AVC: Sintomas, causas, tratamentos e recuperação

AVC: Sintomas, causas, tratamentos e recuperação

Os acidentes vasculares cerebrais ou AVC, atinge cerca de 16 milhões de pessoas ao redor do mundo a cada ano. Pode acontecer com qualquer pessoa a qualquer momento. Um acidente vascular cerebral é uma emergência médica, e o tratamento deve ser procurado o mais rápido possível.

Entre as taxas de mortalidade, somente doenças cardíacas, câncer, doenças crônicas das vias respiratórias inferiores e acidentes são mais mortais que o AVC. Hoje vamos saber o que é um AVC, quais seus sintomas e tratamentos.

O que é AVC?

AVC

Um acidente vascular cerebral, também conhecido como AVC ou derrame, ocorre quando parte do cérebro perde seu suprimento de sangue. Com isso, a parte do corpo onde as células cerebrais foram privadas de sangue não conseguem funcionar e morrem. Essa perda de suprimento de sangue pode ser isquêmica devido à falta de fluxo sanguíneo ou hemorrágico devido ao sangramento no tecido cerebral.

Um acidente vascular cerebral é uma emergência médica porque pode levar à morte ou incapacidade permanente. Há maneiras para tratar um AVC e prevenir sequelas maiores, mas esse tratamento precisa ser iniciado nas primeiras horas após os sinais de um AVC começarem. O paciente, a família ou os as pessoas perto de uma pessoa com sinais de um AVC devem chamar a emergência a qualquer suspeita.

Um ataque isquêmico transitório (AIT ou mini-acidente vascular cerebral) também pode ocorrer. Isso é como se fosse um acidente vascular cerebral isquêmico de curta duração. Esta situação também requer uma avaliação de emergência para tentar minimizar o risco de um acidente vascular cerebral futuro. Por definição, um acidente vascular cerebral seria classificado como um AVC transitório se todos os sintomas forem resolvidos no prazo de 24 horas.

Entendendo um AVC?

Para entender um AVC, primeiro precisamos saber como funciona o sistema arterial do cérebro e, posteriormente, como o AVC afeta o corpo. Existem quatro artérias principais que fornecem sangue ao cérebro. A artéria carótida direita e esquerda está localizada na parte frontal do pescoço e seu pulso pode ser sentido com os dedos. As artérias vertebrais direita e esquerda correm através das vértebras no pescoço. À medida que as duas entram no cérebro, elas se juntam para formar a artéria basilar.

As artérias carótidas e as artérias vertebrobasilares se juntam para formar o Círculo de Willis (Círculo arterial cerebral) na base do cérebro. A partir deste círculo, as artérias se ramificam para fornecer sangue ao cérebro.

O lado esquerdo do cérebro controla o lado direito do corpo e vice-versa. As artérias cerebrais fornecem suprimento de sangue para os lobos frontal, parietal e temporal. Essas partes do cérebro controlam o movimento voluntário do corpo, sensação, fala e pensamento, personalidade e comportamento.

As artérias vertebrais e basilares fornecem sangue ao lobo occipital onde a visão está localizada, o cerebelo que controla a coordenação e equilíbrio e o tronco encefálico responsável pelas funções cerebrais inconscientes que incluem pressão sanguínea e respiração.

Como o AVC afeta o corpo?

Os acidentes vasculares cerebrais podem afetar a função motora ou a capacidade do corpo se mover. Parte do corpo pode ser afetada, como o rosto, uma mão ou um braço. Em casos mais graves, um lado inteiro do corpo é afetado, como parte do rosto, braço esquerdo e perna esquerda. A fraqueza de um lado do corpo é chamada hemiparesia (hemi = metade + paresia = fraca) e a paralisia é chamada de hemiplegia (hemi = metade + plegia = paralisia).

Da mesma forma, a função sensorial (capacidade de sentir), pode afetar o rosto, mão, braço, tronco ou uma combinação destes.

Outros sintomas como fala, visão, equilíbrio e coordenação ajudam a localizar a parte do cérebro que parou de funcionar. Este é um conceito importante, uma vez que nem toda a perda de função neurológica é devida ao acidente vascular cerebral. Assim, podem ser considerados outros diagnósticos que podem afetar tanto o cérebro quanto o corpo.

Em alguns casos, no entanto, o acidente vascular cerebral é silencioso, e nenhuma função corporal óbvia é perdida. Mesmo assim, o acidente vascular cerebral pode ser visto incidentalmente em um exame da cabeça feito por outros motivos.

Tipos de AVC

AVC

Os acidentes vasculares cerebrais são geralmente classificados pelo mecanismo que causou a perda do suprimento de sangue. Ele pode ser isquêmico ou hemorrágico. Um acidente vascular cerebral também pode ser descrito ela parte do cérebro foi afetada (por exemplo, um acidente vascular cerebral temporal direito) ou que parte do corpo deixou de funcionar (acidente vascular cerebral que afeta o braço esquerdo, por exemplo).

Acidente vascular cerebral isquêmico

Um acidente vascular cerebral isquêmico é causado por uma artéria no cérebro que está sendo obstruída ou bloqueada. Isso evita que o sangue rico em oxigênio seja entregue às células cerebrais. A artéria pode ser bloqueada de várias maneiras. Em um acidente vascular cerebral trombótico, uma artéria pode diminuir ao longo do tempo devido ao acúmulo de colesterol, chamado placa. Se essa placa se rompe, um coágulo é formado no local e evita que o sangue passe para as outras células cerebrais, que são então privadas de oxigênio.

Em um acidente vascular cerebral embólico, a artéria é bloqueada por causa de detritos ou um coágulo que viaja do coração ou de outro vaso sanguíneo. Uma embolia é um coágulo, ou outro objeto que viaja dentro da corrente sanguínea pelo vaso sanguíneo até causar uma obstrução.

Coágulos de sangue que embolizam geralmente surgem do coração. A causa mais comum desses coágulos de sangue é uma arritmia cardíaca chamada fibrilação atrial. Essa condição ocorre quando onde as câmaras superiores do coração, os átrios, não batem em ritmo organizado. Nesse caso, o sangue que flui para os ventrículos (câmaras inferiores do coração) para ser bombeado para o corpo, forma pequenos coágulos ao longo das paredes internas do átrio. Se um coágulo se rompe, ele pode viajar ou embolizar até o cérebro. Assim, pode bloquear o fluxo sanguíneo para uma parte do cérebro e causar um acidente vascular cerebral.

As artérias carótidas são dois vasos sanguíneos grandes que fornecem ao cérebro um suprimento de sangue. Estas artérias podem estreitar, ou desenvolver estenose, com placa de colesterol que pode acumular ao longo do tempo. A superfície da placa é irregular e pedaços de detritos podem quebrar-se. Com isso, pode haver um bloqueio dos vasos sanguíneos e privar células cerebrais de sangue rico em oxigênio.

Acidente vascular cerebral hemorrágico

Quando um vaso sanguíneo se rompe e derrama sangue no tecido cerebral, essas células cerebrais param de funcionar. O sangramento ou a hemorragia é muitas vezes devido à pressão arterial baixa mal controlada que enfraquece a parede de uma artéria ao longo do tempo. O sangue também pode escorrer de um aneurisma, uma fraqueza congênita ou devido a uma má-formação arteriovenosa. O sangramento pode formar um hematoma que danifica diretamente as células cerebrais e também pode causar inchaço que exerce mais pressão no tecido cerebral circundante.

Ataque isquêmico transitório (AIT)

Um ataque isquêmico transitório é um acidente vascular cerebral de curta duração que melhora e resolve espontaneamente. É um episódio de curta duração (menos de 24 horas) de comprometimento temporário da função cerebral causada por uma perda de suprimento sanguíneo.

Um ataque isquêmico transitório causa uma perda de função na área do corpo que é controlada pela parte do cérebro afetada. A perda de suprimento de sangue no cérebro é mais frequentemente causada por um coágulo que se forma espontaneamente em um vaso sanguíneo dentro do cérebro (trombose). No entanto, também pode resultar de um coágulo que se forma em outro lugar do corpo, desalinha dessa localização e viaja para se hospedar em uma artéria do cérebro (embolia). O espasmo arterial e, raramente, um sangramento no tecido cerebral são outras causas de AIT. Muitas pessoas se referem a uma AIT como “mini-AVC“.

Alguns ataques isquêmicos transitórios desenvolvem-se lentamente, enquanto outros se desenvolvem rapidamente. Um AVC demora mais para ser tratado do que o ataque isquêmico transitório, e é também mais grave. Embora a maioria dos ataques isquêmicos transitórios geralmente dure apenas alguns minutos, todos devem ser avaliados com a mesma urgência que um acidente vascular cerebral em um esforço para prevenir recorrências. Os ataques isquêmicos transitórios podem ocorrer uma vez, várias vezes, ou precederem um acidente vascular cerebral permanente. Um ataque isquêmico transitório deve ser considerado uma emergência porque não há garantia de que a situação se resolva e a função retornará espontaneamente sem a ajuda da intervenção médica.

Um ataque isquêmico transitório no vaso sanguíneo da retina do olho pode causar perda visual temporária. Isso é muitas vezes é descrito como a sensação de uma cortina negra e escura na visão. Um AIT que envolve a artéria carótida (maior vaso sanguíneo do cérebro) pode causar problemas de movimento.

Sinais de AVC

AVC

Pode não haver sinais de aviso de um acidente vascular cerebral até essa condição ocorrer. É por isso que a pressão alta (hipertensão), um dos fatores de risco para acidente vascular cerebral, é chamado de assassino silencioso.

Alguns pacientes podem experimentar um ataque isquêmico transitório que pode ser pensado como um acidente vascular cerebral sem maiores complicações. O ataque isquêmico transitório não deve ser ignorado, pois pode ser considerado um sinal ​​de AVC.

Sintomas de AVC

Os sintomas do AVC dependem da parte do cérebro parou de funcionar devido à perda de seu suprimento de sangue. Muitas vezes, o paciente pode apresentar sintomas múltiplos, incluindo os seguintes:

  • – Mudança aguda no nível de consciência ou confusão
  • – Início agudo de fraqueza ou paralisia de metade ou parte do corpo
  • – Entorse de metade ou parte do corpo
  • – Perda de visão parcial
  • – Visão dupla
  • – Dificuldade em falar ou entender a fala de alguém
  • – Dificuldade com equilíbrio e vertigem

Os sintomas do AVC isquêmico e hemorrágico podem ser os mesmos, mas os pacientes com AVC hemorrágico também podem se queixar de mais dor de cabeça e vômitos.

Sintomas de um ataque isquêmico transitório

Os sintomas de um possível ataque isquêmico transitório são

  • – Visão dupla temporária
  • – Tonturas (vertigem)
  • – Perda de equilíbrio
  • – Fraqueza unilateral
  • – Paralisia completa do braço, perna, face ou um lado inteiro do corpo
  • – Incapacidade de falar ou entender comandos

Causas do AVC

AVC

Existem várias causas de um acidente vascular cerebral, eles podem ser devido a:

Ataque trombótico

O bloqueio de uma artéria no cérebro por um coágulo (trombose) é a causa mais comum de um acidente vascular cerebral. A parte do cérebro que é fornecida pelo vaso sanguíneo coagulado é então privada de sangue e oxigênio. Como resultado do sangue e oxigênio privados, as células daquela parte do cérebro morrem e a parte do corpo que ele controla pára de funcionar. Normalmente, uma placa de colesterol em um dos pequenos vasos sanguíneos do cérebro rompe e inicia o processo de coagulação.

Os fatores de risco para os vasos sanguíneos estreitados no cérebro são os mesmos que causam o estreitamento dos vasos sanguíneos no coração e ataque cardíaco (infarto do miocárdio). Esses fatores de risco incluem:

  • – Hipertensão arterial
  • – Colesterol elevado
  • – Diabetes
  • – Fumar

Derrame embólico

O AVC também pode ocorrer quando um coágulo de sangue se solta e percorre a corrente sanguínea até uma artéria no cérebro. Quando o fluxo sanguíneo pára, as células cerebrais não recebem oxigênio que precisam para funcionar e ocorre um acidente vascular cerebral.

Este tipo de acidente vascular cerebral é referido como um golpe embólico. Geralmente, esses coágulos permanecem presos ao revestimento interno do coração, mas ocasionalmente podem quebrar, viajar pela corrente sanguínea (embolizar), bloquear uma artéria cerebral e causar um acidente vascular cerebral. Uma embolia, placa ou coágulo, pode também se originar em uma grande artéria (por exemplo, a artéria carótida, uma grande artéria no pescoço que fornece sangue ao cérebro) e, em seguida, viajar para obstruir uma pequena artéria dentro do cérebro.

Hemorragia cerebral

Uma hemorragia cerebral ocorre quando um vaso sanguíneo no cérebro se rompe e sangra no tecido cerebral circundante. Uma hemorragia cerebral (sangramento no cérebro) provoca sintomas de acidente vascular cerebral, privando sangue e oxigênio para partes do cérebro de diversas maneiras. O fluxo sanguíneo é perdido em algumas células. Além disso, o sangue é muito irritante e pode causar inchaço no tecido cerebral (edema cerebral). O edema e o acúmulo de sangue de uma hemorragia cerebral aumentam a pressão dentro do crânio e causam mais dano ao apertar o cérebro contra o crânio ósseo. Isso diminui ainda mais o fluxo sanguíneo para o tecido cerebral e suas células.

Hemorragia subaracnoide

Em uma hemorragia subaracnoidea, o sangue se acumula no espaço abaixo da membrana aracnoide que alinha o cérebro. O sangue é originário de um vaso sanguíneo anormal que escorre ou se rompe. Muitas vezes, isso ocorre devido a um aneurisma.

As hemorragias subaracnoideas geralmente causam dor de cabeça grave repentina, náuseas, vômitos, intolerância à luz e pescoço rígido. Se não for reconhecido e tratado, consequências neurológicas importantes, como coma e morte cerebral podem ocorrer.

Vasculite

Outra causa rara de acidente vascular cerebral é a vasculite, uma condição em que os vasos sanguíneos tornam-se inflamados causando diminuição do fluxo sanguíneo para partes do cérebro.

Dor de cabeça de enxaqueca

Parece haver uma ocorrência de acidentes vasculares cerebrais ligeiramente leve em pessoas com dor de cabeça de enxaqueca. O mecanismo para enxaqueca ou dores de cabeça vascular inclui o estreitamento dos vasos sanguíneos cerebrais. Alguns episódios de dor de cabeça de enxaqueca podem até mesmo imitar o acidente vascular cerebral com perda de função de um lado do corpo ou problemas de visão ou fala. Normalmente, os sintomas se resolvem à medida que a dor de cabeça se resolve.

Diagnóstico do acidente vascular cerebral

AVC

O diagnóstico do AVC deve ser em menor tempo possível. O tempo é essencial porque, quanto mais longo, um acidente vascular cerebral permanece não reconhecido e não tratado, as células cerebrais são mais privadas de sangue e o maior número de células cerebrais morrem e não podem ser substituídas.

O diagnóstico clínico de AVC geralmente é feito após o profissional de saúde realizar um exame físico. Embora a velocidade seja importante para o diagnóstico, também é importante conhecer as circunstâncias que levaram o paciente a sofre este problema.

Existe urgência para fazer o diagnóstico e determinar se o tratamento com medicamentos trombolíticos (medicamentos para coagulação) para “reverter” o acidente vascular cerebral é uma possibilidade. O intervalo de tempo para intervir é estreito e pode ser tão curto quanto 3 a 4 horas e meia após o início dos sintomas. Por essa razão, membros da família ou pessoas próximas podem ajudar a confirmar os sinais do AVC, especialmente se o paciente não estiver completamente acordado ou tiver um déficit de fala.

A história médica do paciente servirá para procurar fatores de risco de AVC, medicamentos, alergias e quaisquer doenças ou cirurgias recentes. O histórico de medicamentos é muito importante, especialmente quando o paciente está tomando anticoagulantes (como a varfarina).

O exame físico inclui a avaliação de sinais vitais e a observação do paciente. Um exame neurológico é realizado. Coração, pulmões e abdômen também devem ser avaliados.

Fatores de risco para AVC

Em geral, os fatores de risco mais comuns para AVC são:

  • – Pressão alta
  • – Colesterol alto
  • – Fumar
  • – Diabetes
  • – Aumentando a idade

Condições cardíacas como fibrilação atrial, forame oval patente (defeito congênito que produz um buraco na parede entre as câmaras superiores do coração) e doença valvular cardíaca também podem ser a causa potencial do acidente vascular cerebral.

Quando o acidente vascular cerebral ocorre em indivíduos mais jovens (menos de 50 anos), fatores de risco menos comuns a serem considerados incluem drogas ilícitas, como cocaína ou anfetaminas, aneurismas rompidos e predisposições herdadas (genéticas) a coagulação sanguínea anormal.

Um exemplo de uma predisposição genética ao acidente vascular cerebral ocorre em uma condição rara chamada homocistinúria, na qual existem níveis excessivos de homocistina química no organismo. A homocistina é um aminoácido presente no plasma do sangue que está relacionado com o surgimento de doenças cardiovasculares. Os cientistas estão tentando determinar se a ocorrência não hereditária de níveis elevados de homocistina em qualquer idade pode predispor ao AVC.

AVC tratamento

AVC

É possível intervir e restaurar o suprimento de sangue para o cérebro de alguns pacientes com acidente vascular cerebral se eles se apresentam para assistência médica com antecedência.

A primeira consideração é garantir que o paciente tenha bombeamento de sangue, sem obstrução das vias aéreas e que possa respirar e que tenha controle adequado da pressão arterial. Em acidentes vasculares cerebrais severos, especialmente aqueles que envolvem o tronco encefálico, a habilidade dos cérebro de controlar a respiração, pressão arterial e frequência cardíaca pode ser perdida.

Os pacientes receberão oxigênio administrado, exames de sangue apropriados e exames de tomografia computadorizada realizados ao mesmo tempo que o profissional de saúde está realizando uma avaliação para fazer o diagnóstico clínico de o acidente vascular cerebral e decidir se a terapia trombolítica (medicação de coagulação) ou a recuperação de coágulos (remoção mecânica do coágulo através de cateteres) é uma opção para tratar.

Tratamento do acidente vascular cerebral isquêmico

Se o diagnóstico de acidente vascular cerebral isquêmico foi feito, há uma janela de tempo em que a terapia trombolítica pode ser uma opção. Essa terapia dissolve o coágulo que bloqueia uma artéria no cérebro e restaura o suprimento de sangue.

Para muitos pacientes, essa janela temporal é de 3 horas após o início dos sintomas. Em um grupo seleto de pacientes, esse período de tempo pode ser estendido para 4 a 5 horas. Nesse tempo, o paciente ou a família precisa reconhecer os sintomas do AVC e levar o paciente ao hospital. O profissional de saúde deve realizar exames de sangue, tomografia, consultar um neurologista, e garantir que a pressão arterial está controlada. Só então pode ser hora de administrar a terapia trombolítica ou chamar um radiologista ou neurocirurgião intervencionista para tentar remover o coágulo mecanicamente.

Tratamento do acidente vascular cerebral hemorrágico

O AVC hemorrágico é difícil de tratar e um neurocirurgião deve ser consultado imediatamente para ajudar a determinar as opções de tratamento. Essas opções possivelmente são o recorte de aneurisma, evacuação de hematoma ou outras técnicas.

O tratamento do AVC hemorrágico, em contraste com AVC isquêmico, não usa terapia trombolítica. Isso poderia piorar o sangramento e os sintomas do AVC hemorrágico, podendo causar a morte. Consequentemente, é importante distinguir entre um AVC hemorrágico e um AVC isquêmico antes do início do tratamento.

AVC recuperação de movimentos

AVC

Intervir no AVC agudo e restaurar o fornecimento de sangue ao tecido cerebral aumenta a probabilidade de minimizar o dano cerebral. Em pacientes afetados por causa do AVC, a reabilitação aumenta a chance de retornar ao nível de atividade de antes.

O objetivo da reabilitação é retornar o paciente a sua vida e nível de função que existia antes do acidente vascular cerebral. O sucesso desse objetivo depende da saúde subjacente do paciente e da gravidade do acidente vascular cerebral.

A reabilitação pode demorar semanas e meses, e normalmente requer uma abordagem de equipe para o sucesso. Fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e patologistas fonoaudiólogos são indicados. Eles irão coordenar a recuperação e reabilitação.

Alguns dos tratamentos são direcionados para evitar complicações fatais. Por exemplo, os patologistas da fala podem ajudar na deglutição para prevenir a pneumonia por aspiração. Os fisioterapeutas podem se concentrar na força e no equilíbrio para evitar quedas. Os terapeutas ocupacionais podem encontrar maneiras de permitir ao paciente realizar atividades diárias de higiene pessoal.

Muitos pacientes com déficits graves de AVC podem exigir a admissão em um hospital de reabilitação e/ou em um centro de enfermagem de longo prazo antes de retornar para casa.

O retorno à função depende da gravidade do acidente vascular cerebral, quais partes do cérebro e do corpo deixaram de funcionar e quais as complicações que se desenvolvem.

Prevenção do acidente vascular cerebral

A prevenção é sempre o melhor tratamento, especialmente quando a doença pode ser fatal. Os acidentes vasculares cerebrais isquêmicos são mais frequentemente causados ​​por aterosclerose ou endurecimento das artérias e possuem os mesmos fatores de risco que os ataques cardíacos e doença vascular periférica. Estes incluem pressão alta, colesterol elevado, diabetes e tabagismo. Parar de fumar e manter os outros três sob controle ao longo da vida minimiza muito o risco de AVC isquêmico.

Os pacientes que tiveram um ataque isquêmico transitório podem usar medicamentos para diminuir o risco de um acidente vascular cerebral subsequente. Estes incluem medicamentos para reduzir os níveis de colesterol no sangue e controlar a pressão arterial. Além disso, medicamentos antiplaquetários podem ser prescritos para tornar as plaquetas menos propensas a promover a formação de coágulos sanguíneos.

Conclusão

O AVC é uma condição bastante grave que pode afetar o corpo todo, causar graves sequelas, muitas não reversíveis e ainda levar a morte. Tentar prevenir essa condição é o melhor que você pode fazer, sendo assim, deve-se evitar seus fatores de risco, sempre que possível.

Este artigo te ajudou?
  • +2 curtiram
  • -1 não curtiram