulmões até certo ponto. Naqueles suscetíveis ao desenvolvimento da DPOC, o tabagismo pode resultar em cinco vezes a deterioração da função pulmonar.

Medicamentos

Medicamentos broncodilatadores fazem com que as passagens aéreas se abram mais completamente e permitam uma melhor troca de ar, geralmente são os primeiros medicamentos que um médico irá prescrever para o enfisema pulmonar. Em casos muito leves, os broncodilatadores podem ser usados ​​apenas conforme necessário, para episódios de falta de ar.

Antibióticos são frequentemente prescritos para pessoas com enfisema que aumentaram a falta de ar. Mesmo quando a radiografia de tórax não mostra pneumonia ou evidência de infecção, as pessoas tratadas com antibióticos tendem a ter episódios mais curtos de falta de ar.

Oxigênio

Se você tem falta de ar e vai ao hospital, geralmente recebe oxigênio. Pode até ser necessário dar oxigênio colocando um tubo em sua traqueira e permitindo que uma máquina ajude sua respiração (também chamada de intubação traqueal). Em alguns casos, pode ser necessário que você receba oxigênio em casa também. Existem tanques de oxigênio usados em casa disponíveis e unidades portáteis que permitem que o aparelho seja móvel e se envolva em atividades normais do dia-a-dia.

Cirurgia de enfisema

As opções cirúrgicas estão disponíveis para algumas pessoas com enfisema pulmonar avançado.

Cirurgia de redução do volume do pulmão

Embora não faça sentido que a redução do tamanho do pulmão possa ajudar a falta de ar do enfisema pulmonar, é importante lembrar que o enfisema provoca uma expansão anormal da parede torácica, o que diminui a eficiência de respirar. Esta cirurgia só é efetiva se ambos os lobos superiores dos pulmões estiverem envolvidos. A remoção deste pulmão envolvido permite uma melhor expansão da parte inferior dos pulmões. Em um grupo seleto de pacientes com enfisema, isso pode melhorar a qualidade de vida por um período de anos. Estudos mais recentes estão sendo realizados usando válvulas unidirecionais colocadas nas vias aéreas para simular esta redução de volume. A eficácia deste procedimento menos invasivo está em estudo neste momento.

A reabilitação pulmonar é provavelmente a terapia mais eficaz para pacientes com enfisema pulmonar. Exercício físico graduado, técnicas de respiração adequadas, educação sobre a doença e terapias disponíveis habilitam o paciente, melhoram a qualidade de vida e diminui as internações hospitalares.

Transplante de pulmão

Para pessoas com a doença mais avançada, o transplante de um ou ambos os pulmões pode produzir uma cura próxima. O transplante traz consigo outro conjunto de riscos e benefícios. As pessoas que sofrem transplante, no entanto, terão que tomar medicamentos para evitar a rejeição do transplante pelo organismo. Além disso, nem todos se qualificam para o transplante, e aqueles que o fazem são limitados pelo escasso estoque de órgãos disponíveis.

O primeiro transplante de pulmão no Brasil, é ainda recente, a técnica foi utilizada em 1989. A complexidade da cirurgia é muito grande. No entanto, a técnica vem crescendo cada vez mais, assim como a sobrevida dos pacientes a longo prazo.

Remédio caseiro para enfisema pulmonar

1 – Remédio para enfisema pulmonar com óleos essenciais

 enfisema pulmonar tem cura

Inalação caseira feita à base de óleos de aroma terapia como o de eucalipto, hissopo, pinho ou alecrim. Você só precisa:

  • – Ferver água e adicionar algumas gotas dos óleos essenciais mencionados.

2 – Remédio para enfisema pulmonar com erva campeira

 enfisema pulmonar tem cura

Este remédio funciona como um expectorante e, além disso, ajuda a limpar o muco dos pulmões. Para fazê-lo você só precisa:

  • – Ferver um copo de água com duas colheres de sopa de erva campeira (helénio) por 5 minutos e tomar um copo ao dia.

3 – Remédio para enfisema pulmonar alimentos antioxidante

 enfisema pulmonar tem cura

Segundo estudos consumir alimentos antioxidantes (verduras e frutas de folhas escuras, grãos integrais, frutos secos, gérmen de trigo, entre outros), melhora a função pulmonar.

4 – Remédio para enfisema pulmonar com repolho fermentado

 enfisema pulmonar tem cura

Este remédio ajuda a aliviar o formigamento da garganta que a tosse que as pessoas com enfisema produzem.
Para preparar este remédio caseiro você precisa:

  • – Ferver 225 gramas da raiz de sorrel ou repolho fermentado;
  • – Coar e adicionar a esta infusão 1/2 colher de melaço;
  • – 1 colher de sopa de xarope de bordo puro;
  • – Algumas gotas de baunilha.

Misture todos os ingredientes até obter um xarope uniforme. Tome uma colher de chá quando sentir o desconforto e formigamento na garganta.

5 – Remédio para enfisema pulmonar com flores de lavanda

 enfisema pulmonar tem cura

  • – Ferva 15 g de flores malva, 25 g de flores de flores de lavanda e 15 g de flores de violeta em um litro de água durante 10 minutos;
  • – Deixe a infusão descansar durante 30 minutos em um recipiente tampado, coe e distribua o líquido em 8 partes;
  • – Tome em 4 dias, sendo 2 doses diárias, durante 16 a 20 dias.

6 – Remédio para enfisema pulmonar com tomilho

 enfisema pulmonar tem cura

Faça um banho de tomilho:

  • – Adicione 100 g de tomilho em 1/2 litro de água e deixe ferver
  • – Adicione a água do banho.

Este remédio tem uma ação antiespasmódica que se manifesta sobre tudo nos órgãos respiratórios. O tomilho é, por conseguinte um excelente remédio não só nos casos de enfisema pulmonar como também para a tosse convulsa e bronquite.

Mais informações

Se você tem enfisema pulmonar, o acompanhamento é crucial para gerenciar esta doença e você deve assumir um papel ativo no tratamento. Parar de fumar é o melhor primeiro passo. Visitas regulares ao seu médico e tomar medicamentos conforme prescrito também são muito importantes.

Este artigo te ajudou?
  • +7 curtiram
  • -5 não curtiram