Causas, sintomas e tratamentos para descolamento de retina

Rudney Doenças 02-02-16 descolamento da retina, descolamento de retina, descolamento de retina tem cura comentários

A retina é uma fina camada que reveste o interior do globo ocular, onde se incidem as imagens para, a partir daí serem transformadas em impulsos nervosos que viajam para o cérebro através do nervo óptico. Ela está firmemente ligada ao tecido que a suporta, chamado epitélio pigmentar da retina. Quando esse tecido se desprende, produz o que é chamado de descolamento de retina. Nessa situação, esta pode quebrar permitindo que o líquido na cavidade vítrea vá para trás da retina.

O descolamento de retina é um problema grave nos olhos, o que pode conduzir à cegueira, já que, ao separar-se do tecido que a suporta, a retina não pode funcionar e se a situação permanece esses danos podem ser irreversíveis. Esse problema, embora possa ocorrer em qualquer idade, ocorre mais frequentemente em pessoas que são de meia-idade ou acima dos 65 anos.

Sintomas de descolamento de retina

O descolamento da retina deve ser tratado tão rapidamente quanto possível, a fim de minimizar os danos na mesma, e evitar a perda de visão. No entanto, o problema é que os sintomas iniciais em muitos casos não costumam causar preocupação, uma vez que não são acompanhados por dor e problemas de visão.

Os sintomas mais proeminentes, em proporção inversa à sua importância, são:

– Moscas volantes: são algumas manchas escuras que se movem quando você move o olho. Elas mostram que houve uma alteração do vítreo.
– Luzes piscando: geralmente ocorrem quando já houve um descolamento de retina. Você deve ir imediatamente ao oftalmologista.
– Cortina negra: uma área do campo visual é obscurecida por uma cortina. A ruptura da retina é mais ampla.
– Distorção de imagens: pode ter sido danificada a mácula, a parte central da retina.
– Perda da acuidade visual: perda súbita da visão.

Causas de descolamento de retina

As causas de descolamento de retina podem ser múltiplas. Em pessoas saudáveis, por exemplo, pode ser devido a uma lesão ocular causada por uma pancada seca.

O envelhecimento é outra causa possível, porque pode causar um afinamento da retina, com sua deterioração subsequente. No entanto, na maioria das vezes em pessoas mais idosas é devido à deterioração do corpo vítreo, que está ligado em vários pontos na parte de trás da retina. Esta deterioração causa encolhimento, de modo que tira da retina os pontos de ligação, podendo causar uma pequena ruptura.

Outra possível causa são rasgos ou furos na retina, que ocorre quando a retina fura ou rasga, fazendo com que o gel vítreo entre por detrás da retina. O acúmulo de líquido sob a retina, que pode ser causado por uma inflamação ou doença na retina, pode fazer com que o vítreo se acumule abaixo da retina (coroide), nos vasos sanguíneos ou em tecidos do olho. O acúmulo de líquidos faz com que as camadas da retina se separarem, provocando o descolamento da retina.

No entanto, também pode ser uma causa secundária a outras doenças oculares associadas com processos de inflamação ou hemorrágicos. Também pode resultar de retinopatia diabética, que é uma das possíveis complicações da diabetes mal controlada. Nestes casos, geralmente não ocorre inicialmente a quebrar da retina, mas apenas a sua libertação progressiva do tecido subjacente, fazendo com que, neste caso, o descolamento da retina seja crônico.

Fatores de risco

Outros fatores podem levar a um maior risco de desenvolver o descolamento de retina, tais como:

– Idade avançada (é mais comum a partir dos 40 anos)
– Histórico familiar do problema
– Miopia extrema
– Já ter sofrido um descolamento de retina
– Cirurgia nos olhos como a de catarata
– Lesões e traumas oculares graves
– Doenças oculares
– Portadores de diabetes

Tratamento

Se não for devidamente tratada em seus estágios iniciais, o descolamento de retina pode causar danos irreparáveis. Em casos graves, que apresentam ruptura da mesma e perda de acuidade visual, eventualmente, pode causar a perda de visão.

O tratamento é sempre cirúrgico, embora a técnica em cada momento depende do grau de deslocamento da retina. No entanto, casos mais leves, aqueles em que não produziu quaisquer sintomas, pode não precisar de qualquer tratamento.

As diferentes técnicas cirúrgicas utilizadas são:

Fotocoagulação a laser: um laser é usado para cauterizar através de queimadas controladas em torno da área afetada do descolamento da retina e, assim, evitar infiltração do vítreo entre a retina e o tecido subjacente. Isto é feito através da pupila.

A crioterapia (congelamento) é semelhante a fotocoagulação, mas neste caso a cauterização do descolamento da retina é executada pela aplicação de frio. Também é feito através da pupila.

Retinopexia pneumática: Esta técnica requer a conclusão prévia de uma fotocoagulação ou crioterapia. No entanto, além disso, uma bolha de gás é introduzida na cavidade vítrea a fim de que a pressão gerada na retina contribua para impedir a passagem de líquido. O gás desaparece após alguns dias.

Vitrectomia: neste caso extraí todo o vítreo da cavidade interior do olho para estancar a ruptura. A utilização de líquidos, gases ou ar é feita para recolocar a retina no lugar. O laser deve ser aplicado a partir do interior do olho. Tempos depois, o líquido, gás ou ar aplicado é absorvido e o espaço vítreo é preenchido com fluido corporal.

Cirurgia escleral: esta intervenção melhora a vedação da ruptura pela aplicação de pressão externa sobre o globo ocular, a qual é realizada por colocação de uma banda de silicone em torno da esclerótica, que é o tecido mais externo do olho.

Como é pós-operatório?

Normalmente, é necessário um período de descanso em uma posição que é muitas vezes desconfortável, porque você tem que estar virado para baixo, até mesmo para comer e beber. A duração deste descanso depende da técnica cirúrgica utilizada. Para fotocoagulação e crioterapia é de 7-10 dias, ao passo que em outros tipos de cirurgia de descolamento de retina podem chegar a três semanas.

É possível ocorrer um novo descolamento de retina?

Não na zona em que tenha sido produzida antes, desde que o efeito da cirurgia de retina seja permanente. Mas pode ocorrer em outras áreas enfraquecidas da retina.

Prevenção

Para prevenir esse problema é importante que pessoas que se encontram dentre os fatores de risco visitem um oftalmologista periodicamente, ao menos uma vez ao ano. Ainda que não possa ser prevenida com eficiência, alguns cuidados devem ser tomados para reduzir o risco de lesões oculares e um possível descolamento de retina.

– Usar óculos de segurança quando estiver fazendo qualquer atividade onde objetos possam atingir o olho.
– Usar óculos de proteção específicos na prática de esportes em que podem ocorrem golpes no olho.
– Manter a diabetes sob controle.

Mais informações

O descolamento de retina pode progredir rapidamente, por isso, é necessário procurar ajuda médica ao primeiro sinal. Se o problema não for tratado adequadamente há uma grande chance de se desenvolver no outro olho. Mesmo após a cirurgia, algumas pessoas podem não se recuperarem completamente, dependendo da gravidade do descolamento.

Este Post te ajudou?
  
  • pancada na cabeca de gato descolamento de retina
Deixe sua opinião:
Posts Relacionados: