Carbamazepina contra ataques de epilepsia e distúrbio bipolar

Carbamazepina contra ataques de epilepsia e distúrbio bipolar

A epilepsia é é um distúrbio caracterizado por duas ou mais crises com convulsões (ataques epiléticos). Isso acontece quando as mensagens transmitidas pelo cérebro para os músculos não ocorrem da forma apropriada pelo sistema nervoso do organismo. E é onde a Carbamazepina entra.

Carbamazepina para que serve?

Com a utilidade de auxiliar o controle destas mensagens, a carbamazepina regula essas funções do sistema nervoso e também controla e ajuda tratar algumas doenças neurológicas como a neuralgia do trigêmeo, e também determinadas condições psiquiátricas (como episódios de distúrbio do humor bipolar e um tipo de depressão específico.

Carbamazepina bula

COMPRIMIDOS de 200 mg: embalagens com 20, 30, 60 ou 200 comprimidos.
COMPRIMIDOS de 400 mg: embalagens com 20 ou 30 comprimidos.

Cada comprimido de 200 mg contém:

  • – Carbamazepina ………………………………………………………………………… 200 mg
  • – Excipiente q.s.p. ……………………………………………………………………. 1 comprimido
  • – (amido, amidoglicolato de sódio, celulose microcristalina, dióxido de silício, estearato de magnésio, povidona).

Cada comprimido de 400 mg contém:

  • – Carbamazepina ………………………………………………………………………. 400 mg
  • – Excipiente q.s.p. ………………………………………………………………….. 1 comprimido
  • – (amido, amidoglicolato de sódio, celulose microcristalina, dióxido de silício, estearato de magnésio, povidona).

SUSPENSÃO ORAL a 2%: embalagem contendo frasco de 100 ml, acompanhado de dosador.

Cada ml da suspensão oral contém:

  • – Carbamazepina ………………………………………………………………………. 20 mg
  • – Veículo q.s.p. …………………………………………………………………….. 1 ml
  • – (ácido sórbico, aroma de caramelo, hietelose, metilparabeno, celulose microcristalina e carmelose sódica, polissorbato 60, propilparabeno, propilenoglicol, sacarina sódica desidratada, simeticona, sorbitol, água deionizada).

Contraindicações e riscos da Carbamazepina

Não fazer uso de Carbamazepina caso:

  • – Tiver alergia (hipersensibilidade) à carbamazepina ou a outro componente da formulação contido na bula.
  • – Se possuir alguma doença de alto risco do coração.
  • – Se possui/teve alguma doença de sangue.
  • – Se possui distúrbio na produção de porfirina, um pigmento importante para a formação do sangue e funcionamento do fígado (também conhecida como porfiria hepática).
  • – Se estiver fazendo uso de fármacos pertencentes ao grupo especial de antidepressivos chamados inibidores da monoamina oxidase (IMAOs).

Se você se enquadrar com um ou mais desses casos, avise seu médico antes de começar a tomar carbamazepina. Se está em dúvida se é ou não alérgico ou não, certifique-se com seu médico.

Como devo usar a carbamazepina?

Nunca exceda a recomendação de seu médico, pois ela ajudará você a obter os melhores resultados no tratamento e reduzir a chance dos efeitos secundários. Não tome doses por sua conta, nem com maior frequência nem por maior tempo que o recomendado.

Se estiver fazendo uso desse medicamento não pare de tomá-lo repentinamente sem antes falar com seu médico. Ele quem irá dizer se você deve ou não parar de fazer o uso da carbamazepina.

Quanto tomar?

Geralmente o tratamento da epilepsia começa com 100 ou 200 mg, 1 ou 2 vezes por dia no caso dos adultos. Então a dose vai sendo aumentada gradualmente para 800 ou 1.200 mg por dia (em alguns casos 1.600 mg ou até 2.000 mg pode ser necessária com alguns pacientes) dividia em 2 ou 3 doses.

No caso das crianças é geralmente iniciado com 100 ou 200 mg por dia (isso baseado em 10 a 20 mg/kg de peso corpóreo por dia) e mantido entre 400 e 600 mg por dia. Adolescentes podem receber entre 600 e 1.000 mg ao dia.

Nos casos de neuralgia trigeminal a dose inicial é de 200 a 400 mg por dia e é aumentada gradualmente até que as dores cessem (geralmente 200 mg de 3 a 4 vezes por dia), sendo a dose máxima de 1.200 mg por dia.

No caso de pessoas idosas, uma dose inicial menos potente é a recomendada (100 mg 2 vezes por dia).

Para mania aguda e manutenção do tratamento dos distúrbios afetivos bipolares, a dose em geral é de 400 a 600 mg por dia (faixa de dosagem: cerca de 400 a 1.600 mg por dia).

Como tomar?

A carbamazepina é sempre administrada em doses diárias dividias (exceto no primeiro dia possivelmente), de 2 a 4 vezes por dia dependendo da sua condição médica.

Em alguns casos a sua dose prescrita pelo médico pode ser diferente da dose recomendada na bula. Caso isso aconteça, siga as instruções do seu médico.

Faça o uso do fármaco durante ou após suas refeições. Tome o comprimido com um pouco de água. Se For o caso você pode quebra-lo na linha marcado do comprimido e engolir sem mastiga-lo.

Efeitos secundários da carbamazepina

Caso um desses efeitos secundários aparecer, informe seu médico imediatamente. Esses efeitos podem ser sinais precoces de que pode ocorrer reações graves ao seu sangue, fígado, rins e outros órgãos e pode ser necessário tratamento médico com urgência.

  • • Se tiver febre, garganta inflamada, erupção cutânea, úlcera na boca, glândulas inchadas ou maior fragilidade às infecções (sinais de baixa imunidade, ou seja, falta de células brancas no sangue).
  • • Se sentir cansaço, dor de cabeça, respiração curta ao se exercitar, tontura; aparência pálida, infecções frequentes com febre, resfriado, garganta inflamada ou úlcera na boca; se tiver sangramentos ou lesões mais facilmente do que o normal e sangramento nasal (falta de todas as células sanguíneas).
  • • Se surgirem manchas vermelhas na sua pele, principalmente na face, que podem vir acompanhadas de fadiga, febre, náusea, perda de apetite (sinais de lúpus eritematoso sistêmico).
  • • Se sua pele ou olhos ficarem amarelados (sinais de hepatite).
  • • Se sua urina estiver escurecida (sinais de porfiria ou hepatite).
  • • Se tiver diminuição grave da frequência de micção causada por distúrbio no rim, ou sangue na urina.
  • • Se sentir dor grave no abdômen superior, náusea, perda de apetite (sinais de pancreatite).
  • • Setiver erupção cutânea, vermelhidão da pele, bolhas nos lábios, olhos ou boca, descamação da pele, acompanhada de febre, resfriado, dor de cabeça, tosse, dor no corpo (sinais de reações sérias da pele).
  • • Se tiver inchaços na face, olhos ou língua, dificuldade de engolir, chiado, urticárias e coceiras generalizadas, erupção cutânea, febre, cólicas abdominais, desconforto ou aperto no peito, dificuldade de respirar, inconsciência (sinais de angioedema e reações alérgicas graves).
  • • Se tiver letargia, confusão, contração muscular ou agravamento das convulsões (sintomas que podem estar ligados a baixos níveis de sódio no sangue).
  • • Se tiver febre, náusea, vômito, dor de cabeça, torcicolo no pescoço e extrema sensibilidade à luz (sinais de meningite).
  • • Se tiver rigidez muscular, febre alta, consciência alterada, pressão sanguínea alta, salivação excessiva (sinais de síndrome neuroléptica maligna).
  • • Se você tiver batimentos cardíacos irregulares, dor no peito.
  • • Se você perder os sentidos momentaneamente ou desmaiar.
  • • Se você tiver diarreia, dor abdominal e febre (sinais de uma inflamação do cólon). A frequência deste efeito adverso não é conhecida.

Mais informações

É de suma importância que seu médico acompanhe o seu progresso com consultas frequentes. Ele pode fazer testes periódicos de sangue, especialmente no início do tratamento.
Se tiver de passar por qualquer tipo de cirurgia, até mesmo tratamento dentário ou de emergência, avise o médico ou dentista que você está fazendo uso da carbamazepina.
Depois de aberto, manter o medicamento fechado em lugar seguro, longe de crianças e animais.

Este artigo te ajudou?
  • +1 curtiram
  • -1 não curtiram