Como identificar os primeiros sintomas do HIV

Como identificar os primeiros sintomas do HIV

O Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), afeta o sistema imunológico, enfraquecendo-o progressivamente. Com essa definição, podemos compreender a vulnerabilidade das pessoas com essa condição, porque o seu debilitado sistema imunológico fica exposto a todos os tipos de infecções que podem agravar seu estado.

É necessário distinguir o HIV da AIDS, uma vez que ao determinar os sintomas da infecção é importante saber em que fase o paciente se encontra. A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), é um dos sintomas que sofre o sistema imunológico como consequência da infecção por HIV.

O que acontece depois que uma pessoa contrai o HIV?

Durante os primeiros dias de contágio do HIV, o vírus, altamente ativo, infecta populações de células existentes e causa danos significativos, não só porque ele reduz o número de linfócitos (células de defesa do organismo, também conhecidos como glóbulos brancos), mas também porque reduz a sua variedade, isto é, destrói os linfócitos especializados em diferentes tipos de tarefas que não podem ser recuperados novamente. Isto enfraquece muito o sistema imunológico.

Após alguns dias ou semanas de infecção pelo HIV, a quantidade de vírus no sangue atinge níveis muito elevados. Algumas pessoas experimentam sintomas parecidos com os da gripe ou da mononucleose, como febre, sudorese, gânglios inchados, dor de cabeça, dor nas articulações, cansaço, perda de apetite, vômitos, diarreia… Este primeiro período de infecção é chamado de Síndrome de infecção aguda.

A infecção aguda geralmente ocorre 2 a 4 semanas após a infecção, geralmente dura de duas a três semanas. É bem possível que tanto a pessoa como um médico confunda os sintomas com um surto de gripe ou mononucleose.

A carga viral no sangue, nessas semanas, torna-se muito elevadas, às vezes mais de 1 milhão de vírus por milímetro cúbico sangue. É também comum que o nível de células T CD4 caia abaixo dos níveis normais, variando de 1,200 a 700 milímetros cúbicos. Após algumas semanas, a resposta imunitária e parte dos sintomas da infecção aguda e o número de células T CD4 é recuperado, embora nunca atinja o seu nível original. A carga viral também tende a diminuir, atingindo, uma variável de valor mais ou menos estável em cada pessoa. Normalmente, abaixo de 50.000 ou 70.000 vírus por milímetros cúbicos.

Quando a resposta do sistema imunológico permite a produção de vírus chegar a este ponto, geralmente entre dois e seis meses após o pico da infecção, os anticorpos começam a reconhecer e eliminar qualquer coisa o que seja estranho para ele (vírus, bactérias…). A presença de anticorpos significa que o sistema imunológico foi capaz de controlar a infecção. Mas isto também significa que o HIV tenha estabelecido com êxito no corpo.

Quando uma pessoa é detectada com anticorpos de HIV no sangue, é dito que é HIV positivo. Esse período de entre duas e seis meses entre o momento da infecção e o aparecimento de anticorpos é conhecido como “período de janela”. Isto significa que uma pessoa pode ser infectada e ainda, um ensaio para detectar anticorpos podem dar um resultado negativo. No entanto, há outros testes que podem verificar a infecção dentro deste período de janela.

Ser HIV positivo não significa ter Aids mas sim a infecção por HIV. Se o sistema imunológico mantém níveis suficientes de atividade para manter-se longe das doenças e sintomas característicos da Aids, uma pessoa com HIV positiva pode não sofrer de sintomas ou doenças, podendo levar uma vida mais saudável.

Sintomas do HIV

Quando uma pessoa é infectada com o HIV, ela pode não estar ciente disso, porque os sintomas não têm uma clara demonstração depois de contrair o vírus. O que deve ser ressaltado é que, com ou sem sintomas de infecção, o risco de contágio é grande. Portanto, para saber se você tem HIV, é preciso realizar testes específicos que detectam os anticorpos do HIV e o próprio HIV.

Os sintomas começam a se tornar visíveis uma vez que há uma deterioração do sistema imunológico, traduzido para outras infecções “oportunistas” que se aproveitam da vulnerabilidade do organismo.

Vamos descrever as várias fases pelas quais passa o vírus, de acordo com os sintomas apresentados pelos pacientes:

– Infecção primária: nesta fase pode haver nenhum sintoma, ou apresentar a Síndrome Retroviral Aguda, que causa febre, exantema, dor nas articulações, tosse seca, entre outros sintomas.

– Fase 1: assintomática ou há inflamação dos gânglios linfáticos, começando danificar o sistema imunitário.

– Fase 2: febre, sudorese, perda de peso, manifestações cutâneas leves (como dermatite), dores de cabeça e infecções respiratórias.

– Fase 3: diarreia crônica inexplicável, febre grave, infecções bacterianas, tuberculose pulmonar, etc. Nesta fase, algumas pessoas apresentam a Aids.

– Fase 4: pode ocorrer até 22 infecções oportunistas ou cânceres relacionados com o HIV. Neste momento, todas as pessoas infectadas tem Aids.

Cabe esclarecer que o tempo que normalmente leva uma pessoa a desenvolver AIDS depois de ser infectado com HIV, é entre 10 e 15 anos, mas é nos primeiros 5 a 10 anos, ocorre o risco de doenças relacionadas com o HIV, se não tratado. Quanto mais tempo manteve-se o vírus no organismo sem ter recebido o tratamento, pode haver um maior número e gravidade dos sintomas.

É recomendado para todos os casos, que comecem o tratamento o quanto antes para retardar a progressão da doença e dos primeiros sintomas do HIV e da Aids.

HIV e gravidez

Se você é uma mulher grávida com o HIV, deve preocupar-se com transmissão da infecção ao seu filho no nascimento, o que é chamado transmissão vertical de HIV, em linguagem médica. Também deve se preocupar com os efeitos das drogas antirretrovirais sobre o feto.

Após a transmissão sexual, transmissão vertical é uma das formas mais comuns de transmissão do HIV para outra pessoa. Pode ocorrer antes do nascimento do bebê, no parto ou a amamentação. O risco de transmissão da infecção para o seu filho pode aumentar se a sua contagem de CD4 for baixa ou você tem uma alta carga viral.

Os medicamentos antirretrovirais podem reduzir o risco de transmissão do HIV da mãe grávida para o feto. No entanto, alguns medicamentos antirretrovirais podem ter um efeito nocivo sobre a gravidez durante o primeiro trimestre. Você deve discutir os riscos e benefícios deste tratamento com o seu médico, especialmente se você está nos primeiros 3 meses de gravidez.

Você precisa de um médico que possa avaliar corretamente a sua condição, incluindo a carga viral e contagem de CD4. Ele pode recomendar o melhor tratamento possível. Se a sua carga viral é detectável, o médico pode recomendar testes de resistência para ajudar a escolher o medicamento mais adequado para prevenir a transmissão do vírus para o seu bebê.

Hoje, graças ao tratamento antirretroviral, uma mãe com HIV tratada adequadamente pode ter uma gravidez saudável e um parto tranquilo, sem que seu bebê nasça com o vírus HIV. A amamentação não é recomendada para alimentar o bebê.

Contágio

A maioria das infecções por HIV no mundo ocorrem através de relações sexuais, no entanto, o vírus é propagado (transmitido) a partir de uma pessoa para outra de várias maneiras, tais como:

– Através do contato sexual: incluindo sexo oral, vaginal e anal, sem camisinha.
– Através do sangue: frequentemente pelo compartilhamento de agulhas.
– De mãe para filho: uma mulher grávida pode transmitir o vírus para o feto através da sua circulação sanguínea compartilhada, ou uma mãe que amamenta pode transmiti-lo para seu bebê através do leite materno.
– Através de feridas abertas ou cortes na pele.

O vírus não é transmitido por:

– Contato casual, como abraço.
– Mosquitos.
– Talheres ou copos.
– A participação em esportes.
– Usar banheiras de hidromassagem.
– Sanitários públicos.
– Tocando coisas já tocadas por uma pessoa infectada com o vírus.

Entre aqueles com maior risco de contrair o HIV são:

– Os viciados em drogas que injetam drogas e compartilham agulhas.
– Os bebês nascidos de mães com HIV que não receberam tratamento para o vírus durante a gravidez.
– As pessoas envolvidas em relações sexuais desprotegidas.
– Qualquer pessoa que tenha relações sexuais desprotegidas com um (a) garoto (a) de programa.
– Os parceiros sexuais de pessoas que participam em atividades de alto risco (tais como uso de drogas injetáveis ​​ou sexo anal).

Prevenção do HIV

Devido à forma como o HIV é transmitido, existem várias maneiras de prevenir a infecção pelo HIV, tais como:

– Usar um preservativo (masculino ou feminino) em relações sexuais, tanto vaginais, anais e orais.
– Utilizar materiais estéreis e evitar o compartilhamento de seringas e agulhas no uso de drogas injetáveis.
– Usar instrumentos de perfuração da pele para uso individual ou esterilizado (material de manicure, piercings, material de tatuagem…).
– Não compartilhar lâminas de barbear ou escovas de dentes.

Cura do HIV

Medicamentos para drogas anti-HIV ou antirretrovirais, que são utilizadas para o tratamento do vírus HIV não são capazes de curar a doença, mas podem evitar que o vírus se reproduza ou faça cópias de si próprio. A medicação para o HIV tem alguns objetivos principais:

– Aumentar a esperança de vida e a qualidade de vida.
– Prevenir a progressão da doença.
– Reduzir a carga viral tanto quanto possível.
– Limitando o desenvolvimento de resistência (quando o vírus já não responde) para as drogas antirretrovirais.
– Fortalecer o sistema imunológico.
– Manter as contagens de células CD4 dentro do intervalo normal.
– Evitar outras infecções possíveis.
– Minimizar a transmissão do HIV para outras pessoas, no entanto, você deve ter cuidado com isso, pois uma carga viral indetectável no plasma não significa necessariamente que o vírus não é encontrado em outros fluidos corporais.

O desenvolvimento acelerado de fármacos capazes de inibir a replicação do vírus da imunodeficiência humana (HIV) e sua subsequente utilização em doentes infectados, tem conseguido alterar o curso natural da infecção. Assim, uma doença rapidamente fatal tornou-se uma condição crônica.

A Terapia Antirretroviral (TARV) é baseada em várias combinações de medicamentos antirretrovirais. Um medicamento antirretroviral basicamente evitar o processo de replicação do HIV e deixa-o fica mais lento.

Com isto é possível reduzir drasticamente o nível de atividade do vírus e, por conseguinte, a quantidade de vírus no sangue e no interior de partículas de células. Além disso, permite que os sistema imune se recupere, com a um aumento das células CD4 para garantir uma proteção adequada e evitar ou retardar, tanto quanto possível o aparecimento da Aids.

Drogas antirretrovirais também reduzir a quantidade de vírus presentes em outros fluidos corporais, em especial aqueles que estão envolvidos na transmissão do vírus de pessoa para pessoa, tal como um do próprio sangue, sêmen, leite e corrimento vaginal da mãe. Isto é muito importante para reduzir o risco de transmissão.

No entanto, as drogas antirretrovirais atuais não podem eliminar o vírus completamente do corpo. Isso ocorre porque não agem com força suficiente para determinadas áreas, tais como o sistema nervoso, testículos, linfa intestinal e outros partes do corpo onde o HIV é menos exposto aos seus efeitos, por isso o HIV sempre mantém o potencial para retornar e se replicar rapidamente.

Por conseguinte, uma vez iniciada a terapia antirretroviral, deve ser tomada para a vida toda corretamente, respeitando as doses e horários para prevenir o HIV de se proliferar.

A atividade antirretroviral produz alguns efeitos indesejáveis no paciente. Eles podem aparecer no curto ou médio prazo, o que é chamado de efeitos colaterais. No entanto, a grande maioria das pessoas em tratamento antirretroviral pode levar uma vida normal.

Tomar corretamente o antirretroviral é a melhor maneira de garantir que será mais eficaz contra o HIV por tanto tempo quanto possível, e pode também ajudar a minimizar o risco de complicações à saúde.

Mais informações

Esteja ciente de que sua saúde geral, além do HIV, pode ajudar a controlar a infecção e melhorar seu bem estar. Além dos cuidados e tratamentos médicos, há muitas coisas que você pode fazer para se manter mais saudável e ter uma melhor qualidade de vida, como dormir bem, ter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos, evitar o álcool, cigarro e outras drogas.

  • 'primeiro sintoma hiv'
Este artigo te ajudou?
  • +9 curtiram
  • 0 não curtiram