Como tomar anticoncepcional, o que corta seu efeito e quais seus riscos

Como tomar anticoncepcional, o que corta seu efeito e quais seus riscos

O controle de natalidade é um meio para homens e mulheres prevenirem a gravidez. Dos métodos diferentes de controle de natalidade, a pílula anticoncepcional é um dos mais usados e também mais polêmicos.

As mulheres tomam a pílula por via oral para evitar a gravidez, quando tomadas corretamente, é efetiva em até 98%. No entanto, a pílula não protege contra doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o HIV (o vírus que causa a AIDS). O preservativo masculino oferece uma melhor proteção da maioria dos DSTs.

A pílula anticoncepcional contém versões artificiais dos hormônios femininos estrogênio e progesterona, que as mulheres produzem naturalmente em seus ovários.

Uma mulher pode engravidar se o esperma de um homem atingir um dos seus óvulos. O anticoncepcional tenta impedir que isso ocorra, mantendo os óvulos e o esperma separados ou parando a produção de óvulos.

Os hormônios na pílula impedem que seus ovários liberem um óvulo. Eles também dificultam que o esperma atinja um óvulo ou evitam que o mesmo se implante no revestimento do útero. A pílula é geralmente tomada para prevenir a gravidez, mas também pode ser usada para tratar períodos dolorosos e pesados, síndrome pré-menstrual e endometriose.

A pílula anticoncepcional não causa aborto, no entanto, não deve ser usada durante a gravidez, pois pode trazer riscos ao bebê.

Como tomar anticoncepcional?

Exitem dois tipos de pílulas anticoncepcionais e cada uma delas têm sua maneira correta de tomar, para que faça o efeito esperado.

Para a pílula anticoncepcional normal, é preciso tomar uma ao dia, respeitando sempre o mesmo horário. Ao fim da cartela, faça uma pausa de 4, 5 ou 7 dias, o que depende da pílula, para saber qual é esse tempo, leia a bula.

No caso do anticoncepcional de uso contínuo, você deve também tomar 1 pílula ao dia, sempre no mesmo horário e todos os dias, mas não se deve fazer uma pausa entre as cartelas.

Se você for tomar o anticoncepcional pela primeira vez, tome a primeira pílula no dia da menstruação. A pílula começa a agir logo no primeiro dia de uso, mas é indicado terminar uma cartela para depois ter relações sexuais desprotegidas com mais segurança.

É importante destacar também que o anticoncepcional pode falhar. Isso pode ocorrer caso a mulher esqueça de tomá-la, não respeite o horário, vomita ou tem diarreia até 2 horas após tomar a pílula. Para mais informações, procure seu médico e leia a bula do medicamento.

Anticoncepcional injetável

A injeção anticoncepcional é também outro método contraceptivo bastante seguro. Existem dois tipos de injeção anticoncepcional, a mensal e a trimestral, ambas devem ser aplicadas na região do glúteo.

Esse método possui o mesmo mecanismo de ação das pílulas, com a combinação de progesterona ou associação de estrogênios de longa duração.

A aplicação deve ser feita no primeiro dia do ciclo menstrual ou até no máximo o 8º dia. A próxima aplicação deve ser 30 dias após no caso da mensal e 90 dias para a trimestral. Seu uso deve ser feito somente com recomendação médica e sua aplicação feita por um profissional de saúde num hospital ou farmácia.

A injeção anticoncepcional tem algumas vantagens, como alívio da menstruação e melhora da anemia, redução dos sintomas associados à endometriose, dor pélvica crônica e redução do câncer de endométrio. Mas também pode causar efeitos colaterais, alguns deles são acne, dor de cabeça, alterações do humor, redução da densidade mineral óssea, vertigens e aumento de peso.

O método oferece uma eficácia bem alta, que equivalente até mesmo à eficácia da ligadura de trompas, com apenas 0,1% a 0,6% de falha para a injeção mensal e de 0,3%, para a injeção trimestral.

Nomes de anticoncepcional injetável

Existem cerca de 20 tipos de anticoncepcionais injetáveis no mercado, todos seguros. Os mais comuns são o Noregyna, Mesigyna, Previane, Perlutan, Depo-provera, entre outros.

Seu médico ginecologista é quem melhor deve informar qual anticoncepcional injetável você deve usar e se ele deve ser mensal ou trimestral.

Adesivo anticoncepcional

O adesivo anticoncepcional fornece hormônios ao seu corpo através da sua pele. Ele contém os mesmos hormônios que a pílula, e funciona da mesma maneira. Isto significa que evita a ovulação (a libertação de um ovo), engrossa o muco cervical, o que torna mais difícil o esperma percorrer o colo do útero e diminui o revestimento do útero, tornando menos provável que um óvulo fertilizado se implante.

Quando usado corretamente, o adesivo é mais de 99% efetivo na prevenção da gravidez. Cada adesivo dura uma semana e você deve alterá-lo todas as semanas por três semanas e depois ter uma semana de descanso.

Uma vantagem desse método é que você não precisa se lembrar dele todos os dias, e ainda é eficaz se você vomitar ou ter diarreia. Além disso, você pode usar o adesivo anticoncepcional no banho, na piscina e ao praticar esportes.

No entanto, pode aumentar a pressão arterial e algumas mulheres recebem efeitos colaterais temporários, como dores de cabeça. Mas pode proteger contra câncer de ovário, câncer de útero e câncer de cólon.

O adesivo contraceptivo pode não ser adequado para mulheres que fumam e com 35 ou mais, ou que pesam 90 kg ou mais. Logicamente, ele não protege contra infecções sexualmente transmissíveis (DSTs), então deve-se usar um preservativo também para a protegê-la.

O que corta o efeito do anticoncepcional?

Alguns medicamentos interagem com a pílula anticoncepcional e podem fazer com que ela não funcione corretamente. Algumas interações estão listadas nesta página, mas não é uma lista completa. Se você quiser verificar se os seus medicamentos alteram a eficácia da pílula você deve perguntar para seu médico ou ler a bula do mesmo.

Os antibióticos, tais como rifampicina e rifabutina (que podem ser utilizados para tratar doenças incluindo tuberculose e meningite) podem reduzir a eficácia da pílula anticoncepcional. Outros antibióticos não têm esse efeito. Se você deve usar esta medicação, procure outra forma de contracepção adicional (como preservativos) enquanto toma o antibiótico.

O anticoncepcional também pode interagir com medicamentos chamados indutores enzimáticos. Estes aceleram a degradação do progestagênio pelo fígado, reduzindo a eficácia da pílula.

Exemplos de indutores enzimáticos são:

  • – Medicamentos para epilepsia como oxcarbazepina, fenitoína, fenobarbital, primidona e topiramato
  • – Erva de São João
  • – Medicamentos anti-retrovirais utilizados para tratar o HIV

O seu médico pode aconselhá-la a usar uma forma alternativa ou adicional de contracepção enquanto toma qualquer destes medicamentos.

Anticoncepcional para lactantes

O anticoncepcional pode ser tomado durante a lactação. O mais indicado são os que possuem apenas a progesterona, como o Cerazette, Micronor, Minipil e Depo-provera (injetável), por exemplo.

A pílula com somente um hormônio é mais fraca que é a combinada, por isso é a mais indicada. Você deve usar este tipo de pílula até a criança passar a mamar apenas 1 ou 2 vezes por dia (por volta de 9 meses a 1 ano de idade). A partir daí, você pode usar a pílula com a combinação dos dois hormônios ou a que seu médico recomendar.

Você deve tomar a pílula após 15 dias do parto ou após. Para segurança, as relações sexuais só devem ser feitas depois de 15 dias do início da cartela.

Durante a lactação, o anticoncepcional pode causar pequena diminuição do leite materno, ausência de menstruação, pequenos sangramentos vários dias do mês ou retenção de líquidos.

Uma pequena quantidade da pílula passa para o leite materno, no entanto, ainda não se sabe os efeitos da pílula ao bebê.

Anticoncepcional nomes mais usados

Existem várias marcas de anticoncepcional disponíveis no mercado. Alguns exemplos das mais conhecidas são Diane 35, Yasmin, Cerazete, Ciclo 21, Microvlar, Tamisa, Selene, Yaz, Elani Ciclo, entre outros. Para saber qual você deve usar, busque ajuda de um ginecologista.

Qual é o melhor anticoncepcional?

O melhor anticoncepcional é aquele indicado por seu médico. Só ele, após uma avaliação, poderá indicar qual o melhor método usar. Existem vários tipos, formulações, quantidades de hormônios e dosagens que somente seu ginecologista saberá qual o melhor para você. Nunca tome medicação sem orientação médica.

Riscos de tomar anticoncepcional

Existem alguns riscos associados ao uso do anticoncepcional. No entanto, esses riscos são pequenos e, para a maioria das mulheres, os benefícios da pílula superam os riscos.

Pesquisas sugerem que usuárias de todos os tipos de contracepção hormonal têm uma chance um pouco maior de serem diagnosticados com câncer de mama em comparação com as mulheres que não as usam. No entanto, 10 anos depois de parar de tomar a pílula anticoncepcional, o risco de câncer de mama volta ao normal.

Outros estudos também sugeriu um vínculo entre o anticoncepcional e o risco de desenvolver câncer cervical e uma forma rara de câncer de fígado.

Além disso, sabe-se também que o anticoncepcional pode causar trombose. Como isso pode ocorrer você descobre a seguir.

Anticoncepcional que causa trombose?

O estrogênio na pílula pode fazer com que seu sangue coagule mais prontamente. Se um coágulo sanguíneo se desenvolver, pode causar trombose venosa profunda (coágulo na perna), embolo pulmonar (coágulo no pulmão), acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco. O risco de obter um coágulo de sangue é muito pequeno, mas seu médico verificará se você tem certos fatores de risco que a tornam mais vulnerável antes de prescrever a pílula. Esses incluem:

  • Ter 35 anos ou mais
  • Ser fumante ou deixar de fumar há pouco tempo
  • Ter excesso de peso
  • Ter enxaquecas (você não deve tomar a pílula se tiver graves ou enxaquecas regulares)
  • Ter pressão arterial elevada
  • Ter tido um coágulo de sangue ou derrame no passado
  • Ter um parente próximo que tinha um coágulo de sangue quando tinham menos de 45 anos
  • Permanecer imobilizado por um longo período de tempo, por exemplo, pessoas que usam cadeira de rodas

Anticoncepcional engorda?

Uma das maiores dúvidas em relação ao uso do anticoncepcional é se ele engorda. Infelizmente, o ganho de peso e um inchaço podem ocorrer com certos tipos de pílulas anticoncepcionais e é mais comum nas pílulas de uso contínuo e nos implantes subcutâneos.

Vantagens e desvantagens da pílula anticoncepcional

Algumas vantagens da pílula incluem:

  • – Não interrompe o sexo
  • – Geralmente deixa seus períodos regulares, mais leves e menos dolorosos
  • – Reduz o risco de câncer de ovários, útero e cólon
  • – Pode reduzir os sintomas de TPM
  • – Às vezes pode reduzir a acne
  • – Pode proteger contra a doença inflamatória pélvica
  • – Pode reduzir o risco de fibroides, cistos de ovário e doença de mama não cancerígena

Algumas desvantagens da pílula incluem:

  • – Pode causar efeitos colaterais temporários no início, tais como dores de cabeça, náuseas, sensibilidade dos seios e mudanças de humor
  • – Pode aumentar sua pressão sanguínea
  • – Não protege você contra infecções sexualmente transmissíveis
  • – Tem sido associado a um risco aumentado de algumas condições de saúde graves, tais como trombose (coágulos sanguíneos) e câncer de mama

Mais informações

Existem muitas opções de controle de natalidade estão disponíveis hoje, sendo que a pílula anticoncepcional é uma das mais usadas. A melhor escolha de controle de natalidade para você depende de muitos fatores e, somente seu médico pode lhe dizer qual o melhor para você.

Este artigo te ajudou?
  • +2 curtiram
  • 0 não curtiram